Mercado bancário é concentrado, mas há competição, diz Campos Neto

Publicado em 26/02/2019 - 16:04 Por Kelly Oliveira - Repórter da Agência Brasil - Brasília

O economista Roberto Campos Neto, indicado pelo governo para a presidência do Banco Central (BC), disse hoje (26) que, apesar de o mercado bancário brasileiro ser concentrado, existe competição. Segundo Campos Neto, no Brasil não há mais concentração bancária do que em outros países, como Alemanha e Inglaterra.

O economista Roberto de Oliveira Campos Neto, indicado pela Presidência da República para o cargo de presidente do Banco Central, durante sabatina na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado.
Indicado para presidir o BC, Roberto Campos Neto, é sabatinado na CAE - Marcelo Camargo/Agência Brasil

Campos Neto foi submetido nesta terça-feira a sabatina na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado. Além dele, foram sabatinados Bruno Serra Fernandes e João Manoel Pinho de Mello, indicados para as diretorias de Política Monetária e de Organização do Sistema Financeiro do BC, respectivamente, e Flávia Martins Sant’Anna Perlingeiro, indicada para o cargo de diretora da Comissão de Valores Mobiliários (CVM).

De acordo com Campos Neto, apesar de haver competição, o spread (diferença entre taxa de captação do dinheiro pelos bancos e a cobrada dos clientes) ainda não é adequado. Ele afirmou que cerca de 35% do spread devem-se à inadimplência, 25% ao custo financeiro, 25% aos impostos e 15% ao lucro.

Sobre a inadimplência, o economista disse que um dos problemas atuais é a falta informação às instituições financeiras para melhorar a avaliação do cliente ao conceder o crédito. Ele defendeu a aprovação do Cadastro Positivo, em tramitação no Congresso, como forma de disseminar informação.

Segundo Campos Neto, depois da operação de crédito contratada, há problema com a recuperação dos recursos não pagos por inadimplentes. Ele disse que, a cada R$ 1, os bancos recuperam R$ 0,13, em quatro anos, enquanto, em países emergentes, recuperam-se 60% do prejuízo em cerca de um ano e meio.

Campos Neto também defendeu reformas para reduzir a burocracia, o incentivo à inovação tecnológica, ampliar o acesso das empresas ao mercado de capitais e a atuação de cooperativas de crédito. Ele lembrou que existe também espaço para “remodelar mais” os depósitos compulsórios (recursos que os bancos são obrigados a depositar no BC), reduzidos recentemente pela instituição.

Mello, indicado para diretoria de Organização do Sistema Financeiro do BC, disse que se compromete a avançar na agenda de redução do spread bancário. “A primeira tentativa é sempre fomentando a concorrência. Se houver mais para a frente, com muita calma. Mais para a frente, com avaliação ponderada, consideram-se outros instrumentos que possam ser aplicados. Os níveis de algumas taxas de juros são muito incômodos, e temos que trabalhar para melhorá-los”, afirmou Mello.

Roberto Campos Neto defendeu a autonomia do Banco Central, que já existe em outros países. Segundoo economista, a autonomia é somente para atingir as metas estabelecidas pelo Conselho Monetário Nacional (CMN). “O Brasil é uma jabuticaba nesse sentido. Temos um sistema de metas de inflação, mas não temos independência”, afirmou. Ele acrescentou que a aprovação da autonomia, em tramitação no Senado Federal, facilitaria a entrada do Brasil em organismos internacionais, como a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE).

Após passar pela sabatina e aprovação na CAE, é preciso votação no plenário do Senado para que os indicados assumam o cargo.

Edição: Nádia Franco

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
psg neymar
Esportes

PSG vence Atalanta no fim e vai à semifinal da Liga dos Campeões

Brasileiro Neymar tem atuação decisiva, participando diretamente dos dois gols da equipe da capital francesa.

Geral

PF fecha dois bingos clandestinos no centro do Rio de Janeiro

Em um dos endereços, localizado na zona portuária, foram apreendidas 30 máquinas caça níqueis. Em outro local, na Cinelândia, foram apreendidas outras 24 máquinas.

O presidente Jair Bolsonaro faz  declaração à imprensa na área externa do Palácio da Alvorada
Política

Bolsonaro, Maia e Alcolumbre defendem teto de gastos em pronunciamento

"Resolvemos, então, com essa reunião, direcionar mais ainda nossas forças para o bem comum daquilo que todos nós defendemos", disse o presidente Jair Bolsonaro.

Governo do DF suspende aulas para evitar ampliação de casos do novo corona vírus.
Justiça

Justiça mantém suspensão de aulas presenciais na rede privada do DF

Com a decisão, o retorno continua proibido até o julgamento de uma ação civil pública que está em tramitação na 6ª Vara do Trabalho de Brasília. As aulas estão suspensas desde 11 de março.

Sessão temática no Senado sobre a Petrobras
Justiça

José Serra: Lava Jato pede que Justiça retome tramitação de ação

A ação foi suspensa, no final de julho, pela 6ª Vara Criminal Federal após uma liminar do STF ter determinado a paralisação das investigações contra o senador e sua filha. 

Fase 5 da flexibilização no Rio de Janeiro libera vendedores ambulantes nas praias
Saúde

Crivella diz que fará consulta à população sobre agendamento em praias

O objetivo do agendamento é evitar aglomerações nas areias, começando pela Praia de Copacabana. Prefeitura quer saber avaliação da população sobre iniciativa.