Mulheres receberam 23,6% menos que os homens em 2015, aponta IBGE

Os homens receberam, em média, R$2.708,22 e as mulheres, R$2.191,59

Publicado em 05/07/2017 - 10:33 Por Flávia Villela – Repórter da Agência Brasil - Rio de Janeiro

Indústrias

Mulheres receberam 23,6% menos que os homens em 2015, aponta IBGE - Imagem de Arquivo/Agência Brasil

As trabalhadoras brasileiras ganhavam, em 2015, 23,6% menos que os trabalhadores. Dados do Cadastro Central de Empresas (Cempre) revelam que, considerando o universo de pessoas ocupadas assalariadas, os homens receberam em média R$2.708,22 e as mulheres R$2.191,59. O levantamento foi divulgado hoje (5) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Em 2015, o país tinha 5,1 milhões de empresas e outras organizações ativas que empregavam 53,3 milhões de pessoas, sendo 46,6 milhões (87%) assalariados e 7 milhões (13%) sócias ou proprietárias. Do total de assalariados, 56% eram homens e 44% mulheres. Em relação a 2014, o número de assalariados recuou 3,6%, sendo a queda entre os homens de 4,5% e entre as mulheres de 2,4%.

Em cinco anos, entre 2010 e 2015, o percentual de mulheres ocupadas assalariadas aumentou 1,9 ponto percentual. A maior participação feminina nesse período estava na administração pública e nas entidades sem fins lucrativos. Neste último ambiente, por exemplo, a participação das mulheres passou de 53,3% para 55,8% e a dos homens caiu de 46,7% par 44,2%, no período.

Os dados do Cempre revelam ainda que, nas entidades empresariais, embora os homens sejam maioria, a diferença entre o número de pessoal ocupado do sexo masculino e feminino vem caindo de 2010 para cá. No período, a diferença diminuiu 5,2 pontos percentuais.

Escolaridade

Em 2015, 79,6% do pessoal ocupado assalariado não tinham nível superior e 20,4% tinham. O número de empregados com nível superior cresceu 0,4%, enquanto o pessoal sem nível superior recuou 4,5%, em relação a 2014. Logo, a participação relativa do pessoal com nível superior aumentou 0,8 ponto percentual.

A pesquisa mostra também que, entre 2010 e 2015, apesar da predominância de trabalhadores sem nível superior, houve acréscimo de 3,8 pontos percentuais no número de empregados com nível superior, que era de 16,6% em 2010.

Em 2015, o salário dos trabalhadores com nível superior era, em média, de R$5.349,89 e o dos empregados sem nível superior, R$1.745,62, uma diferença de 206,5%. Na comparação com 2014, o salário médio mensal teve queda real de 3,2%, sendo que para as mulheres esse declínio foi de 2,3% e para os homens de 3,5%. A queda no rendimento médio foi maior entre os trabalhadores sem nível superior (4,3%) do que entre os empregados com nível superior (3,8%).

Edição: Denise Griesinger

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Félix da Costa - piloto português -campeão 2020 fórmula E
Esportes

Com Di Grassi brigando pelo vice, português leva título da Fórmula E

Brasileiro tenta finalizar temporada atrás do campeão Félix da Costa. Já o estreante Sérgio Sette Câmara terminou a rodada em 21º lugar e não chegou a pontuar.

Para marcar o Dia Mundial do Doador de Sangue, o Ministério da Saúde lança campanha de doação de sangue, no Hemocentro de Brasília.
Saúde

Estudo desenvolve exame para diagnosticar esquizofrenia e bipolaridade

Exame de sangue diferencia os dois transtornos por meio da análise de alterações bioquímicas e moleculares envolvidas em cada uma das doenças.

Rio de Janeiro - Estudantes terminam o segundo dia de provas do Enem, realizado na Uerj.  (Fernando Frazão/Agência Brasil)
Educação

Uerj abre inscrições para programa de auxílio à inclusão digital

O objetivo é democratizar as condições técnicas para promover o acesso dos alunos à internet, que será iniciado no dia 14 de setembro, com aulas e atividades remotas.

automóveis
Economia

Governo promulga acordo de livre comércio automotivo com o Paraguai

As peças e os veículos vendidos pelos dois países terão tarifas mínimas ou zeradas, mas o intervalo para o livre comércio variará entre os dois países. Os produtos paraguaios terão livre comércio imediato.

O presidente Jair Bolsonaro fala à imprensa no Palácio da Alvorada
Política

Bolsonaro nomeia mais dois membros para a Comissão de Ética Pública

A comissão é composta por sete integrantes que têm mandato de três anos, permitida uma recondução.

Geral

Prefeitura do Rio de Janeiro autoriza volta de eventos corporativos

De acordo com a prefeitura, até o momento as avaliações permitiram a antecipação de três setores da economia: os shoppings, o comércio de rua e agora os eventos de negócios.