Pequenos agricultores elogiam plano safra, mas cobram reforma agrária

Publicado em 22/06/2015 - 17:54 Por Luana Lourenço - Repórter da Agência Brasil - Brasília

Representantes de entidades de trabalhadores rurais e movimentos sociais ligados ao campo, que participaram hoje (22) do lançamento do Plano Safra da Agricultura Familiar 2015/2016, elogiaram o anúncio da destinação de R$ 28,9 bilhões para o setor, mas cobraram mudanças para facilitar o acesso ao crédito e uma política clara de reforma agrária do governo federal.

O coordenador-geral da Federação dos Trabalhadores na Agricultura Familiar (Fetraf), Marcos Rochinski, disse que, além de alimentar os brasileiros, a agricultura familiar é responsável pela dinamização da economia de pequenos municípios e, por isso, não poderá ter investimentos reduzidos.

“Precisamos compreender que nenhuma política [para a agricultura familiar] pode deixar de ser desenvolvida por falta de recursos. E aqui, como membros da sociedade civil, queremos deixar nítido e acordado que, se faltarem recursos, bateremos à porta da presidenta [Dilma Rousseff] e dos ministros”, enfatizou.

Rochinski cobrou do governo federal a implantação efetiva de uma política de reforma agrária para combater conflitos fundiários e a violência no campo. “Não é possível continuar sem a implementação de uma reforma agrária efetiva", disse ele. E completou: "é preciso que entendamos, de uma vez por todas, que não seja mais necessário derramamento de sangue por disputa de terras. Todos precisamos dar um voto de repúdio ao latifúndio improdutivo e a toda forma de violência no campo.”

A coordenadora do Movimento Nacional de Mulheres Camponesas, Rosângela Piovizani, destacou as dificuldades de acesso ao crédito rural pelos pequenos agricultores. “Dos 4 milhões de campesinatos, somente 1 milhão conseguem acessar o crédito. Por que pequenos não conseguem ter seus projetos aprovados pelos bancos? Precisamos enfrentar isso, temos que pensar em formas de desbancarizar [reduzir a participação dos bancos] o acesso ao crédito para os pequenos produtores”, sugeriu.

Rosângela também criticou a falta de articulação entre áreas e programas do governo para implantar medidas de apoio à agroecologia, definidas como prioridade do governo no anúncio de hoje. “Temos uma ofensiva tão grande e tão brutal de projetos que produzem desastre ambiental, trabalho escravo, que usam uma quantidade exorbitante de veneno, e é preciso parar com isso.”

O presidente da Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura, Alberto Ercílio Broch, ficou satisfeito com o aporte de R$ 28,9 bilhões para os agricultores familiares, mas criticou o aumento das taxas de juros para financiamentos do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf). Este ano, os juros do Pronaf vão variar de 0,5 % a 5,5% ao ano, de acordo com a renda dos produtores. Para os agricultores familiares do Semiárido nordestino, as taxas vão variar de 0,5% a 4,5% ao ano. Em 2014, a maior taxa para o setor era 4%.

O ministro do Desenvolvimento Agrário, Patrus Ananias, argumentou que apesar do aumento, as taxas permanecem abaixo da inflação oficial.

Broch também defendeu a desburocratização de processos para que o crédito anunciado hoje chegue ao campo. “Vamos fazer grande corrente com sindicatos, movimentos sociais; vamos cobrar, fiscalizar para que verdadeiramente esses recursos cheguem aonde os agricultores vivem. Queremos nos empenhar para que esse plano safra possa verdadeiramente chegar aos nossos agricultores”, disse ele.

Em resposta às reivindicações por reforma agrária, Patrus Ananias disse que o governo prepara novo plano de assentamentos de famílias, que deve ser apresentado em julho. Quanto ao crédito, uma portaria assinada nesra segunda-feira dá prazo de 30 dias para a revisão dos limites de financiamento do Programa Nacional de Crédito Fundiário.

Edição: Stênio Ribeiro

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Fachada do edifício sede do Supremo Tribunal Federal - STF
Justiça

STF valida restrição para operações policiais no Rio

Pela decisão, as operações policiais no Rio de Janeiro poderão ser deflagradas somente em casos excepcionais, após justificativa enviada ao Ministério Público.

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Luiz Fux, durante aula magna sobre o tema Educação e Democracia: Perspectiva 2018, na abertura do curso da pós-graduação Lato Sensu em Democracia, Direito Eleitoral e Poder Legislativo.
Justiça

Luiz Fux defende uso de inteligência artificial no Judiciário

O magistrado argumentou que sistemas podem contribuir para substituir tarefas laboriosas, feitas por diversos servidores, gerando ganho de eficiência na análise de processos.

Edifício - sede do Banco Central do Brasil no Setor Bancário Norte
Economia

Copom reduz juros básicos da economia para 2% ao ano

Essa foi a nona redução seguida. Corte de 0,25 ponto percentual na taxa Selic, que está no menor nível da história, era esperado pelos analistas financeiros.

Lixão da Estrutural
Geral

Quase metade dos municípios ainda despeja resíduos em lixões

Conclusão faz parte do Índice de Sustentabilidade da Limpeza Urbana (ISLU), elaborado pelo Sindicato Nacional das Empresas de Limpeza Urbana (Selurb), com dados de 3,3 mil cidades brasileiras.

Fachada do edifício sede do Supremo Tribunal Federal - STF
Justiça

STF determina que governo adote medidas para proteger indígenas

Entre as medidas estão a manutenção de barreiras sanitárias para proteger os indígenas isolados da contaminação e a criação de um comitê para acompanhamento das ações durante a pandemia

lavoura agricultura familiar
Política

Senado aprova auxílio financeiro para agricultores familiares

Projeto prevê pagamento de cinco parcelas de R$ 600 e também um fomento emergencial de inclusão produtiva rural, no valor de R$ 2,5 mil, em parcela única, por família.