Justiça determina novo bloqueio de bens de Agnelo Queiroz

Publicado em 27/02/2015 - 20:15 Por Marcelo Brandão – Repórter da Agência Brasil - Brasília

 Governador do DF, Agnelo Queiroz (Valter Campanato/Agência Brasil)

É  o  segundo  bloqueio de bens que o ex-governador do DF sofre em uma semanaArquivo/Agência Brasil

A desembargadora Simone Lucindo decidiu hoje (27) pelo bloqueio dos bens do ex-governador do Distrito Federal Agnelo Queiroz. Foram bloqueados R$ 15,9 milhões, atendendo a um recurso do Ministério Público do Distrito Federal e Territórios (MPDFT). O bloqueio é baseado em suposta aprovação irregular do projeto de construção da sede administrativa do governo, além da concessão indevida de habite-se. Simone justificou que cabe "a medida de indisponibilidade dos bens quando [estão] presentes fortes indícios de responsabilidade na prática de ato de improbidade que cause dano ao erário”.

O ex-administrador de Taguatinga Anaximenes Vale Dos Santos também teve bens bloqueados. Do valor bloqueado de Agnelo, R$ 3,9 milhões correspondem a suposto dano ao erário; R$ 3,9 milhões a título de dano moral coletivo; e R$ 7,9 milhões de multa civil. Santos teve R$ 12 milhões bloqueados. O advogado de Agnelo, Paulo Guimarães, disse à Agência Brasil que o ex-governador só vai se manifestar sobre o caso após receber a notificação, o que ainda não ocorreu. Cabe recurso da decisão.

É o segundo bloqueio de bens sofrido pelo ex-governador em uma semana. A Justiça já havia bloqueado bens de Agnelo, com base em contratos e compromissos firmados para realização da etapa brasileira da Fórmula Indy.

O centro administrativo do governo local foi inaugurado no dia 30 de dezembro, em Taguatinga, por Agnelo Queiroz. O complexo foi construído por um consórcio formado pelas empresas Via Engenharia e Odebretch, ao qual o governo distrital teria de pagar R$ 17 milhões por mês, durante 21 anos, o que somaria R$ 4,284 bilhões a preços de hoje.

O pagamento, no entanto, foi suspenso pela Justiça do DF no dia 27 de janeiro. A alegação é que traria prejuízos aos cofres públicos, uma vez que o prédio ainda não está apto ao funcionamento.

De acordo com a assessoria do GDF, os prédios ainda não têm móveis, que deveriam ser adquiridos em uma nova licitação. O complexo também não conta com sistema de telefonia e internet. Além disso, em dois prédios, o piso não está pronto e ainda não há paredes.

O governo estuda realocar 400 servidores em 40 salas do Estádio Mané Garrincha. A expectativa do governo é levar para lá as secretarias de Desenvolvimento Econômico Sustentável, de Desenvolvimento Humano e Social e Esporte. Atualmente, as três pastas ocupam prédios alugados, com gasto de R$ 10,5 milhões por mês, e a intenção do governador Rodrigo Rollemberg é economizar esse valor.

Edição: Stênio Ribeiro

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Live Jair Bolsonaro 13.08.2020
Política

Bolsonaro: não existe tentativa de furar o teto de gastos

Bolsonaro defendeu a realização de investimentos públicos em áreas sociais e obras de infraestrutura, mas disse que não existe tentativa de "golpe" para "furar o teto".

A partir de hoje (17) estão liberadas as práticas de esportes coletivos como vôlei, futevôlei, beach tennis e futebol nas praias do Rio de Janeiro.
Geral

Senado aprova auxílio de R$ 600 para trabalhadores do esporte

O Senado aprovou hoje um projeto de lei que regulariza o recebimento do auxílio emergencial por funcionários e atletas do setor de esportes.

Edifício sede do Superior Tribunal de Justiça STJ
Justiça

Ministro do STJ revoga prisão domiciliar de Queiroz e esposa

 Fabrício Queiroz é investigado em um suposto esquema de rachadinha na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro. 

Vista geral da favela Morro Azul, na zona sul do Rio de Janeiro.
Geral

Rio: 1,4 mil mortes por covid-19 foram em favelas, mostra painel

Número se referem às favelas da capital. O estado do Rio de Janeiro registrou 14.080 óbitos desde a chegada do novo coronavírus no Brasil, dos quais 8.612  na capital.

O TSE aumentou o esquema de segurança para acessar o prédio do tribunal neste domingo
Justiça

TSE adia decisão a respeito de tese sobre abuso de poder religioso

Até o momento, os ministros Alexandre de Moraes e Tarcísio de Carvalho Neto votaram contra a medida. Somente o relator, Edson Fachin, defendeu a tese para punição. 

Escola fechada por cinco dias após relatos de coronavírus.
Justiça

TJRJ determina que escolas se preparem para retorno, mesmo em greve

Decisão diz que 70% dos funcionários do administrativo devem retornar ao trabalho presencial, mesmo durante a greve, para prepararem a volta às aulas.