Classe alta e branca tem mais infraestrutura cicloviária em São Paulo

Dados são de estudo do Centro de Estudos das Metrópole

Publicado em 09/08/2021 - 19:52 Por Camila Boehm – Repórter da Agência Brasil - São Paulo

A extensão da malha cicloviária da cidade de São Paulo equivale atualmente a 37,8% da meta de 1.800 quilômetros (km) prevista nos planos estabelecidos pela prefeitura da capital para o ano de 2028. A população de classe alta e branca tem sido privilegiada com mais infraestrutura cicloviária na cidade.

Os dados são da sexta Nota Técnica Políticas Públicas, Cidades e Desigualdades, produzida pelo Centro de Estudos das Metrópole (CEM), da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp). 

Os pesquisadores lembram que, em relação ao recorte de classe e raça, a população se distribui de forma desigual no acesso a oportunidades, ressaltando que pessoas negras não só têm menor renda, mas ocupam localizações da cidade que dão menos acesso a empregos por transporte público, se comparado a pessoas brancas da mesma classe social.

“O mesmo padrão é observado em relação à infraestrutura cicloviária: pessoas negras de classe baixa moram majoritariamente em regiões menos atendidas por essa infraestrutura, enquanto a classe alta branca se concentra nas regiões centrais e com maior infraestrutura cicloviária na cidade”, aponta o documento.

O levantamento revela que a renda dos moradores a 300 metros das ciclovias e ciclofaixas é 43% maior do que a média da cidade. No entorno das estações de bicicleta compartilhada a renda é 223% maior do que a média.

Da população que mora no entorno de 300 m do sistema de bicicletas compartilhadas, 74,6% têm carro, enquanto nas proximidades das ciclovias e ciclofaixas essa proporção é de 61,1%. A proporção média de toda a cidade é de 55,1%. “Um contrassenso observado é a ausência de ciclovias e ciclofaixas em áreas em que grande parte da população não possui automóvel”, avaliam os autores da nota.

A análise tem como base as medidas propostas pelo último Plano Diretor Estratégico (PDE) de São Paulo, de 2014, além dos instrumentos de planejamento relacionados ao sistema cicloviário de São Paulo como o Plano de Mobilidade do Município de São Paulo (PlanMob), o Plano Cicloviário 2020 e o Plano de Ação Climática (PlanClima 2021). São eles que expressam a meta de chegar a 1.800 quilômetros de malha cicloviária implantadas até 2028.

Segundo o mapeamento do CEM, atualmente a capital paulista conta com 649,4 km de ciclovias e ciclofaixas, além de 31,6 km de ciclorrotas, o que representa 37,8% da meta prevista. Ao analisar a distribuição de ciclovias, os pesquisadores observaram que “ela atende principalmente às regiões mais centrais da cidade, e as poucas estruturas em regiões periféricas estão, em sua maioria, desconectadas da malha principal ou mesmo de uma malha regional”.

Recomendações

Com base nas conclusões, os pesquisadores elaboraram recomendações em relação à implantação de infraestrutura cicloviária na cidade. São elas a inclusão de indicadores de desigualdade nos instrumentos de planejamento; implementação de programas aprovados e não implementados, como a regulamentação prevista do Programa Bike SP; e implementação da rede prevista para 2028, priorizando áreas com maior potencial para a redução de desigualdades no sistema cicloviário.

“Dentro da perspectiva da redução das desigualdades, sugerimos que as subprefeituras com maior desigualdade na distribuição da infraestrutura sejam priorizadas já a partir da expansão de 300 novos quilômetros prevista para acontecer entre 2021 e 2024”, recomendam os autores.

Já o Programa Bike SP, citado na nota técnica, prevê incentivo direto via créditos para quem escolher usar a bicicleta em vez de modos de transporte motorizados. No entanto, apesar de sancionado como lei em 2016, os pesquisadores alertam que o programa ainda não foi implementado e que, se aplicado, poderá estimular o uso da bicicleta por meio dos créditos e ampliar sua abrangência espacial.

A íntegra da nota técnica está disponível no site do Centro de Estudos das Metrópole (CEM).

Em nota enviada à Agência Brasil, a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), da prefeitura de São Paulo, informou que a cidade tem 684 km de malha cicloviária e que a construção do Plano Cicloviário foi realizada com ampla participação social.

“O resultado do trabalho realizado em conjunto com os cicloativistas e a sociedade civil foi a ampliação da extensão da malha, desde 2020, em 36%, priorizando as conexões da rede cicloviária com o transporte público, por meio das estações de trem, metrô e terminais de ônibus. Foram entregues 181 km de novas ciclovias e ciclofaixas e requalificados 321 km dos 503 km existentes”, disse a CET, em nota.

Além disso, o órgão acrescentou que “o Plano de Metas 2021-2024 prevê a criação de mais 300 km de novas estruturas cicloviárias. À exemplo do que vem sendo realizado, as novas implantações serão planejadas e executadas com a participação da sociedade civil”.

matéria atualizada às 20h06 do dia 10/08/2021 para acréscimo de nota da CET

Edição: Fernando Fraga

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias