Rio: Conselho de Ética ouve assessor de vereador Gabriel Monteiro

Depoimentos foram indicados pela defesa do parlamentar

Publicado em 14/06/2022 - 20:41 Por Vladimir Platonow - Repórter da Agência Brasil - Rio de Janeiro

Mais duas testemunhas de defesa do vereador Gabriel Monteiro (PL), investigado por quebra do decoro parlamentar, foram ouvidas pelo Conselho de Ética e Decoro Parlamentar da Câmara Municipal do Rio de Janeiro. Prestaram depoimentos, nesta terça-feira (14), Miquéias Arcênio, ex-policial militar e ex-assessor do vereador, e Rafael Murmura, consultor de marketing de Gabriel Monteiro.

O vereador Alexandre Isquierdo (União), presidente do conselho, avaliou que os depoimentos não acrescentaram muito. “É natural, são testemunhas de defesa para falar muito bem da relação que eles têm com o vereador Gabriel Monteiro até hoje e na tentativa de inviabilizar e tirar todo o crédito das testemunhas”, disse o parlamentar.

O relator do caso, vereador Chico Alencar (PSOL), disse que a previsão era terminar o relatório antes do recesso parlamentar em julho. No entanto, o feriado e a inclusão de mais testemunhas, a pedido da defesa do vereador, provocaram a prorrogação das investigações por mais 15 dias.

No dia 21, serão ouvidos o delegado da 42ª Delegacia de Polícia, Luis Maurício Armond Campos, e Pablo Foligno, policial militar que participou do vídeo com a pessoa em situação de rua. Para finalizar, Gabriel Monteiro será ouvido no dia 23 de junho.

Os advogados do vereador, Sandro Figueiredo e Pedro Henrique Santos, afirmaram que os fatos narrados pelo funcionário Rafael Murmura foram essenciais para contrariar as denúncias feitas por ex-assessores arrolados na acusação. Além de reafirmar em depoimento que recebeu proposta de suborno no valor de R$ 600 mil do ex-assessor Vinícius Hayden, morto em acidente de carro, para forjar provas contra o vereador, Rafael contou que estava na gravação em que o parlamentar fez com uma criança no salão de beleza e não viu nada que comprometesse sua conduta.

De acordo com a 110ª DP (Teresópolis), a perícia do Instituto de Criminalística Carlos Éboli (ICCE) concluiu que não foram constatadas irregularidades no automóvel em que Hayden se acidentou. As investigações continuam para esclarecer todos os fatos.

Edição: Fábio Massalli

Últimas notícias