OAB quer que MPF investigue militares responsáveis pela morte de Lyda Monteiro

Publicado em 11/09/2015 - 19:51 Por Isabela Vieira - Repórter da Agência Brasil - Rio de Janeiro

O presidente do Conselho Federal da OAB, Marcos Vinicios Furtado Coêlho, durante a revelação do nome do suspeito de ser o autor do atentado contra a sede do Conselho Federal da OAB (Tânia Rêgo/Agência Brasil)

O presidente da OAB, Marcos Vinicios Furtado Coêlho,  diz que a Lei de Anistia, aprovada em 1979, não perdoa os crimes cometidos por agentes do Estado após a sua promulgaçãoTânia Rêgo/Agência Brasil

A Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) recorrerá ao Ministério Público Federal para denunciar os agentes do Exército envolvidos na morte da secretária Lyda Monteiro. Ela foi assassinada em 27 de agosto de 1980, ao abrir uma carta-bomba endereçada ao então presidente da entidade, seu chefe, Eduardo Seabra Fagundes, e entregue na sede da entidade, no Rio, por militares do Centro de Informação do Exército (CIE). O desfecho do caso veio a público hoje (11), após investigações da Comissão Estadual da Verdade do Rio de Janeiro.

De acordo com a Comissão da Verdade, a bomba que matou Lyda Monteiro foi confeccionada pelo sargento Guilherme Pereira do Rosário e entregue na OAB pelo sargento Magno Cantarino Mota, o Guarany, a mando do coronel Freddie Perdigão Pereira, à época, comandante do Centro de Informação do Exército (CIE). Eles estavam também envolvidos no fracassado atentado do Riocentro, em 1981, quando planejavam colocar uma bomba no pavilhão onde ocorria um show comemorativo do Dia do Trabalho, mas explodiu no colo do sargento Rosário, quando manipulava o artefato dentro do carro no estacionamento do centro de exposição, na zona oeste da capital fluminense. O sargento morreu no local.

O filho de Lyda Monteiro,Luiz Felippe Monteiro e família, durante a revelação do nome do suspeito de ser o autor do atentado contra a sede do Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (Tânia Rêgo/Agência Brasil)

O filho de Lyda Monteiro, Luiz Felippe Monteiro, durante o ato em que a OAB diz que recorrerá ao MPF para denunciar os agentes do Exército envolvidos na morte de sua mãeTânia Rêgo/Agência Brasil

A elucidação do atentado que matou Lyda Monteiro foi possível após depoimentos de uma testemunha-chave, à época funcionária da OAB, que viu o sargento Guarany – único dos envolvidos ainda vivo, morando no Rio – deixar a carta na sede da entidade. Ela reconheceu o militar após analisar fotos em que ele aparece socorrendo colegas no atentado do Riocentro. Para proteger a testemunha de qualquer represália, a Comissão da Verdade não divulgou o seu nome.

O presidente nacional da OAB, Marcus Vinicius Furtado Coêlho, disse que a Lei de Anistia, aprovada em 1979, não perdoa os crimes cometidos por agentes do Estado após a sua promulgação. O atentado que matou Lyda Monteiro aconteceu em agosto de 1980. “A Lei da Anistia diz respeito aos fatos ocorridos previamente. Ela não pode anistiar fatos que irão acontecer”, disse o presidente da entidade após participar do evento que anunciou o desfecho do caso.

A OAB quer também um pedido de desculpas do Ministério da Defesa e dos comandantes das Forças Armadas por atos de lesa-humanidade. “Além da Ordem [dos Advogados] entender que a própria lei deve ser revista para os casos que a antecedem. Neste caso, essa discussão é ainda mais necessária porque foi um crime contra a humanidade, contra os direitos humanos, contra vida, portanto, que não se prescrevem”, afirmou Furtado.

Com a abertura de uma investigação criminal sobre os envolvidos, a OAB quer que sejam definidas ainda as “responsabilidades hierárquicas” no ocorrido. “O sargento pode ter agido obedecendo ordens, e é fundamental que [isso] seja visto”, disse Marcus Vinícius.

A presidenta da Comissão da Verdade do Rio de Janeiro, a advogada Rosa Cardoso, que integrou a Comissão Nacional da Verdade, disse que o sargento Guarany vem sendo convidado a esclarecer o ocorrido desde 2014, mas se recusa a falar sobre o assunto. Segundo Rosa, o esclarecimento do atentado na OAB ajuda a reafirmar a democracia, em um momento que pessoas saem às ruas pedindo a volta do regime militar.

A Agência Brasil procurou o Exército e o Ministério da Defesa, que não se pronunciaram.

Edição: Aécio Amado

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
A ação tem sido empreendida pelo programa Produtor de Água para recuperar a Bacia Hidrográfica do Pipiripau, que já foi considerada uma das bacias mais problemáticas do Distrito Federal.
Geral

Prêmio ANA 2020 tem inscrições prorrogadas até 15 de agosto

O prêmio avalia iniciativas que contribuem para a segurança hídrica, gestão racional de recursos e soluções sustentáveis para o Brasil.

vacina Coronovac no Hospital das Clínicas de São Paulo.
Saúde

Mais cinco centros no Brasil iniciam testes com vacina chinesa

Os testes com a CoronaVac serão realizados em nove mil voluntários. Apenas profissionais da saúde que ainda não tiveram a doença e que atuam com pacientes com a covid-19 poderão participar.

Serviço de transporte para jogo Atlético x Cruzeiro no Independência
Esportes

América e Atlético duelam por vaga na final do Campeonato Mineiro

Galo tem a vantagem do empate e Coelho depende de vitória simples. Os times da capital Belo Horizonte entram em campo nesta quarta-feira (5), às 21h30.

Entrevista coletiva do ministro Roberto Barroso por videoconferência. Brasília-DF, 26/05/2020

Foto: Roberto Jayme/ASCOM/TSE
Política

Eleições municipais: votação deve ser estendida em pelo menos uma hora

Primeiros horários de votação seriam para maiores de 60 anos ou pessoas consideradas do grupo de risco para covid-19, disse o presidente do TSE, Luís Roberto Barroso.

Teste rápido de COVID-19
Saúde

São Paulo soma mais de 24 mil mortes pela covid-19

O estado contabilizou, nas últimas 24 horas, 9.676 novos casos da doença, chegando agora à soma de 585.265 casos confirmados desde o início da pandemia

Movimentação no comércio de São Paulo após reabertura.
Geral

Capital paulista poderá abrir bares e restaurantes até as 22h amanhã

Medida vale para todas as regiões com mais de 14 dias na Fase Amarela do Plano São Paulo. Estabelecimentos poderão permanecer abertos por no máximo 6 horas.