No Rio, ações da polícia na Maré terão plano contra violação de direitos humanos

Publicado em 29/06/2017 - 17:55 Por Douglas Corrêa - Repórter da Agência Brasil - Rio de Janeiro

A Defensoria Pública do Rio conseguiu, na Justiça, que a Secretaria de Estado de Segurança Pública apresente, em até 180 dias, plano de redução de riscos e danos para evitar violações de direitos humanos durante operações policiais no Complexo da Maré, zona norte do Rio.

As diretrizes deverão ser seguidas para o cumprimento de mandados de prisão e busca e apreensão. O pedido feito pelo Núcleo de Defesa dos Direitos Humanos (Nudedh), em ação civil pública, tem a finalidade de proteger a integridade física dos moradores. No local, os tiroteios são constantes, deixando mortos e feridos, obrigando o fechamento de escolas e a paralisação de serviços.

Somente no ano passado, segundo levantamento da ONG Redes da Maré, foram 33 dias de operações policiais e invasões de domicílio. Em janeiro e fevereiro de 2017, três pessoas morreram, quatro ficaram feridas por arma de fogo e as escolas funcionaram em apenas sete de quinze dias letivos, em decorrência de seis operações policiais no complexo.

O juízo da 6ª Vara de Fazenda Pública determinou também a presença obrigatória de ambulâncias sempre que houver incursão de policiais, além da instalação, de forma gradual, de equipamentos de vídeo e de áudio, e de sistema de localização por satélite (GPS) nas viaturas das Polícias Civil e Militar.

De acordo com o defensor público Daniel Lozoya, do Nudeddh, a medida tem por objetivo "promover respeito aos moradores da Maré e igualdade de direitos, questionando o paradigma bélico das ações policiais, especialmente nas chamadas incursões policiais, que tantos danos causam à população residente”.

A decisão da Justiça determina também que seja divulgado, aos agentes de segurança, que os mandados judiciais de prisão e de busca e apreensão por parte de policiais militares e civis devem ser cumpridos durante o dia, salvo em caso de flagrante delito ou desastre, ou para prestar socorro.

Ação

A ação civil pública, de autoria do Núcleo de Defesa dos Direitos Humanos, foi ajuizada há um ano, em 29 de junho, durante o plantão judiciário noturno, devido a violações de direitos humanos ocorridas em operações policiais na Maré, em buscas domiciliares e cumprimento de mandados de prisão até mesmo à noite, em desrespeito à Constituição.

Edição: Maria Claudia

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Live Jair Bolsonaro 13.08.2020
Política

Bolsonaro: não existe tentativa de furar o teto de gastos

Bolsonaro defendeu a realização de investimentos públicos em áreas sociais e obras de infraestrutura, mas disse que não existe tentativa de "golpe" para "furar o teto".

A partir de hoje (17) estão liberadas as práticas de esportes coletivos como vôlei, futevôlei, beach tennis e futebol nas praias do Rio de Janeiro.
Geral

Senado aprova auxílio de R$ 600 para trabalhadores do esporte

O Senado aprovou hoje um projeto de lei que regulariza o recebimento do auxílio emergencial por funcionários e atletas do setor de esportes.

Edifício sede do Superior Tribunal de Justiça STJ
Justiça

Ministro do STJ revoga prisão domiciliar de Queiroz e esposa

 Fabrício Queiroz é investigado em um suposto esquema de rachadinha na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro. 

Vista geral da favela Morro Azul, na zona sul do Rio de Janeiro.
Geral

Rio: 1,4 mil mortes por covid-19 foram em favelas, mostra painel

Número se referem às favelas da capital. O estado do Rio de Janeiro registrou 14.080 óbitos desde a chegada do novo coronavírus no Brasil, dos quais 8.612  na capital.

O TSE aumentou o esquema de segurança para acessar o prédio do tribunal neste domingo
Justiça

TSE adia decisão a respeito de tese sobre abuso de poder religioso

Até o momento, os ministros Alexandre de Moraes e Tarcísio de Carvalho Neto votaram contra a medida. Somente o relator, Edson Fachin, defendeu a tese para punição. 

Escola fechada por cinco dias após relatos de coronavírus.
Justiça

TJRJ determina que escolas se preparem para retorno, mesmo em greve

Decisão diz que 70% dos funcionários do administrativo devem retornar ao trabalho presencial, mesmo durante a greve, para prepararem a volta às aulas.