Veja mais repercussões sobre a morte de Alberto Dines

Publicado em 22/05/2018 - 14:56 Por Agência Brasil * - Brasília

O ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes Ferreira, lamentou hoje (22) a morte do jornalista Alberto Dines, de 86 anos, a quem atribuiu o aperfeiçoamento profissional do jornalismo no Brasil. O chanceler lembrou que foi Dines que sugeriu a inclusão, na Constituição, da participação de pessoas jurídicas no capital social das empresas jornalísticas.

Aloysio Nunes afirmou também que Dines foi condecorado, em 2010, com a Ordem do Rio Branco por sua atuação como “jornalista de ofício, zeloso da ética e profundamente devotado”.

Morre aos 86 anos o jornalista Alberto Dines
Jornalista Alberto Dines (José Cruz/Agência Brasil)

“O Observatório da Imprensa, que fundou e conduziu ao longo de mais de 20 anos, é referência obrigatória e fonte indispensável de informações para aqueles que acompanham a política brasileira. Com sua visão crítica e autônoma, ajudou a aprimorar o trabalho fundamental que realiza a imprensa numa sociedade democrática e pluralista.”

Em nota, Aloysio Nunes presta solidariedade à família e aos amigos de Dines e destaca a importância de seu legado.

“Recebi com grande consternação a notícia do falecimento do jornalista Alberto Dines. Prócer da liberdade de expressão no Brasil, inclusive durante a longa noite do regime de exceção, Dines foi e seguirá sendo uma referência para todos que lutam pelas causas da democracia e de uma imprensa livre e de qualidade.”

O chanceler encerra afirmando: “Manifesto minhas condolências aos familiares e amigos de Alberto Dines, cuja obra e exemplo de vida continuarão inspirando as atuais e futuras gerações na construção de um país mais próspero e justo, em que o jornalismo independente continuará sendo uma peça indispensável”.

Observatório da Imprensa

A morte do jornalista Alberto Dines deixou uma legião de colegas e amigos inconsoláveis. Um deles é Emília Ferraz, que dirigiu durante 15 anos o programa Observatório da Imprensa, comandado por Dines na extinta TV Educativa, hoje TV Brasil. “Foi um mestre para todos, principalmente para quem trabalhou com ele”, salientou Emília, em entrevista à Agência Brasil.

Emília lembrou que, como professor, Alberto Dines pôde ensinar muitos alunos, mas destacou que seu trabalho ia muito além disso. “Tanto no Observatório na TV, como na internet, cada artigo que Dines escrevia era uma aula de jornalismo, uma aula de sociedade, de política, de tudo. Trabalhar com ele, para mim, foi um privilégio imensurável”.

Emília não tem dúvida de que Dines vai fazer muita falta para todos. “O jornalismo perde um mestre, para mim um dos melhores do mundo, não só do Brasil. Acho que ele pode ser comparado aos melhores”, afirmou.

Revolução no JB

Na opinião do atual vice-presidente do Jornal do Brasil, Gilberto Menezes Côrtes, que entrou no jornal ainda “foca”, nome dado aos jornalistas iniciantes, Dines foi responsável por completar a revolução no JB iniciada no final dos anos 50 por Odylo Costa, filho.

“Tive o privilégio de receber, no dia 31 de janeiro deste ano, o último artigo de Dines que foi publicado no dia 25 de fevereiro, na reestreia do JB”, destacou Côrtes, falando à Agência Brasil. O texto, segundo ele, “é um primor do jornalismo”.

Côrtes entrou no JB em 1972, para participar do curso de jornalismo criado por Dines no jornal em sua gestão, que se estendeu de 1963 a 1973. Na empresa, Côrtes conviveu com Alberto Dines durante um ano e meio, até a saída do mestre, em dezembro de 1973.

Gilberto Menezes Côrtes lembrou a resistência no JB de Alberto Dines ao regime militar e sua luta contra a censura. “Enfrentou uma época difícil com equilíbrio muito grande e ensinou várias gerações. Participou da época áurea do JB, que foi de 1968 a 1974. Dines simboliza o grande período do JB”, mencionou. Para Côrtes, Dines foi um dos grandes, “se não, o maior personagem da história do Jornal do Brasil”.

Confederação Israelita

A Confederação Israelita do Brasil (Conib), representante da comunidade judaíca brasileira, enviou carta de condolências à família do jornalista Alberto Dines. A carta assinada pelo presidente da Conib, Fernando Lottenberg, manifesta profundo pesar pelo falecimento do escritor e jornalista, ressaltando seu "olhar crítico e analítico sobre o papel da imprensa".

"Dines foi um dos formuladores e um dos pilares do jornalismo brasileiro moderno. Sua coragem durante os tempos sombrios da ditadura e sua forte identidade judaica serão sempre fonte de admiração e inspiração para nossa comunidade", ressaltou Lottenberg, em carta para Norma Couri, mulher de Dines, e seus filhos. 

* Colaborou Alana Gandra (RJ).

Edição: Davi Oliveira

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias