Judoca refugiada no Brasil há quatro anos reencontra família após Rio 2016

A congolesa Yolande Bukasa conseguiu entrar em contato com os parentes

Publicado em 05/08/2017 - 16:19 Por Vinícius Lisboa - Repórter da Agência Brasil - Rio de Janeiro

Aos 29 anos, a judoca congolesa Yolande prepara-se para os Jogos de Tóquio

Aos 29 anos, a judoca congolesa Yolande prepara-se para os Jogos de TóquioFernando Frazão (Agência Brasil)

A participação nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro realizou dois sonhos na vida de Yolande Bukasa, de 29 anos: além de pisar no tatame na principal competição do esporte, a congolesa, refugiada no Brasil desde 2013, conseguiu entrar em contato com a família depois que sua história foi contada mundo afora. Um ano depois da abertura dos Jogos do Rio, a atleta comemora o reencontro.

"Uma tia que mora em Paris me viu e veio me encontrar. Ela veio a São Paulo, pagou minha passagem, e passamos cinco dias juntas. Ela me contou tudo, que minha mãe estava viva e meus irmãos também. Só uma irmã morreu", conta Yolande. "Deus fez meu coração muito feliz."

Refugiada na França há 20 anos, a tia de Yolande veio ao Brasil para ter certeza de que havia descoberto o paradeiro da sobrinha. Depois de confirmar a suspeita, avisou à mãe da atleta, que ainda vive com três filhos na República Democrática do Congo. A família se separou durante um bombardeio à cidade de Bukavu, quando Yolande tinha apenas 10 anos e voltava da escola. Ela foi resgatada e levada para Kinshasa. capital do Congo, e não tinha mais reencontrado os parentes.

"Ela [a mãe] me ligou, e não consigo nem explicar. Ela não conseguia falar, chorava muito", lembra Yolande, que agora pode matar a saudade com as fotos que recebeu da família e guarda no celular.

A atleta passou a conversar diariamente com a mãe e os irmãos pelo WhatsApp e os ajuda financeiramente a cada dois meses. O apoio que Yolande começou a receber do Comitê Olímpico Internacional (COI), ainda antes dos Jogos, continua, e ela consegue se manter treinando e estudando português no Instituto Reação, na zona oeste do Rio.

Os Jogos Olímpicos de Tóquio, em 2020, são o próximo objetivo da jovem congolesa. Por isso, Yolande recusou o convite da tia de se mudar para Paris, e prefeiru continuar a preparação para a competição com o sensei Geraldo Bernardes, técnico da campeã olímpica Rafaela Silva e de outros nomes que estão na história do judô brasileiro, como Flávio Canto.

"Na Olimpíada, ano passado, eu estava treinando havia pouco tempo. Agora, estou me preparando mais. Estou malhando muito e treinando a parte física. Quero subir de categoria", sonha Yolande, que foi derrotada pela israelense Linda Bolder, na categoria até 70 quilos. "Tenho o quimono do dia da minha competição. Guardo na minha casa e olho todo dia. [A lembrança] me faz feliz."

Time de refugiados
 

Popole, que venceu a primeira luta na Rio 2016, e Yolande buscam uma chance para 2020

Popole, que venceu uma luta na Rio 2016, e Yolande buscam nova chanceFernando Frazão (Agência Brasil)

Yolande treina todos os dias com Popole Misenga, de 25 anos, que também se separou da família ainda criança, em meio a um conflito armado em seu país. Eles chegaram ao Brasil juntos, em 2013, para disputar o campeonato mundial, mas contam que foram abandonados pela confederação de seu país. Tiveram de viver na rua e só começaram a treinar no Reação um ano e quatro meses antes de participar dos Jogos do Rio como membros do Time de Refugiados do COI.

Popole surpreendeu: saiu vitorioso na primeira luta e perdeu o segundo confronto, com o campeão mundial Gwak Dong Han, da Coreia do Sul. Focado no ciclo olímpico, Popole também cuida da filha mais nova, Maria Elisa, que nasceu meses depois de sua luta no Parque Olímpico do Rio de Janeiro.

"Minha vida no esporte melhorou muito. Estou treinando muito, participando de competições e ganhando ajuda do Comitê Olímpico Internacional", conta ele. "Eu evoluí, porque quando cheguei à Olimpíada, estava muito parado, três anos parado. Agora, treino direto, de segunda a sábado."

Popole vive com a mulher, três filhos de outro relacionamento dela e um casal de filhos que os dois tiveram. Com a ajuda financeira do COI, ele consegue treinar sem ter que buscar outro trabalho e, apesar de morar de aluguel em Brás de Pina, consegue ajudar amigos refugiados. "Os amigos que precisam, eu tento ajudar. Mesmo com pouco. Nossa cultura é assim."

A mulher de Popole, Fabiana de Souza, de 34 anos, estava grávida na época em que o marido disputou a Olimpíada e não pôde ir ao estádio com os quatro filhos. "O que passou na minha cabeça é que era o momento dele, que não só poderia mudar, como mudou, a nossa vida para melhor. Ele perdeu, mas, para mim, é um vitorioso, pela história de vida dele, de onde ele saiu até aonde chegou."

Fabiana conta que o reencontro com Popole após a Olimpíada foi de muita alegria, não apenas pelo sonho que havia sido realizado, mas porque eles não se viam há cerca de um mês, por causa do período de concentração antes dos Jogos e da acomodação na Vila Olímpica. "Ele é muito família, e a gente nunca tinha passado um mês longe um do outro. Ele não ficou triste porque perdeu. Ficou com sede de quero mais. Quando ele lutou com o campeão do mundo e perdeu nos minutos finais, aquilo foi a melhor coisa."

Técnico comemora

O técnico Geraldo Bernardes se alegra com as boas posições que Popole vem conseguindo em campeonatos estaduais no Rio de Janeiro e destaca que a história dos refugiados chamou a atenção da imprensa japonesa.

"O Popole está progredindo, está tendo uma evolução boa, e a gente está pensando em 2020. O Japão ficou muito interessado na história dele. Acredito que o Comitê Olímpico Internacional e o Japão possam dar [a ele] uma chance de participar [da Olimpíada]."

Para Yolande, a situação é mais difícil, porque já tem 29 anos e estará com 32 em 2020. "Com isso, há uma diferença. Ela teria que já estar no auge com 32 anos", ressalta o técnico. "Todo dia eles treinam. Fora o treinamento, tem a preparação física. Acho que é um treinamento satisfatório", afirma.

Edição: Nádia Franco

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
O presidente da República, Jair Bolsonaro, fala durante a solenidade de Posse dos ministros  das Comunicações e da Ciência, Tecnologia e Inovações
Política

Bolsonaro diz a embaixador que Brasil vai ajudar o povo libanês

“O Brasil está solidário e manifestamos esse sentimento ao povo libanês. Estaremos presentes nessa ajuda àquele povo que tem alguns milhões de seus dentro do nosso país”, disse o presidente.

 A Orquestra Sinfônica do Teatro Nacional se apresenta no Hospital da Criança de Brasília como parte do projeto Concertos da Saúde.
Geral

Orquestra Sinfônica de São Paulo e Masp apresentam série de concertos

Concertos vão combinar arte e música no auditório do Masp. Live será transmitida a partir das 20h no YouTube.

Austrália fecha fronteira estadual pela 1ª vez em 100 anos para deter coronavírus. Na foto, pessoas com trajes de proteção em Melbourne, Austrália
Internacional

Com aumento de mortes por covid-19, Austrália terá mais restrições

Segundo estado mais populoso da Austrália, Vitoria relatou crescimento recorde de 725 novos casos de covid-19, apesar de ter restabelecido o lockdown em Melbourne, a capital.

Teletrabalho, home office ou trabalho remoto.
Economia

Serviço público tem mais pessoal em trabalho remoto que setor privado

Resultados da pesquisa evidenciam desigualdade com números gerais de trabalho remoto no país com recortes também por idade, gênero, raça/cor e escolaridade, diz o Ipea.

Economia

Ecad dará descontos no pagamento de direitos autorais até 2021

Escritório é o responsável pela arrecadação e distribuição dos direitos autorais das músicas aos seus autores.

FILE PHOTO: Tennis - ATP 500 - Mexican Open
Esportes

Rafael Nadal desiste do US Open de Tênis por causa da pandemia

Atual campeão e Roger Federer serão as principais ausências no torneio. "Esta é uma decisão que eu nunca quis tomar, mas decidi seguir meu coração", disse o espanhol.