Invalid Scald ID.

Nova meta fiscal será anunciada nesta quarta-feira pela manhã

Publicado em 15/08/2017 - 13:52 Por Wellton Máximo - Repórter da Agência Brasil - Brasília

As novas metas fiscais para 2017 e 2018 serão anunciadas amanhã (16), às 10h, informou há pouco o Ministério da Fazenda. De acordo com a pasta, o ministro Henrique Meirelles e o ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, divulgarão os números no auditório do Ministério da Fazenda.

Brasília - O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles,fala à imprensa após encontro com o ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (Antonio Cruz/Agência Brasil)

Henrique Meirelles fala à imprensa após encontro com o ministro do Planejamento, Dyogo Oliveira, e o presidente da Câmara, Rodrigo MaiaAntonio Cruz/ Agência Brasil

Pela manhã, Meirelles e Oliveira reuniram-se com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia, e líderes da base governista. Ao sair do encontro, Meirelles informou que a nova meta de déficit primário não deverá chegar a R$ 165 bilhões.

Além de trataram da meta fiscal, os dois ministros explicaram a importância da aprovação de projetos de interesse da equipe econômica, como o projeto de lei que extingue a desoneração da folha de pagamento para 46 setores da economia, a reversão das mudanças na medida provisória que criou o programa de renegociação de dívidas com a União e a criação da Taxa de Longo Prazo, que passará a corrigir as linhas de crédito do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Depois da reunião na residência oficial do presidente da Câmara dos Deputados, Meirelles encontrou-se, no Ministério da Fazenda, com os ministros de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho, e o presidente da Petrobras, Pedro Parente. Um dos pontos discutidos foi a estimativa de receitas com leilões de concessões de petróleo e gás previstos para ocorrerem em setembro. Em seguida, Meirelles almoçou com o presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn.

Frustração de receitas

O déficit primário é o resultado negativo nas contas do governo, desconsiderando os juros da dívida pública. Originalmente, a meta de déficit estava fixada em R$ 139 bilhões para este ano e em R$ 129 bilhões para o próximo. No entanto, a arrecadação ainda em queda e uma série de frustrações de receitas dificultaram o cumprimento da meta original.

Primeiramente, o Tribunal de Contas da União (TCU) mandou a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) refazer o edital do leilão de renovação de concessão de usinas hidrelétricas da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig), que renderia R$ 11 bilhões aos cofres federais este ano.

A segunda versão do programa de regularização de ativos no exterior, conhecida como repatriação, arrecadou apenas R$ 1,61 bilhão, contra R$ 13 bilhões inicialmente previstos. As alterações na medida provisória que criou a renegociação especial de dívidas com a União também podem diminuir a previsão de arrecadação, caso o governo não consiga reverter essas mudanças.

Por fim, o governo teve de recuar de medidas que elevariam as receitas. O aumento do Programa de Integração Social e da Contribuição para o Financiamento da Seguridade Social (PIS/Cofins) sobre o etanol foi parcialmente revertido, reduzindo a previsão de arrecadação em R$ 501 milhões.

Edição: Juliana Andrade

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias