Ocupações no Paraná atingem 25% das escolas, diz secretária

Publicado em 18/10/2016 - 21:41 Por Daniel Isaia e Paulo Victor Chagas – Repórteres da Agência Brasil - Porto Alegre e Brasília

A ocupação de escolas por estudantes que protestam contra a medida provisória (MP) que reforma o ensino médio atinge 600 escolas no Paraná, segundo a União Paranaense de Estudantes Secundaristas (UPES). Nove universidades e dois Núcleos de Educação também estão ocupados. De acordo com a Secretaria estadual da Educação do Paraná, são 650 as escolas ocupadas no momento.

Além disso, os professores do estado entraram em greve em protesto contra a reforma no ensino médio e a proposta de emenda à Constituição  (PEC) 241/2016, que restringe os gastos da União. Os docentes querem melhores condições de trabalho. Segundo a secretária da Educação, Ana Seres Comin,  a greve atinge totalmente 5% das instituições e, parcialmente, 20%. Com isso, afirma a secretária, a maioria das 2.153 escolas do estado está funcionando normalmente, apesar das ocupações.

O movimento Ocupa Paraná anunciou que pretende ocupar mais escolas para pressionar o governador Beto Richa a realizar uma conferência em que os estudantes possam apresentar uma contraproposta à MP do Ensino Médio. “Ocuparemos mais escolas até que a resposta do conjunto de estudantes seja dada e a proposta seja aceita pelo governador.”

Ocupações “sem motivo”

Richa, que participou hoje (18) de reunião em Brasília com o ministro da Educação, Mendonça Filho, para discutir o movimento de estudantes, alega que as ocupações estão ocorrendo “sem motivo” e se devem unicamente à medida provisória do ensino médio, que é uma proposta federal.

“A expectativa é que se desocupem as escolas, porque não tem sentido isso. Logo que houve as primeiras ocupações, eu já me manifestei publicamente tranquilizando a todos que iríamos fazer audiências e, ao mesmo tempo, não iríamos diminuir as disciplinas que são ofertadas hoje. Então, não há motivo para isso”, disse Richa à Agência Brasil, após se reunir com o ministro da Casa Civil, Eliseu Padilha, no Palácio do Planalto.

Sobre a greve dos professores, o governador ressaltou que o movimento é diferente da mobilização dos estudantes e que o Paraná é o “único estado duramente atingido” com as ocupações.

De acordo com o governador, as conversas sobre a reforma do ensino médio no Paraná têm ocorrido em um processo democrático, que contou com a participação de 15 mil pessoas, entre estudantes, professores e pais. “Foram acolhidas essas propostas [em audiências regionais] e encaminhamos às mãos do ministro [Mendonça Filho] que, na frente da sua equipe técnica, designou-os para analisar as propostas e quem sabe contribuir para o aperfeiçoamento desta medida”, disse.

O título e o texto da matéria foram alterados às 19h27 do dia 19 de outubro para adequação de informações. O título e o corpo da matéria foram novamente alterados às 16h55 do dia 31 de outubro

Edição: Luana Lourenço

Últimas notícias