Bandeira tarifária dificulta previsão de gastos do consumidor, diz especialista

Publicado em 25/05/2014 - 10:14 Por Sabrina Craide - Repórter da Agência Brasil - Brasília

O sistema de bandeiras tarifárias, que permite o repasse mensal para a conta de luz dos custos extras com a geração de energia térmica, dificulta que os consumidores façam uma previsão de gastos com o serviço, já que o custo será variável durante o ano. Para o professor Delberis Lima, do Departamento de Engenharia Elétrica do Centro Técnico Científico da Pontifícia Universidade Católica do Rio (CTC/PUC-Rio), o prejuízo será principalmente para grandes consumidores, como as indústrias.

“O consumidor perde em previsibilidade, e isso impacta principalmente os consumidores industriais, que têm grande custo pelo consumo de energia elétrica. Eles calculam, no início do ano, quanto vão gastar e fazem essa previsão. Com as bandeiras tarifárias, não têm como saber”, diz. Por outro lado, o especialista avalia que o sistema será positivo porque vai permitir que os consumidores controlem o seu consumo de acordo com a variação do preço da energia.

“O consumidor vai poder reagir a essa variação de preço, como reage a qualquer variação de preço de qualquer produto. O tomate está mais caro, consome menos, a energia está mais cara, consome menos”, diz. Ele lembra que, desde o começo deste ano, a energia está mais cara para as distribuidoras por causa do aumento do uso de termelétricas, e o preço mais alto ainda não foi repassado aos usuários, que continuam consumindo da mesma forma.

O sistema de bandeiras tarifárias deveria ter começado a vigorar em janeiro deste ano, mas o governo adiou para 2015 o início da implantação. As bandeiras vão funcionar como um semáforo de trânsito: a bandeira verde significa custos baixos para gerar a energia, portanto, a tarifa de energia não terá nenhum acréscimo naquele mês. A bandeira amarela indicará um sinal de atenção, pois os custos de geração estão aumentando – um acréscimo de R$ 1,50 para cada 100 quilowatts-hora (kWh) consumidos. Já a bandeira vermelha mostra que o custo da geração está mais alto, com o maior acionamento de termelétricas, e haverá um adicional de R$ 3 a cada 100 kWh.

Uma conta de luz de uma residência, por exemplo, que consumiu cerca de 230 kWh em um mês e pagou R$ 80 teria um acréscimo de R$ 6,90 em um mês, com bandeira tarifária vermelha, ou seja, um acréscimo de 8,6%. As bandeiras também servirão para alertar os consumidores quando o preço da energia fica mais alto por causa do uso de termelétricas. Atualmente, os consumidores já estão recebendo um aviso nas contas de luz informando quanto seria o acréscimo se o sistema estivesse em vigor.

Para o Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec), a única vantagem das bandeiras para os consumidores seria a informação mais clara do impacto dos custos de geração de energia em sua conta de luz. De acordo com a advogada da entidade Mariana Alves Tornero, esse objetivo, no entanto, não será atendido, pois as informações não estão claras na fatura. “A Aneel [Agência Nacional de Energia Elétrica] deveria utilizar a cor correspondente à bandeira do mês para facilitar a visualização e o entendimento do consumidor”, diz. Ela também argumenta que a nova regra das bandeiras tarifárias pode ter um impacto negativo de provocar reajustes mensais nas tarifas de energia, o que atualmente é feito de forma anual.

Segundo o presidente da Associação Brasileira de Distribuidores de Energia Elétrica (Abradee), Nelson Fonseca Leite, o uso das bandeiras tarifárias é fundamental para conciliar os custos adicionais do acionamento de térmicas, visando a dar mais racionalidade ao uso dessa fonte. "Com as bandeiras tarifárias, o consumidor estará sempre avisado sobre a situação do sistema elétrico, e isso é muito importante para que o cidadão escolha, de forma consciente, a melhor forma de racionalizar o consumo de energia”, avalia. Ele diz que não se pode alegar aumento de custos com a adoção desse mecanismo, porque o repasse ao consumidor do custo adicional com o acionamento de térmicas já ocorre normalmente na revisão tarifária das distribuidoras.

Antes do início da implantação do sistema, a Aneel deverá fazer uma campanha de esclarecimento sobre a importância das bandeiras tarifárias, para que elas não sejam vistas de forma negativa pelos consumidores. Segundo o diretor-geral da agência, Romeu Rufino, algumas regras poderão ser mudadas antes de colocar o sistema em vigência, para que consumidores de distribuidoras que não estão comprando energia de termelétricas não sejam obrigados a pagar a conta junto com os demais.

Para o professor da PUC, se o sistema tivesse sido implementado no início do ano, as distribuidoras teriam impacto menor com o custo das usinas termelétricas neste ano. “Temos alguns estudos que indicam que haveria redução do consumo motivada pelo aumento da tarifa. Isso significa que o sistema não estaria em situação tão vulnerável como está hoje”, diz.

Por causa do gasto maior das distribuidoras com energia proveniente de termelétricas e o baixo nível dos reservatórios das hidrelétricas, o governo autorizou um empréstimo de R$ 11,2 bilhões às empresas, por meio da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica. O valor do empréstimo deverá ser repassado para as tarifas de energia dos consumidores, mas a Aneel ainda não estimou quanto a conta de luz vai subir em 2015.
 

Edição: Graça Adjuto

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
A cúpula  maior, voltada para cima, abriga o Plenário da Câmara dos Deputados.
Política

Câmara aprova MP amplia uso de assinatura eletrônica

Objetivo da MP é facilitar o uso de documento assinados digitalmente para ampliar o acesso a serviços públicos digitais. Texto segue para o Senado.

la bombonera, estádio do boca juniors
Esportes

Equipes do futebol argentino voltam a treinos presenciais

Após paralisação de cinco meses causada pela pandemia de coronavírus, 16 das 25 equipes da primeira divisão do país sul-americano retornaram às atividades presenciais.

Programa de Incentivo à Cabotagem, BR do Mar,
Geral

Programa de incentivo marítimo BR do Mar é entregue ao Congresso

O governo entregou hoje o projeto de lei BR do Mar - iniciativa que visa expandir o tráfego marítimo de mercadorias em todo o território nacional.

 

cruzeiro guarani
Esportes

Série B: Cruzeiro vence Guarani por 3 a 2 fora de casa

Segunda rodada também teve triunfos de Juventude, Paraná e Botafogo SP, além do empate entre Brasil de Pelotas e Ponte Preta.

Mega-Sena, loterias, lotéricas
Geral

Mega-Sena acumula e próximo sorteio deve pagar R$ 12,5 milhões

A quina teve 16 acertadores e cada um vai receber R$ 81.484,20. Os 1.545 ganhadores da quadra receberão o prêmio individual de R$ 1.205,49.

 Esculturas de musas na fachada do prédio da sede do Museu Nacional, na Quinta da Boa Vista, zona norte da cidade
Geral

Alerj autoriza repasse de verbas para obras no Museu Nacional

A Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro autorizou o repasse de verbas complementares para a reconstrução do Museu Nacional, destruído por um incêndio em 2018.