Fórum nacional abre debate no Rio sobre integração de favelas com as cidades

Publicado em 11/09/2014 - 18:52 Por Alana Gandra - Repórter da Agência Brasil - Rio de Janeiro

A integração entre favela e cidade foi o tema de abertura, hoje (11), da sessão especial do fórum nacional Visões do Desenvolvimento Brasileiro, promovido pelo Instituto Nacional de Altos Estudos (Inae), no Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Na avaliação de José Carlos Cândido da Silva, presidente  da Associação de Moradores da Chacrinha, no Complexo do Turano,  o maior problema para mostrar que a favela é  parte da cidade está ligado à área social, relativa a projetos. “Houve a pacificação e nós ainda não conseguimos chegar no social. Este é o nosso maior problema no momento”, expôs ele à Agência Brasil. No seu entender, a comunidade se ressente da falta de investimentos para tornar realidade os projetos sociais, portanto, “precisamos de pessoas para executar os projetos; de pessoal que invista nos projetos”.

Já na comunidade do Pavão/Pavãozinho, entre os bairros de Ipanema e Copacabana, zona sul da cidade, a presidenta da Associação de Moradores, Alzira Amaral, disse que a principal demanda  é pelo tratamento do lixo. Ela apresentou projeto de criação do agente ecológico para conscientizar a população, “porque não adianta só limpar, e não conscientizar”. Ela defendeu melhor infraestrutura para a comunidade e a  necessidade de regularização fundiária, “para que possamos ter financiamento de projetos no BNDES”.

A presidenta do Instituto Pereira Passos (IPP), da prefeitura do Rio de Janeiro, Eduarda LaRocque, não tem dúvidas que a integração das favelas tem por base a informação qualificada e compartilhada. Segundo ela, há muita desinformação sobre o que existe de fato nas comunidades e o que elas precisam. Neste sentido, mencionou que uma grande inovação está sendo construída em parceria entre governo e favelas, que é o Manifesto do Século 21. ”É uma possibilidade de a gente fazer junto, planejar junto, pois transparência, informação, prestação de contas é o único caminho viável” para ela.

Para Eduarda LaRocque, além do BNDES outros agentes financeiros poderão se tornar parceiros e apoiar projetos  das comunidades. A ideia é construir uma rede que possa financiar projetos coletivos. Ela lembra que o BNDES, por exemplo, não pode financiar custeio, mas pode apoiar infraestrutura urbana. “Então, a gente está tentando, de forma inteligente, casar demanda com fontes alternativas de financiamento”. Ela acredita que em 2015 “o dinheiro vai chegar”.

O músico Carlos Henrique Medeiros, o Henrique Saggaz, integra o movimento Rede Coletiva da Rocinha, criado e desenvolvido por jovens moradores da comunidade - englobando atividades artísticas e artesanais - que resolveram se unir em torno de uma cooperativa de produção cultural e empreendedorismo solidário. O objetivo, disse Saggaz, é levar aos possíveis novos parceiros uma estrutura adequada e mecanismos que possibilitem praticar as ações existentes na comunidade.

“O objetivo direto é uma galeria de arte, que vai funcionar com dois polos: o Centro de Arte, Cultura e Entretenimento da Rocinha e o Centro de Empreendedorismo Solidário, nos quais, por meio da arte e da cultura a gente possa inserir jovens profissionais no mercado de trabalho”. Ele destacou que vários setores produtivos de arte e cultura nas favelas não têm visibilidade. Por isso, é preciso levar qualificação para as comunidades, de modo a que novos profissionais possam entrar no mercado e alcancem desenvolvimento sustentável para “levar qualidade de vida e manter, de forma permanente, suas atividades”.

 


Fonte: Favelas debatem integração com cidades no Fórum Nacional, no Rio

Edição: Stênio Ribeiro

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
comercio_varejista_julho2016.jpg
Economia

Indicador Antecedente de Emprego da FGV cresce 9,2 pontos

É a terceira alta consecutiva do indicador, que busca antecipar tendências do mercado de trabalho com base na avaliação de consumidores e empresários da indústria e de serviços.

Adoniran morreu em 1982
Geral

Adoniran, 110 anos: compositor marcou o samba com sotaque paulistano

Compositor, que nasceu em 6 de agosto de 1910 em Valinhos (SP), criou um tipo de samba paulistano que enaltecia a memória e o cotidiano de imigrantes pobres e seus descendentes.

Supermercado na zona sul do Rio de Janeiro
Economia

Inflação pelo IGP-DI sobe 2,34% em julho, diz FGV

O Índice de Preços ao Produtor Amplo, que mede o atacado, subiu de 2,22% em junho para 3,14% em julho.

Polícia Civil do Rio de Janeiro.
Geral

RJ: Polícia Civil investiga vereador suspeito de desvio em combustível

Ação busca provas materiais da participação do parlamentar no esquema conhecido como bica ou baldinho, em que motoristas desviam parte do material transportado.

Moeda Nacional, Real, Dinheiro, notas de real,Cédulas do real
Economia

BB tem lucro líquido de R$ 3,2 bi no segundo trimestre, queda de 23,7%

Banco do Brasil disse que os efeitos da pandemia sobre a economia causaram recuo da demanda por produtos e serviços, o que impactou receitas com prestação de serviços.

Inscrição,  Fies, educação
Educação

Complementação de inscrições da chamada única do Fies termina hoje

Nesta edição, 107.875 inscritos disputam 30 mil vagas, ofertadas em mais de 1,3 mil instituições de ensino superior.