Ministro defende mais competitividade para o turismo brasileiro

Publicado em 17/05/2018 - 23:11 Por Alex Rodrigues - Repórter da Agência Brasil * - Fortaleza

O ministro do Turismo, Vinicius Lummertz, disse hoje (17), em Fortaleza (CE), que o setor de turismo, e a hotelaria brasileira em particular, precisarão se abrir mais à competitividade caso o país queira, de fato, superar a marca de 6 milhões de turistas estrangeiros a nos visitar.

“Somos um país forjado por pessoas do mundo inteiro, mas [economicamente] nos fechamos [ao exterior] por muitos anos. Em 1990, a economia brasileira tinha um grau de internacionalização de 9%. Hoje, estamos em 19%. Os Estados Unidos estão em torno de 50%. Em países da OCDE [Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico], este percentual chega a 80%”, argumentou o ministro, ao participar do 60º Congresso Nacional de Turismo (Conotel).

Para Lummertz, o turismo pode ajudar o país a se abrir mais à concorrência internacional, mas, para isso, será preciso garantir segurança jurídica para os investidores – nacionais e estrangeiros – e reduzir o chamado Custo Brasil, para que possa aumentar a produtividade de sua economia.

“O que impede o aumento da nossa produtividade é todo o nosso sistema, nosso arcabouço legal. É a insegurança jurídica e o chamado Custo Brasil. É preciso mudar a lógica atual – que, hoje, é sobreviver, e não crescer”, acrescentou o ministro. De acordo com ele, entre 140 países avaliados, o Brasil ocupa a 137ª posição dos piores ambientes para se montar um negócio de turismo.

“Em todos os países há dificuldades, mas, aqui, as empresas chegam perguntando onde podem instalar seus empreendimentos e não se sabe. Tem que ver, que discutir…precisamos ultrapassar isso. Países bem-sucedidos já resolveram as questões [que dificultam] a instalação de marinas, parques naturais, portos turísticos e de negócios em cidades históricas. Estamos melhorando nossas regulamentações, mas precisamos ter mais consciência do nível de mudanças que ainda precisa ocorrer”, apontou Lummertz.

Segurança pública

Perguntado se os problemas de segurança pública são um empecilho ao aumento do turismo doméstico e internacional, o ministro disse que esta é uma questão que afeta o mundo todo, em maior ou menor grau.

“As cidades boas para se fazer turismo são aquelas que são boas para os seus cidadãos. Ninguém quer viajar para uma cidade que não tenha boa infraestrutura, segurança e serviços […] Para tudo, precisamos que as empresas sejam mais rentáveis, façam mais negócios e ganhem mais dinheiro. Esta é uma roda positiva.”

Segundo o Ministério do Turismo, no Brasil, o setor gera 7 milhões de empregos diretos, indiretos e induzidos no Brasil. No mundo, 1 a cada 5 empregos criados em 2017 foram gerados em atividades ligadas ao segmento, que impacta mais de 50 atividades.

O presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (Abih), Manoel Linhares, concorda quanto à necessidade de superar entraves burocráticos.

“Uma das coisas que, no Brasil, emperra os negócios em turismo, é a burocracia. O registro de funcionamento de uma marina, por exemplo, pode demorar dez anos. Nos Estados Unidos, isso é concluído em três meses, com a assinatura de apenas dez folhas de papel. Temos que desburocratizar e rever as leis do setor”, pontuou Linhares. Ele também defende a legalização dos jogos de azar, a regulamentação dos aplicativos de reservas de hospedagem e a abertura das empresas aéreas ao capital estrangeiro.

* O repórter viajou a convite dos organizadores do Conotel

Edição: Davi Oliveira

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Geral

PF fecha dois bingos clandestinos no centro do Rio de Janeiro

Em um dos endereços, localizado na zona portuária, foram apreendidas 30 máquinas caça níqueis. Em outro local, na Cinelândia, foram apreendidas outras 24 máquinas.

O presidente Jair Bolsonaro faz  declaração à imprensa na área externa do Palácio da Alvorada
Política

Bolsonaro, Maia e Alcolumbre defendem teto de gastos em pronunciamento

"Resolvemos, então, com essa reunião, direcionar mais ainda nossas forças para o bem comum daquilo que todos nós defendemos", disse o presidente Jair Bolsonaro.

Governo do DF suspende aulas para evitar ampliação de casos do novo corona vírus.
Justiça

Justiça mantém suspensão de aulas presenciais na rede privada do DF

Com a decisão, o retorno continua proibido até o julgamento de uma ação civil pública que está em tramitação na 6ª Vara do Trabalho de Brasília. As aulas estão suspensas desde 11 de março.

Sessão temática no Senado sobre a Petrobras
Justiça

José Serra: Lava Jato pede que Justiça retome tramitação de ação

A ação foi suspensa, no final de julho, pela 6ª Vara Criminal Federal após uma liminar do STF ter determinado a paralisação das investigações contra o senador e sua filha. 

Fase 5 da flexibilização no Rio de Janeiro libera vendedores ambulantes nas praias
Saúde

Crivella diz que fará consulta à população sobre agendamento em praias

O objetivo do agendamento é evitar aglomerações nas areias, começando pela praia de Copacabana.  Prefeitura quer saber avaliação da população sobre iniciativa.

Lanchonetes, bares e restaurantes do Rio de Janeiro reabrem  com restrição de horário, lotação e distância entre mesas.
Saúde

Rio de Janeiro registra 83 mortes por covid-19 nas últimas 24 horas

Total de óbitos causados pelo novo coronavírus no estado chega a 14.295. Há ainda 1.061 mortes em investigação e 185.610 casos confirmados.