Centrais vão ao Congresso negociar reformas e estudam nova greve, diz Paulinho

Publicado em 01/05/2017 - 14:47 Por Camila Boehm – Repórter da Agência Brasil - Brasília

O presidente da Força Sindical, Paulo Pereira da Silva, disse hoje (1º) que representantes das centrais sindicais irão amanhã (2) ao Senado Federal para negociação possíveis mudanças na reformas trabalhista e da Previdência Social. A declaração ocorreu no ato da central sindical pelo 1º de Maio, em comemoração ao Dia do Trabalho, na Praça Campo de Bagatelle, zona norte da capital paulista, onde uma multidão se reuniu em frente ao palco.

“Não aceitamos a reforma trabalhista como está. E vamos para a Câmara. E vamos para o governo. Se o governo Temer quiser negociar a partir de amanhã, nós estamos dispostos a negociar. Agora, se o governo não abrir negociação, se o governo não discutir com centrais, se o governo não mudar essa proposta, nós vamos parar o Brasil novamente”, disse Paulinho da Força, como é mais conhecido, referindo-se à greve geral da última sexta-feira (28), convocada pelas centrais sindicais. A Força Sindical estima que 40 milhões pararam. 

Paulinho da Força, que é deputado federal pelo Solidariedade de São Paulo, disse que fará um apelo ao presidente Michel Temer para que seja "o cara que pacifica o país. E para isso tem que mudar a reforma da Previdência, tem que mudar a reforma trabalhista”.

Nesta semana, as centrais sindicais terão reuniões para definir um calendário de atos contra as reformas e há a possibilidade de uma nova greve geral caso não haja negociação com o governo, segundo Paulinho da Força. “Quem sabe a gente consiga fazer com que Brasília ouça as vozes das ruas”, disse.

A comemoração do Dia do Trabalho, que começou por volta das 9h, deve seguir até as 15h com shows de artistas. O ato político ocorreu das 11h40 às 12h30, quando discursaram representantes sindicais e os deputados Orlando Silva (PCdoB-SP), Roberto Lucena (PV-SP) e Major Olímpio (SD-SP). Trabalhadores de diversas categorias participam da comemoração, como metalúrgicos, frentistas, construção civil, de condomínio e edifícios, têxteis, químicos, do setor de alimentação, técnicos em segurança, costureiras e aposentados.

Em discursos, os representantes das categorias criticaram o atual momento político e criticaram as reformas trabalhista e da Previdência. Do sindicato dos frentistas de São Paulo, Luiz Arraes, pediu que as pessoas estejam atentas ao Congresso Nacional, que, segundo ele, está retirando direitos dos trabalhadores. Ele defendeu que o trabalhador não vote, em 2018, em parlamentares que votarem em medidas contra o trabalhador. “Ano que vem tem eleição. Não vamos esquecer o rosto de quem está retirando nossos direitos”, disse.

Do sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo, Miguel Torres, disse que as reformas estão tirando direitos que “foram conquistados com muita luta, com suor e até com morte. "[A população] não foi à greve para brincar, foi à greve para mostrar que não vai aceitar reformas que tiram direitos, reformas que diminuem os trabalhadores. Por isso tem que ficar atentos também em Brasília, temos que ficar de olho nos deputados e senadores, temos também alguns deputados que estão conosco. Mas nós temos que começar a buscar aqueles que votaram contra nós”.

Governo

Em mensagem pelo Dia do Trabalho, divulgada por meio das redes sociais, o presidente Michel Temer disse que a reforma das leis trabalhistas que tramita no Congresso Nacional faz do 1º de Maio deste ano um “momento histórico”Temer afirmou que a “modernização das leis trabalhistas” criará emprego para os jovens e concederá direitos a trabalhadores que antes não tinham, como os temporários.

Edição: Carolina Pimentel

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Idosos moradores do Lar São José, em Sobradinho, no Distrito Federal, recebem presentes de Natal
Direitos Humanos

Covid-19: mais de 330 abrigos de idosos já receberam doações

As instituições que já receberam as doações representam 67% dos abrigos cadastrados na primeira etapa da Campanha Solidarize-se, ação promovida pelo Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos.

Parque Nacional da Tijuca
Geral

Ingresso ao Parque Nacional da Tijuca está 80% mais barato

O desconto tem por objetivo estimular o turismo local e diminuir, a curto prazo, os impactos negativos no equilíbrio econômico-financeiro dos contratos, causados pela pandemia da covid-19.

nascentes devem ser protegidas
Geral

Prazo para inscrições no Prêmio ANA 2020 termina no sábado

Inscrições devem ser feitas pelo site da premiação. Cada participante pode inscrever mais de uma iniciativa. Além disso, poderão ser apresentados trabalhos indicados por terceiros.

Premiê britânico, Boris Johnson, deixa residência oficial em Londres
Internacional

Boris Johnson teme que Reino Unido perca poder se Escócia se separar

Escócia depositou 55% dos votos contra a independência em um referendo de 2014, mas o Partido Nacional Escocês, que governa a nação, quer outro pleito.

Incendios florestais entre Miranda e Corumbá BR 262 e MS 184
Geral

Engajamento da população é vital para evitar incêndio na natureza

Coordenador ambiental diz que a educação tem que começar desde os primeiros anos das crianças, tanto em casa quanto nas escolas.

ensino online, educação a distância
Educação

Professores passam a contar com apoio emocional durante pandemia

Pesquisa feita com 7.734 mil professores de todo o país este ano mostrou que 83% ainda se sentem pouco ou nada preparados para o ensino remoto e 50% se preocupam com a saúde mental.