Pouco mais de 30% dos consumidores dizem que tiveram oferta ao pagar em dinheiro

Publicado em 29/03/2018 - 13:02 Por Kelly Oliveira – Repórter da Agência Brasil - Brasília

A oferta de descontos para pagamento em dinheiro ou cartão de débito ainda não é uma prática na maioria dos estabelecimentos comerciais. É o que conclui um estudo, divulgado no Relatório de Inflação, publicado hoje (29) na internet, pelo Banco Central (BC).

Segundo pesquisa do Instituto Brasileiro de Economia (IBRE) da Fundação Getulio Vargas (FGV), feita a pedido do BC, apenas 32,4% dos consumidores afirmaram que houve oferta de desconto caso o pagamento fosse feito em dinheiro ou cartão de débito. Esse percentual aumentou para 42,6% entre consumidores de renda mais alta.

A pesquisa foi incluída em questionários de sondagens do Consumidor, Comércio e Serviços. Foram consultadas 1.128 empresas comerciais, 1.883 de serviços e 1.607 consumidores, em fevereiro de 2018.

A Medida Provisória nº 764 de dezembro de 2016, convertida na Lei nº 13.455 de julho de 2017, autorizou os estabelecimentos comerciais a oferecerem preços diferentes em função do meio de pagamento.

O pagamento feito em dinheiro ou débito reduz o custo dos lojistas e o prazo para receber os recursos das instituições financeiras, quando comparados com o pagamento feito com o cartão de crédito.

“Os dados revelam que parcelas importantes do comércio e do setor de serviços não oferecem a possibilidade de desconto em função da forma de pagamento. Esse fato indica que há potencial para intensificação da prática de diferenciação de preços, o que potencializaria os benefícios propiciados pela nova legislação”, afirma o BC.

De acordo com o relatório, a maioria dos consumidores (63,9%) tem conhecimento da possibilidade de diferenciação de preços conforme o tipo de pagamento. “Importante observar, adicionalmente, que mais de um terço dos entrevistados respondeu que houve elevação da frequência com que o desconto foi oferecido na comparação com o ano passado”, acrescentou o BC.

Comércio e serviços

Os resultados mostram que a prática de oferecer descontos para pagamentos em dinheiro ou cartão de débito é mais comum no comércio, setor em que 46,4% dos entrevistados afirmaram oferecer essa possibilidade aos clientes.

Mas há diferenças entre os subsetores. Enquanto no segmento de material de construção, esse percentual alcança 69,5%, no segmento de hiper e supermercados apenas 2,6% oferecem descontos. Entre os estabelecimentos que ofereceram essa possibilidade para os clientes, 64,4% informaram que a oferta estava anunciada. O desconto médio atingiu 8,4% e 7,1% para pagamentos em dinheiro e cartão de débito, respectivamente, com a maior frequência de descontos nas faixas de 2,5% a 5% e de 7,5% a 10%. Segundo o BC, o conhecimento da legislação é amplo, na medida que 85,6% dos entrevistados admitiram conhecer a lei.

No setor de serviços, os resultados da pesquisa sugerem que a prática de descontos não é tão disseminada. Apenas 17,4% dos entrevistados informaram ter oferecido essa possibilidade ao cliente, embora haja conhecimento difundido sobre a nova legislação (73,9% tem conhecimento da lei que permite diferenciação de preços).

Segundo o relatório, em alguns segmentos como serviços de manutenção e reparação e serviços prestados às famílias, o percentual que ofereceu a possibilidade de desconto atinge patamares mais altos (59,2% e 29,2%, respectivamente). O desconto médio atingiu 9,4% e 8% para pagamentos em dinheiro e cartão de débito, respectivamente, com a maior frequência de descontos nas faixas de 2,5% a 5% e de 7,5% a 10%, assim como no comércio.

Edição: Carolina Pimentel

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Geral

Programa Vigia recebe base fluvial para combate ao tráfico

Também foi entregue a primeira de sete torres de comunicação com rádios móveis e portáteis. A torre foi instalada na cidade de Iranduba (AM).

basquete em cadeira de rodas, seleção brasileira, Rio 2026
Esportes

Coluna - Justo ou injusto?

Reclassificação no basquete tira atletas do movimento paralímpico. Dos 132 reenquadrados, 119 foram considerados aptos a competir em Tóquio, e nove inelegíveis.

Ensino a distância cresce mais que presencial
Educação

MEC autoriza aulas a distância em escolas técnicas federais de ensino

Instituições que optarem por suspender aulas presenciais deverão repô-las integralmente e poderão alterar calendários escolares, inclusive recessos e férias.

A Polícia Federal prende o banqueiro Eduardo Plass em nova etapa da Operação Hashtag, desbodramento da Lava Jato no Rio de Janeiro.
Geral

Polícia Federal faz operação contra fraudes nos Correios

Cargas eram distribuídas no fluxo postal sem faturamento ou com faturamento inferior, dando prejuízo de R$ 94 milhões aos Correios. Foram expedidos mandados de afastamento de funcionários.

Governo de São Paulo inicia testes com vacina contra o novo coronavírus.
Saúde

São Paulo usa metrô para vacinar adultos e crianças 

Não é necessário apresentar carteirinha de vacinação. Em todas as estações do Metrô de São Paulo, a campanha estará na área livre do mezanino. Vacinas evitam diversas doenças.

O ministro Gilmar Mendes, durante a segunda parte da sessão de hoje (23) para julgamento sobre a validade da prisão em segunda instância do Supremo Tribunal Federal (STF).
Justiça

Gilmar Mendes suspende efeitos de veto sobre uso máscara em presídios

A decisão suspende “apenas os efeitos dos vetos feitos por meio de republicação, após o prazo de 15 dias para o exercício da deliberação executiva sobre o projeto de lei”, diz STF.