Mãe de dançarino morto no Rio diz que ele foi torturado

O laudo do IML mostrou que o rapaz foi morto por causa de uma

Publicado em 23/04/2014 - 13:50 Por Vitor Abdala - Repórter da Agência Brasil - Rio de Janeiro
Atualizado em 23/04/2014 - 15:47

Maria de Fátima da Silva, mãe de Douglas Rafael da Silva, dançarino encontrado morto ontem (22) no morro do Pavão-Pavãozinho, em Copacabana, presta depoimento na 13 Delegacia de Polícia (Fernando Frazão/Agência Brasil)

Maria de Fátima da Silva, mãe do dançarino encontrado morto no Pavão-Pavãozinho, presta depoimento na 13ª Delegacia de PolíciaFernando Frazão/Agência Brasil

A mãe de Douglas Rafael da Silva – dançarino encontrado morto ontem (22) no Morro do Pavão-Pavãozinho, na zona sul do Rio de Janeiro – disse hoje (23) que o filho foi torturado. Maria de Fátima da Silva prestou depoimento nesta quarta-feira na Delegacia de Polícia de Copacabana (13ª DP). Segundo ela, Douglas tinha marcas de cortes, agressões e pisadas de bota. O laudo do Instituto Médico-Legal (IML) mostrou que o rapaz foi morto por causa de uma perfuração no pulmão.

“Tenho certeza absoluta de que ele foi torturado. Ele estava muito machucado. Alguma coisa perfurou ele no tórax e isso causou uma hemorragia interna. Tinha muita marca de bota”, disse.

De acordo com Maria de Fátima, moradores relataram ter ouvido Douglas gritar, como se estivesse sendo torturado, entre o final da noite do dia 21 e o início da madrugada do dia 22.

Ela mesma só soube da morte do filho no final da tarde de ontem, por meio de moradores do Pavão-Pavãozinho. Maria de Fátima diz que pessoas da comunidade viram policiais militares fazerem um cordão de isolamento ao redor da Creche Paulo de Tarso, onde o corpo de Douglas foi encontrado, para que ninguém se aproximasse do local.

Intrigados com a presença de diversas pessoas no local e ao tentar entender por quê, moradores descobriram o corpo por volta das 9h de ontem, de acordo com ela. De acordo com a mãe do dançarino, policiais militares tentaram modificar a cena do crime antes da chegada da perícia da Polícia Civil no final da manhã.

"Tem que parar com essa história de as pessoas fazerem as coisas e varrer o lixo para debaixo do tapete", disse. "O caso dele [do meu filho] não vai ficar por isso mesmo", acrescentou.

O comandante das unidades de Polícia Pacificadora (UPPs), coronel Frederico Caldas, disse que houve um tiroteio na comunidade por volta das 22h, mas não foi registrada nenhuma vítima. A Polícia Militar, segundo Caldas, só tomou conhecimento oficialmente de que havia um corpo na creche por volta das 10h do dia seguinte.

De acordo com Caldas, não há como os policiais militares terem mexido no corpo, porque eles entraram na creche junto com policiais civis, que estavam na comunidade para fazer uma perícia do tiroteio ocorrido no dia anterior.

“Segundo o relato dos policiais, não houve qualquer abordagem ou perseguição no local da troca de tiros. O relato dos policiais é que quando eles chegaram para checar a denúncia, houve uma troca de tiros muito intensa e eles decidiram recuar. Eles sequer conseguiram chegar até o local onde havia a indicação de marginais”, explicou o coronel.

O comandante das UPPs disse que, além da investigação da Polícia Civil, a Polícia Militar abriu um processo apuratório para entender o que ocorreu no dia do tiroteio. Pelo menos oito policiais da UPP do Pavão-Pavãozinho que participaram do tiroteio serão ouvidos tanto pela Polícia Civil quanto pela Polícia Militar.

 

*Matéria e título alterados às 15h47 para adequação de informação

Edição: Talita Cavalcante

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias