Fortaleza terá primeira ciclovia-modelo do Brasil

Projeto, que faz parte do Programa de Mobilidade de Baixo Carbono,

Publicado em 10/09/2017 - 19:14 Por Edwirges Nogueira - Correspondente da Agência Brasil - Fortaleza

Brasília - A organização não governamental Rodas da Paz doa bicicletas a refugiado de varios países (Antonio Cruz/Agência Brasil)

Brasília (foto) e São Paulo também fazem parte do programa de mobilidade de baixo carbonoAntonioCruz/ABr

Os ciclistas de Fortaleza terão um novo espaço de trânsito na capital a partir de um projeto-piloto elaborado pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), Ministério das Cidades e a prefeitura da capital. A ciclovia-modelo, de 7 quilômetros, vai passar pelas avenidas Coronel Carvalho e Radialista José Lima Verde, no lado oeste da cidade, duas das mais movimentadas da região e que cortam quatro bairros.

O projeto-piloto faz parte do Programa de Mobilidade de Baixo Carbono, elaborado após o Acordo de Paris, firmado pela comunidade internacional para combater as alterações climáticas no mundo, e o compromisso do Brasil de reduzir as emissões de carbono até 2030. Brasília, Belo Horizonte e São Paulo também fazem parte do programa e serão responsáveis pela elaboração do caderno técnico de referência em mobilidade por bicicleta.

O estudante de biblioteconomia Ivan Ribeiro, de 35 anos, que pedala com frequência nas duas vias para ir ao trabalho, tem a bicicleta como principal meio de transporte na cidade. “Atualmente, há trechos dessas avenidas em que é relativamente tranquilo pedalar. Em outros, as pistas são estreitas, e é difícil dividir o espaço com os carros. Eu não me sinto totalmente seguro, pois esses trechos complicados são maioria.”

Fortaleza receberá a ciclovia-modelo por já ter uma ampla malha cicloviária, de 214 quilômetros, e contar com o Plano Diretor Cicloviário Integrado (PDCI). Atualmente, os dois programas de bicicletas compartilhadas ativos na cidade (o Bicicletar, que dá uma hora de uso gratuito, e o Bicicleta Compartilhada, que permite passar 14 horas com o veículo) disponibilizam aos ciclistas mais de mil unidades. Somente o Bicicletar registra mais de 1,5 milhão de viagens desde sua implantação, em 2014.

“Com esta ciclovia e o caderno técnico de referência, planeja-se criar um benchmark [processo de comparação de produtos, serviços e práticas empresariais], para todo o país, do planejamento e construção de uma ciclovia que promova a mobilidade urbana sustentável”, afirma Karisa Maia Ribeiro, especialista sênior em transportes do Banco Interamericano de Desenvolvimento.

Um dos critérios usados para escolher as avenidas que receberão a ciclovia-modelo foi a possibilidade de integração com outras ciclovias e ciclofaixas existentes na região. Segundo o coordenador de Gerenciamento de Programas e Projetos da Secretaria da Infraestrutura de Fortaleza, os 7 quilômetros do projeto-piloto vão se somar a cerca de 20 quilômetros da estrutura para trânsito de bicicletas já existente, integrando, inclusive, o trecho da orla da Avenida Vila do Mar, no litoral oeste de Fortaleza.

“Acreditamos que, com segurança e com toda essa infraestrutura instalada, as pessoas vão mudar sua forma de deslocamento, optando por veículos não motorizados. Isso é um movimento em todo o país e, com esse investimento, pensamos que estamos mudando uma realidade”, disse Daher.

Obra custará US$ 1,5 milhão

A construção da ciclovia-modelo vai custar US$ 1,5 milhão, e a obra deve começar em fevereiro do ano que vem. O projeto está sendo elaborado pela prefeitura da capital cearense em conjunto com uma consultoria especializada e vai passar ainda por consulta pública para receber sugestões da população.

Com a experiência de quem pedala nas avenidas, o estudante Ivan Ribeiro pergunta como vão ficaras muitas árvores que existem nessas vias. “Tem muitas árvores no canteiro central das avenidas. Eu me pergunto se vão tirá-las, pois sou contra a derrubada de árvores para fazer ciclofaixas." Ele disse que também é preocupante o fato de essas vias não serem tão largas. "Querendo, ou não, existe o debate de que se tira o espaço do carro. Isso incomoda os motoristas e acaba gerando conflitos no trânsito.”

André Daher, entretanto, observou que a experiência de Fortaleza e de outras cidades brasileiras em termos de convivência entre carros e bicicletas vai trazer, por meio do caderno técnico, deve contribuir para o surgimento de  soluções que tornem as vias mais seguras e o convívio com entre os usuários, mais tranquilo.

“Aqui na cidade, por exemplo, temos muitas ciclovias na área periférica, mas não há em todas elas o nível de conflito que há nas avenidas escolhidas para o projeto-piloto, que ficam em uma área bastante adensada. Haverá soluções com o maior número de dispositivos para garantir a segurança do ciclista”, acrescentou Daher. Ele destacou o aumento da sinalização e as travessias sobre canteiros e passeios.

Para Karisa, a adequação das cidades, já muito estruturadas para os veículos motorizados, para receber a bicicleta como modal de transporte, ocorre exatamente por meio de iniciativas que beneficiam a população com alternativas de mobilidade. Ela disse que também são fundamentais para mudar a forma de locomoção das pessoas nas cidades a prioridade ao transporte não motorizado e ao transporte público coletivo e a capacitação e a disseminação do conhecimento sobre planejamento da mobilidade urbana de baixo carbono.

Lançada em julho deste ano, a Política de Desenvolvimento Urbano de Baixo Carbono de Fortaleza prevê redução de 20% Gás de Efeito Estufa (GEE) até 2030. A prefeitura estima que, desde 2012, a capital já conseguiu reduzir a emissão desses gases em 4%.

Edição: Nádia Franco

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Destruição provocada por explosão em Beirute
Internacional

Líbano lida com devastação feita por explosões no porto

O grande número de feridos levou a uma superlotação dos hospitais de Beirute, informou a Cruz Vermelha. O presidente do Líbano anunciou recursos de US$ 66 milhões em fundos de emergência.

Internacional

Vendedores e consumidores enfrentam riscos em mercado de Caracas

No maior mercado de produtos agrícolas da capital venezuelana, as pessoas dão pouca atenção às regras de distanciamento, embora muitos usem máscaras

São Paulo - Comitê Paralímpico Brasileiro anuncia os 25 atletas convocados para a seleção que participará do Mundial de Paratletismo Londres 2017, no Centro de Treinamento Paralímpico Brasileiro (Rovena Rosa/Agência Brasil)
Esportes

Bolsa Atleta: divulgada lista de contemplados no programa

Ao todo são 109 atletas contemplados de modalidades que fazem parte dos programas Olímpico e Paralímpico, referente ao pleito 2019.

10/08/2019 - 2 Nacional de Atletismo - Circuito Loterias Caixa de Atletismo - Centro Paralímpico Brasileiro - São Paulo (SP) - Detalhe de um atleta segurando um disco durante a prova de Lançamento de Disco - Masculino
Esportes

Lançamento de disco: falta de competições preocupa Fernanda Borges

Enquanto brasileira treina com restrições por causa da pandemia do novo coronavírus no Brasil, estrangeiras já retornaram a torneios.

Parque Nacional do Itatiaia
Geral

Parque Nacional do Itatiaia inicia hoje reabertura gradual

Por enquanto, atrações da parte alta, como o Pico das Agulhas Negras, o Maciço das Prateleiras e a Cachoeira de Aiuruoca, além do camping, continuam fechados. 

Auxiliares de limpeza trabalham em hospital no combate à covid-19
Saúde

Auxiliares de limpeza contam sua rotina em hospital durante pandemia

Maria Berenice diz que o cuidado com a limpeza aumentou ao ficar na linha de frente do combate à pandemia do novo coronavírus. "Significou ver de perto o sofrimento das pessoas".