Trabalhadores do Recife aderem à paralisação convocada por centrais sindicais

Publicado em 22/09/2016 - 17:09 Por Sumaia Villela - Correspondente da Agência Brasil - Recife

Trabalhadores que aderiram à paralisação nacional contra reformas propostas pelo governo do presidente Michel Temer protestaram hoje (22) em frente à Federação das Indústrias de Pernambuco (Fiepe), no Recife. Entre as categorias que pararam no estado estão os professores da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) e da rede estadual. O funcionalismo municipal do Recife e de cidades como Petrolina, Buíque, Vitória, Sao Bento do Una, Escada e Palmares também registrou paralisações.

Na capital pernambucana, o ato foi organizado por centrais sindicais e teve a participação de integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST). Durante a manifestação, o grupo gritou palavras de ordem de “Fora Temer”.

O presidente estadual da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Carlos Veras, disse que a paralisação é um protesto contra a retirada de direitos. “A reforma da Previdência, que aumenta a idade mínima de aposentadoria; a reforma trabalhista, com a prevalência do negociado sobre o legislado, que rasga a CLT; a terceirização; a PEC [Proposta de Emenda à Constituição] 241, que congela salários de servidores e limita gastos públicos em saúde e educação. Contra o fim de programas sociais, a privatização das universidades federais”, listou.

Integrantes do Movimento de Luta nos Bairros, Vilas e Favelas fecharam uma avenida da zona oeste do Recife durante o protesto

Integrantes do Movimento de Luta nos Bairros, Vilas e Favelas fecharam uma avenida da zona oeste do Recife durante o protestoDivulgação/Movimento de Luta nos Bairros, Vilas e Favelas (MLB)

Segundo Veras, a paralisação de hoje é uma etapa de uma possível greve geral. “Estamos trabalhando, as centrais unificadas, para iniciar a greve no fim de novembro”, adiantou.

A integrante da direção de imprensa do Sindicato dos Trabalhadores em Educação do Estado de Pernambuco (Sintepe) Magna Katariny disse que a adesão da categoria foi decidida depois de uma consulta feita no fim de agosto. “Noventa e dois por cento dos votos foram a favor de realizar a atividade e fazer uma greve geral. Hoje a gente considera um esquenta para a greve.”

A Secretaria Estadual de Educação informou 23% das unidades de ensino tiveram suas atividades paralisadas pelo movimento. O percentual se refere a aulas do período da manhã.

A adesão dos professores da UFPE também foi decidida em assembleia. Em nota, a Associação dos Docentes da universidade, Adufepe, informou que a paralisação é o primeiro passo para uma série de mobilizações contra as reformas do governo Temer. Na assembleia, os funcionários aprovaram estado de greve e marcaram uma nova paralisação para o dia 29 de setembro.

Gerdau

No setor privado, os trabalhadores da Gerdau em Pernambuco também fizeram uma paralisação durante a manhã. De acordo com o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de Pernambuco (Sindmetal-PE), Henrique Gomes, nenhum veículo entrou ou saiu do local para realizar entregas durante a paralisação. Além de serem contrários ao que consideram perda de direitos com as eventuais reformas previdenciária e trabalhista, os funcionários da companhia protestaram por reajuste salarial.

“A Gerdau não paga o reajuste desde o ano passado. Esse ano também. Fechamos acordo com o sindicato patronal, que representa 20 empresas de metalurgia em Pernambuco, para receber 9,62% de aumento. A Gerdau afirma que não vai pagar por causa da crise”, disse o sindicalista.

No próximo dia 29, os trabalhadores da Gerdau em Pernambuco vão se juntar à paralisação nacional de metalúrgicos, segundo Gomes. A categoria reúne cerca de 40 mil pessoas no estado.

A assessoria de imprensa da Gerdau informou, por telefone, que não houve impacto na produção e que os funcionários trabalham normalmente. Segundo eles, participaram do ato somente os representantes do sindicato e outros movimentos sociais. Quanto ao aumento, a empresa afirma que ainda está em curso a negociação do acordo coletivo na empresa.

Bloqueio de via

O primeiro ato do dia de paralisação ocorreu por volta de 8h, na Avenida Sul, bairro de Afogados, zona oeste do Recife. Integrantes do Movimento de Luta nos Bairros, Vilas e Favelas (MLB) interditaram a via com pneus, galhos e fogo. A manifestação foi encerrada por volta de 10h. De acordo com os organizadores do protesto, cerca de 300 manifestantes participaram do ato. A Polícia Militar de Pernambuco, que negociou a liberação da via, não divulgou estimativa de participantes.

Edição: Luana Lourenço

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Comércio da cidade do Rio de Janeiro funciona com restrições
Saúde

Estado do Rio tem 168.064 casos de covid-19 desde início da pandemia

Desde ontem foram registrados 32 óbitos e 839 pessoas infectadas pelo novo coronavírus. O estado soma agora 13.604 mortes pela doença e 144.850 pacientes recuperados. 

Hospital de campanha do Maracanã no Rio de Janeiro
Justiça

Justiça do Rio impede fechamento de hospitais de campanha

Segundo secretaria, hospitais de São Gonçalo e do Maracanã estão abertos, mas sem pacientes por causa de vagas em unidades regulares da rede estadual.

O ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, fala à imprensa , após reunião com o presidente Jair Bolsonaro no Palácio da Alvorada
Justiça

Defesa de Onyx assina acordo de não persecução penal com a PGR

Apesar do acordo fechado com a PGR, é necessário que o caso seja analisado pelo Supremo Tribunal Federal. Ministro-relator vai decidir se homologa acordo.

Hospital de campanha para vítima de Covid-19 em Santo André, São Paulo
Saúde

Covid-19: Brasil registra mais 561 mortes; total chega a 94.665

Doença atingiu 2,75 milhões de brasileiros; 69,5% já se recuperaram. Atualmente, 743.334 pacientes estão em acompanhamento.

Painel Resolveu
Geral

EBC fica em primeiro no ranking de elogios entre instituições federais

De 1º de janeiro a 31 de julho, a administração federal recebeu 4.656 elogios de usuários de 333 instituições; EBC recebeu 417 elogios, e Ministério da Economia, 375.

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES
Economia

BNDES seleciona fundos de crédito não bancário para pequenas empresas

Com isso, BNDES busca mitigar impactos da pandemia de covid-19 na economia e, por meio de canais não bancários, ampliar crédito para pequenos empreendedores.