Mais de 30 pessoas morreram nas rodovias paulistas durante feriado

Maioria dos 428 acidentes poderiam ser evitados, diz polícia

Publicado em 03/01/2020 - 15:19 Por Elaine Patricia Cruz – Repórter da Agência Brasil - São Paulo

Balanço divulgado hoje (3) pelo Comando de Policiamento Rodoviário, da Polícia Militar de São Paulo, apontou que 32 pessoas morreram e 115 ficaram feridas gravemente em acidentes provocados nas rodovias paulistas durante a Operação Ano Novo. As ações ocorreram entre os dias 27 de dezembro (sexta-feira) e 02 de janeiro (ontem). De acordo com o balanço, foram registrados 428 acidentes com vítimas no estado.

A Polícia Rodoviária Estadual não comparou o levantamento com os registros do mesmo período do ano passado. De acordo com a corporação, a operação anterior transcorreu no período de sete dias, enquanto neste ano foram apenas cinco dias.

Segundo o policiamento rodoviário, 1,2 milhão de veículos deixaram a capital paulista durante o período de ano-novo.

Os boletins de ocorrência, segundo a PM, demonstraram que a maioria dos acidentes poderia ter sido evitada. Do total de óbitos, 13 ocorreram em decorrência de colisões, cinco por tombamentos e cinco por atropelamentos.

Autuações

Durante a Operação Ano Novo 2020, a polícia fez 87.961 autuações por infrações de trânsito, sendo que a maioria foi por excesso de velocidade (40.562 casos). A segunda maior ocorrência foi pela não utilização de cinto de segurança (11.083 casos). A polícia rodoviária também flagrou 772 motoristas dirigindo sob efeito de álcool ou de outras substâncias psicoativas.

Houve também a prisão de 68 pessoas em flagrante e a recaptura de 34 procurados pela Justiça. 

Edição: Carolina Gonçalves

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Edifício do Banco Central no Setor Bancário Norte
Economia

Mercado financeiro projeta queda de 5,62% na economia este ano

Segundo BC, para o próximo ano, a expectativa é de crescimento de 3,50%, a mesma previsão há 11 semanas consecutivas.

Uma mulher usando uma máscara passa pela sede do Banco Popular da China, o banco central, em Pequim, na China, quando o país é atingido por um surto do novo coronavírus, em 3 de fevereiro de 2020. REUTERS / Jason Lee
Internacional

Pequim impõe sanções contra 11 funcionários dos EUA em retaliação

Decisão é semelhante a uma medida retaliatória adotada por Pequim em meados de junho, quando baniu a entrada na China de membros do Congresso dos EUA e de um diplomata.

O presidente do Supremo Tribunal Federal, Dias Toffoli, durante reunião com o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia.
Política

Presidente do STF é internado em Brasília

Segundo nota divulgada ontem pela assessoria de imprensa do Supremo, o ministro testou negativo para covid-19 e despachará normalmente durante a internação.

Manifestantes carregam bandeiras nacionais durante um protesto contra o governo no centro de Beirute, Líbano, em 20 de outubro de 2019
Internacional

Procuradoria-Geral do Líbano ouve responsáveis pela segurança

O presidente libanês, Michel Aoun, considerou "o pedido de investigação internacional sobre o caso do porto uma perda de tempo" acrescentando que o Poder Judiciário do país deve ser rápido 

Geral

Deslizamento na Mangueira: 22 casas são interditadas

De acordo com a Secretaria Municipal de Assistência Social e Direitos Humanos, as 17 famílias afetadas pela nova interdição retiraram os pertences do local ontem e foram para casas de parentes.

Britain's Prime Minister Boris Johnson to return to work on Monday
Internacional

Premiê britânico diz que escolas precisam reabrir em setembro

“Manter nossas escolas fechadas por mais um momento do que o absolutamente necessário é socialmente intolerável, economicamente insustentável e moralmente indefensável”, afirmou Johnson.