Comissão quer que governo peça perdão pela escravidão no Brasil

Publicado em 09/12/2015 - 17:36 Por Alana Gandra - Repórter da Agência Brasil - Rio de Janeiro

A Comissão Estadual da Verdade da Escravidão Negra, criada em março pela Ordem dos Advogados do Brasil Seção do Rio de Janeiro (OAB-RJ), vai exigir que o governo brasileiro peça perdão pelo crime de escravidão no país. “Que a presidenta Dilma Rousseff emita um decreto ou encaminhe para o Congresso Nacional um projeto de lei para que seja aprovado esse pedido de perdão”, disse à Agência Brasil o presidente da comissão, Marcelo Dias.

Década dos Afrodescendentes

O governo fluminense terá de emitir decreto ou encaminhar projeto de lei para a Assembleia Legislativa (Alerj), reconhecendo de maneira formal o envolvimento da Corte Imperial, sediada na cidade do Rio de Janeiro, bem como do estado, no processo escravocrata no BrasilArquivo/Valter Campanato/Agência Brasil

Essa é uma das principais conclusões da primeira fase de trabalho e pesquisa da comissão, cujos resultados foram divulgados hoje (9), no Rio. Segundo Marcelo Dias, o governo fluminense terá de emitir decreto ou encaminhar projeto de lei para a Assembleia Legislativa (Alerj), reconhecendo de maneira formal o envolvimento da Corte Imperial, sediada na cidade do Rio de Janeiro, bem como do estado, no processo escravocrata.

Outra recomendação é que o governo federal ratifique a Convenção A-68 da Organização dos Estados Americanos (OEA) sobre discriminação racial e intolerâncias correlatas. A Convenção Interamericana Contra o Racismo, Discriminação Racial e Formas Conexas de Intolerância foi aprovada pela assembleia da OEA, em 2013, na Guatemala.

Dias informou que a Convenção A-68 preconiza que em todos os espaços do Poder constituído seja observada a integração étnica e racial. “O Supremo Tribunal Federal é composto 100% hoje por representantes de somente uma etnia. A resolução da OEA exige a presença das diversas etnias que compõem a população de um determinado país. É fundamental a ratificação dessa resolução”, afirmou.

Retratos de escravos na exposição Forever Free-Livres para Sempre, sobre a história do tráfico de escravos no mundo, no Museu da Justiça (Fernando Frazão/Agência Brasil)

Retratos de escravos na exposição Forever Free-Livres para Sempre, sobre a história do tráfico de escravos, no Museu da JustiçaArquivo/Fernando Frazão/Agência Brasil

O presidente da comissão ressaltou que os principais entes apontados pelo relatório como responsáveis pelo crime de escravidão no Brasil são o governo português, que trouxe os escravos africanos para o Brasil; o governo brasileiro, que herdou os benefícios do regime escravocrata; e a Igreja Católica, representada pelo Estado do Vaticano, “que abençoou, avalizou o processo escravocrata”.

Como o relatório é parcial, a etapa de reparação pelo crime de escravidão será objeto de pesquisas no próximo ano, visando a identificar as políticas públicas que precisam ser implementadas para reparar esse período de 350 anos de escravidão, mais 127 anos de exclusão racial. “Mas a gente já aponta para o pedido de perdão por parte do papa, do governo brasileiro nos níveis federal e estadual, e do governo português”, disse Dias.

O relatório recomenda que tanto o Congresso Nacional como a Alerj aprovem a criação de um fundo de promoção de políticas públicas de igualdade racial.

Marcelo Dias vai reivindicar à presidência da OAB-RJ que mantenha a Comissão Estadual da Verdade da Escravidão Negra por, no mínimo, mais dois anos, com o objetivo de concluir a fase mais trabalhosa, que é a reparação. Lembrou que terão de ser consultados os 92 municípios fluminenses para ver quais são as demandas de cada região do estado.

A intenção do presidente da OAB-RJ, Felipe Santa Cruz, é dar continuidade à comissão, cuja primeira etapa de trabalho considera o cumprimento do papel da instituição em defesa do Estado de direito. “É mais uma contribuição em prol de uma sociedade igualitária, autocrítica e de reconhecimento da diversidade”, afirmou Santa Cruz.


Fonte: Comissão quer que governo peça perdão pela escravidão no país

Edição: Aécio Amado

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Brasília - Movimento nas rodovias do Distrito Federal na véspera do feriado de Carnaval (Elza Fiuza/Agência Brasil)
Economia

Pesquisa mostra que brasileiro viajou pouco no 3º trimestre de 2019

Os principais motivos alegados para nenhum morador do domicílio ter viajado no período pesquisado foi a falta de dinheiro (48,9%), falta de tempo (18,5%) e não ter necessidade (13,5%).

Internacional

Bielorrússia e Líbano são temas de reunião da UE na sexta-feira

"As eleições não foram nem livres nem justas. Procederemos a uma revisão aprofundada das relações da UE com a Bielorrússia, afirmaram em comunicado os 27 países do bloco.

Forte explosão na região portuária de Beirute
Política

Missão brasileira embarca com 6 toneladas de material a Beirute

Chefiada pelo ex-presidente Michel Temer, a missão leva 6 toneladas de materiais entre medicamentos, e alimentos a Beirute, que foi fortemente afetada por uma explosão há oito dias.

Fachada da Caixa Econômica Federal
Economia

Caixa credita hoje auxílio emergencial para nascidos em julho

O auxílio, com parcelas de R$ 600 (R$ 1,2 mil para mães solteiras), foi criado para reduzir os efeitos da crise econômica causada pela pandemia de covid-19.

Londres, coronavírus, covid - 19
Internacional

Museu da Ciência reabrirá em Londres no próximo dia 19

Museu oferece ingressos online com hora marcada para um número reduzido de visitantes, a fim de permitir o distanciamento social e controlar a movimentação.

Pessoas em parque de Paris
Internacional

França: nova onda de covid-19 pode ter controle mais difícil

O presidente Emmanuel Macron, afirmou, em videoconferência com ministros, que a França vai adotar novas restrições para as 20 maiores cidades do país, visando a  conter a taxa de infecções.