Cooperação entre países precisa ser rápida para combater corrupção, diz ministro

Publicado em 10/04/2017 - 14:23 Por Andreia Verdélio – Repórter da Agência Brasil - Brasília

O ministro da Transparência, Fiscalização e Controladoria-Geral da União (CGU), Torquato Jardim, disse hoje (10) que a sofisticação dos meios de corrupção implicam em uma cooperação administrativa muito intensa e muito rápida por parte dos países. “Não adianta usar meios tradicionais quando as operações são instantâneas. Em questão de segundos os recursos saem de um país para um paraíso fiscal, e depois para um segundo paraíso fiscal e desaparecem”, disse, sobre a necessidade de se criarem mecanismos operacionais em meios eletrônicos contra a corrupção na velocidade do mercado financeiro.

Jardim participou hoje do seminário Cooperação Internacional em Processos Civis e Administrativos Relacionados à Corrupção, realizado em Brasília.

“Qualquer tentativa de conter o crime (...) que seja mais lenta que a velocidade do crime está fadada ao fracasso. Tem que ser tão rápido quanto, compartilhar a base de dados e conhecimentos mútuos de quem está participando desse sistema”, disse o ministro.

Segundo Jardim, há um consenso internacional de que a experiência brasileira de combate à corrupção é muito rica e não pode ser perdida. Entretanto, há países que se dispõem a colaborar com o Brasil, mas não veem na lei brasileira uma garantia de que não haverá quebra de sigilo de documento ou que haverá, na hipótese de quebra de sigilo, uma sanção legal forte que desestimule a quebra do segredo.

O Brasil já subscreveu acordos de cooperação internacional contra corrupção, corredigida pela CGU, Ministério Público Federal (MPF) e Advocacia-Geral da União (AGU). “Já há dessas três agências, no plano internacional, esse compromisso de participação, falta agora o passo operacional”, explicou sobre os mecanismos que os países estrangeiros precisam para transacionar livremente com o poder executivo brasileiro.

Para isso, foi apresentado um guia sobre solicitação de cooperação internacional em procedimentos não-criminais relativos à corrupção, que foi desenvolvido pelo Brasil. Segundo o diretor de integridade e cooperação internacional da CGU, Renato Capanema, o guia é uma tentativa do G20 (grupo das 20 maiores economias nacionais do planeta, mais a União Europeia) de aumentar a cooperação internacional com procedimentos civis e administrativos, já que hoje a cooperação internacional tradicional está baseada em casos criminais.

“Então estamos fazendo esse movimento no G20 para entender se esses países estão de fato abertos a essa cooperação, e do ponto de vista prático, como se faz um pedido de cooperação com países do G20, quais os critérios, quais departamentos procurar, até para dar previsibilidade e confiança à relação. Tudo isso estará no guia para orientar os países para efetivar as cooperações”, explicou Capanema.

O seminário foi organizado pela Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) e pelos co-presidentes do Grupo de Trabalho Anticorrupção do G20, Brasil e Alemanha, e antecede um encontro do grupo para discutir mecanismos internacionais de combate à corrupção.

A reunião periódica do Grupo de Trabalho Anticorrupção do G20, que acontece amanhã (11) e quarta-feira (12), abordará temas como a cooperação internacional para o enfrentamento de crimes financeiros internacionais, como a lavagem de dinheiro, bem como parcerias que permitam o compartilhamento de documentos e informações e a recuperação de ativos.



Torquato Jardim fala sobre o Grupo de Trabalho Anticorrupção

Edição: Denise Griesinger

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Live Jair Bolsonaro 13.08.2020
Política

Bolsonaro: não existe tentativa de furar o teto de gastos

Bolsonaro defendeu a realização de investimentos públicos em áreas sociais e obras de infraestrutura, mas disse que não existe tentativa de "golpe" para "furar o teto".

A partir de hoje (17) estão liberadas as práticas de esportes coletivos como vôlei, futevôlei, beach tennis e futebol nas praias do Rio de Janeiro.
Geral

Senado aprova auxílio de R$ 600 para trabalhadores do esporte

O Senado aprovou hoje um projeto de lei que regulariza o recebimento do auxílio emergencial por funcionários e atletas do setor de esportes.

Edifício sede do Superior Tribunal de Justiça STJ
Justiça

Ministro do STJ revoga prisão domiciliar de Queiroz e esposa

 Fabrício Queiroz é investigado em um suposto esquema de rachadinha na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro. 

Vista geral da favela Morro Azul, na zona sul do Rio de Janeiro.
Geral

Rio: 1,4 mil mortes por covid-19 foram em favelas, mostra painel

Número se referem às favelas da capital. O estado do Rio de Janeiro registrou 14.080 óbitos desde a chegada do novo coronavírus no Brasil, dos quais 8.612  na capital.

O TSE aumentou o esquema de segurança para acessar o prédio do tribunal neste domingo
Justiça

TSE adia decisão a respeito de tese sobre abuso de poder religioso

Até o momento, os ministros Alexandre de Moraes e Tarcísio de Carvalho Neto votaram contra a medida. Somente o relator, Edson Fachin, defendeu a tese para punição. 

Escola fechada por cinco dias após relatos de coronavírus.
Justiça

TJRJ determina que escolas se preparem para retorno, mesmo em greve

Decisão diz que 70% dos funcionários do administrativo devem retornar ao trabalho presencial, mesmo durante a greve, para prepararem a volta às aulas.