Custo médio da energia para a indústria nacional sobe 11,5% em janeiro

Publicado em 09/01/2015 - 17:09 Por Alana Gandra - Repórter da Agência Brasil - Rio de Janeiro

O custo médio da energia para a indústria brasileira aumentou 11,5% este mês, informa o estudo Quanto custa a energia elétrica para a indústria do Brasil?, divulgado hoje (9) pela Federação das Indústrias do estado do Rio de Janeiro (Firjan) e disponível para acesso na página da instituição.

A economista Tatiana Lauria, especialista em Competitividade Industrial e Investimentos do Sistema Firjan, disse à Agência Brasil que, com a entrada em vigor, no início de janeiro, do sistema  de bandeiras tarifárias autorizado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), o custo médio da energia elétrica para a indústria brasileira passou de R$ 360,85 por megawatt-hora (MWh)  para R$ 402,26 por MWh. O valor do custo médio inclui o reajuste de 0,9% da distribuidora Eletropaulo, referente à revisão tarifária de julho de 2014 da distribuidora, autorizado pela Justiça.

“O que chama mais a atenção é essa virada que teve de dezembro para janeiro. O que está embutido aí é o custo da entrada do sistema de bandeiras tarifárias. Foi esse sistema  que trouxe esse novo valor”, disse Tatiana. Por isso, sinalizou a necessidade de que sejam adotadas medidas estruturais que tornem de novo competitivo o custo de energia para a indústria nacional, inclusive em termos internacionais. “Quando a indústria tem que lidar com esse valor elevado de energia e competir com outras indústrias no mercado externo em que seus concorrentes têm esse fator de produção mais barato, ela sai perdendo.”

Entre as medidas estruturais, Tatiana citou a desoneração tributária, em especial o Imposto sobre Circulação de Mercadorias (ICMS); o fim do atraso no funcionamento de usinas, “que também encarece (o custo da energia)”; a maior participação de fontes térmicas mais baratas e seguras, como a nuclear e a térmica a carvão, dentro da matriz energética. Ela ressaltou, porém, que a sociedade precisa participar de todas as discussões. 

Com esse aumento de 11,5% do custo médio da energia elétrica para a indústria, o Brasil passou da oitava para a sexta posição no ranking de 28 países que apresentam as mais altas tarifas médias industriais de energia. A liderança é exercida pela Índia, cujo custo atinge R$ 596,96 por MWh. “Energia tem que estar na pauta do governo”, destacou a economista. Segundo ela, trata-se de fator primordial para a competitividade da indústria nacional, “porque vai impactar diretamente na produtividade do país, na geração de renda e de empregos. Essas medidas estruturais precisam estar na pauta da política energética do governo”.

A economista deixou claro que as indústrias não são contra o sistema de bandeiras tarifárias. A preocupação é com a tendência de aumento desse preço. Estudo feito pela Firjan estima que, de 2013 para 2016, o custo da energia para a indústria vai aumentar em 87,6%. “É um impacto muito grande para os custos produtivos da indústria. Por isso, a preocupação com as medidas estruturais para que o preço possa ser naturalmente sustentável, possa cair e garantir a competitividade à atividade industrial”.

O ranking estadual mostra que o Pará permanece na liderança entre as tarifas médias industriais de energia elétrica, com custo de R$ 548,88, seguido do Maranhão (R$ 487,34) e do Tocantins (R$ 484,99). O estado do Rio de Janeiro aparece na sétima colocação, com custo médio de R$ 460,82, enquanto São Paulo mantém a décima oitava  posição, com tarifa média de energia para a indústria de R$ 381,01.


Fonte: Custo médio da energia para a indústria nacional sobe 11,5% em janeiro

Edição: Aécio Amado

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Entrega de 528 novas moradias do programa de habitação de interesse social do Governo Federal, em São Sebastião, Distrito Federal
Economia

Inflação para famílias de renda mais baixa fica em 0,50% em julho

O índice é calculado com base em preços coletados em sete capitais brasileiras: São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Brasília, Porto Alegre, Recife e Salvador.

O Laboratório Central de Saúde Pública de Santa Catarina (LACEN) está realizando exames para identificação do novo coronavírus (COVID-19)
Saúde

Universidade de Brasília e HUB iniciam teste de vacina contra covid-19

Os primeiros que vão participar do estudo-teste são cinco profissionais da saúde que atuam no atendimento de infectados, mas não tiveram ainda a doença, informa a UnB.

Destruição provocada por explosão em Beirute
Internacional

Líbano lida com devastação feita por explosões no porto

O grande número de feridos levou a uma superlotação dos hospitais de Beirute, informou a Cruz Vermelha. O presidente do Líbano anunciou recursos de US$ 66 milhões em fundos de emergência.

Internacional

Vendedores e consumidores enfrentam riscos em mercado de Caracas

No maior mercado de produtos agrícolas da capital venezuelana, as pessoas dão pouca atenção às regras de distanciamento, embora muitos usem máscaras

São Paulo - Comitê Paralímpico Brasileiro anuncia os 25 atletas convocados para a seleção que participará do Mundial de Paratletismo Londres 2017, no Centro de Treinamento Paralímpico Brasileiro (Rovena Rosa/Agência Brasil)
Esportes

Bolsa Atleta: divulgada lista de contemplados no programa

Ao todo são 109 atletas contemplados de modalidades que fazem parte dos programas Olímpico e Paralímpico, referente ao pleito 2019.

10/08/2019 - 2 Nacional de Atletismo - Circuito Loterias Caixa de Atletismo - Centro Paralímpico Brasileiro - São Paulo (SP) - Detalhe de um atleta segurando um disco durante a prova de Lançamento de Disco - Masculino
Esportes

Lançamento de disco: falta de competições preocupa Fernanda Borges

Enquanto brasileira treina com restrições por causa da pandemia do novo coronavírus no Brasil, estrangeiras já retornaram a torneios.