Vencimento de títulos faz Dívida Pública Federal ficar estável em setembro

Publicado em 27/10/2014 - 15:06 Por Wellton Máximo – Repórter da Agência Brasil - Brasília

O grande volume de vencimentos de títulos corrigidos pelos juros básicos da economia fez a Dívida Pública Federal (DPF) ficar praticamente estável em setembro, apesar de a alta do dólar ter pressionado a dívida externa. De acordo com dados divulgados há pouco pela Secretaria do Tesouro Nacional, a dívida fechou o mês passado em R$ 2,184 trilhões, com alta de 0,65% (R$ 14 bilhões) em relação a julho.

A dívida pública mobiliária – em títulos públicos – interna subiu 0,19%, de R$ 2,075 trilhões para R$ 2,079 trilhões. A alta ocorreu apesar de o Tesouro ter resgatado R$ 15 bilhões em títulos a mais do que emitiu. O estoque só subiu por causa da incorporação de R$ 18,9 bilhões em juros. O reconhecimento de juros ocorre porque a correção que o Tesouro se compromete a pagar aos investidores é incorporada gradualmente ao valor devido.

Outro fator que impediu a queda da DPF foi a alta de 9,44% do dólar em setembro, que fez a dívida pública externa encerrar o mês passado em R$ 104,58 bilhões, com alta de 10,76% em relação ao valor de agosto (R$ 94,43 bilhões). Dessa forma, a maior parte da alta de R$ 14 bilhões no estoque total da DPF foi motivada pela dívida externa.

O principal fator de queda da dívida pública no mês passado foi o elevado volume de vencimento de títulos. Apenas em setembro, R$ 57,659 bilhões em papéis do governo venceram ou foram trocados. A maior parte desse valor, R$ 54,503 bilhões, correspondeu a títulos vinculados à taxa Selic (juros básicos da economia).

Mesmo com o aumento registrado em setembro, a DPF continua na faixa inferior das previsões do Tesouro. De acordo com o Plano Anual de Financiamento (PAF), divulgado no fim de janeiro, a tendência é que o estoque da DPF encerre o ano entre R$ 2,17 trilhões e R$ 2,32 trilhões.

Por meio da dívida pública, o governo pega emprestado dos investidores recursos para honrar compromissos. Em troca, compromete-se a devolver o dinheiro com alguma correção, que pode ser definida com antecedência, no caso dos títulos prefixados, ou seguir a variação da taxa Selic, da inflação ou do câmbio.

Edição: José Romildo

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Fachada do edifício sede do Supremo Tribunal Federal - STF
Geral

STF: teto constitucional incide sobre soma de pensão e aposentadoria

Com a decisão, o valor dos ganhos não pode ultrapassar R$ 39,2 mil, valor do salário dos ministros da Corte, que foi definido pela Constituição como teto.

Supermercado na zona sul do Rio de Janeiro
Economia

Custo da cesta básica caiu em 13 capitais no mês de julho, diz Dieese

 Por conta da pandemia, o Dieese suspendeu a coleta presencial de preços e começou a coletar os preços por meio de telefone, aplicativos de entrega, email e consultas na internet.

Governo de São Paulo inicia testes com vacina contra o novo coronavírus.
Saúde

Hospital das Clínicas de Campinas começa testes de vacina contra covid

O Instituto Butantan deve concluir em outubro ou novembro os testes com cerca de 9 mil voluntários em São Paulo, Brasília, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Rio Grande do Sul e Paraná.

Agente penitenciário
Geral

Agentes prisionais tiveram saúde mental abalada na pandemia

Pesquisa da Fundação Getúlio Vargas coletou informações sobre a percepção dos profissionais sobre impactos da pandemia no trabalho, no bem-estar e nas relações com os presos.

Poupança
Economia

Captação da poupança bate recorde para meses de julho

Depósitos na caderneta superaram saques em R$ 27,14 bilhões no mês passado. Nos sete primeiros meses do ano, captação acumulada chega a R$ 111,58 bilhões.

Justiça

Órgãos assinam termo de cooperação sobre acordos de leniência

O TCU passa a participar das negociações conduzidas pela CGU, AGU e MPF na celebração de acordos de leniência com empresas acusadas de desviar recursos públicos.