Parlamento sul-coreano aprova processo de impeachment da presidente

Agora, o processo tem que ser aprovado pelo Tribunal Constitucional do

Publicado em 09/12/2016 - 05:55 Por Da Agência Sputnik - Moscou

The President of South Korea, Park Geun-hye (Mauricio Duenas Castaneda/EPA/Agência Lusa - Todos Direitos Reservados)

Park Geun-hye é a primeira liderança democraticamente eleita da Coreia do Sul demitida do cargo -Mauricio Duenas Castaneda/EPA/Agência Lusa - Direitos Reservados

O Parlamento da Coreia do Sul aprovou hoje (9) moção para impugnar a presidente Park Geun-hye. É a primeira liderança democraticamente eleita da Coreia do Sul demitida do cargo. A informação é da agência Sputnik.

Nesta votação histórica, 234 deputados votaram a favor do impeachment, 56 votaram contra. Dois parlamentares se abstiveram e sete cédulas foram consideradas nulas.

O processo de impeachment agora tem que ser aprovado pelo Tribunal Constitucional do país. O tribunal tem até 180 dias para decidir. Park será formalmente retirada do cargo se seis dos nove juízes do tribunal apoiarem a decisão. Nesse caso, o país deverá realizar novas eleições presidenciais no prazo de 60 dias.

O escândalo político torno da presidente sul-coreana estourou depois que Park Geun-hye se desculpou publicamente pelo chamado "vazamento" de dezenas de textos dos discursos presidenciais, mesmo antes de eles serem pronunciados, para sua amiga Choi Soon-sil.

Além disso, houve especulações de que Choi Soon-sil teria se apropriado de US$ 70 milhões, ou seja, de uma parte da fortuna de grandes empresas sul-coreanas, visando a comprar bens imóveis e pagar a educação de sua filha em uma das universidades mais conceituadas do país. Nas últimas seis semanas, durante todos os sábados, houve manifestações exigindo que Park Geun-hye deixasse o cargo. Pesquisas de opinião mostram grande apoio da população ao impeachment.

 

Edição: Graça Adjuto

Últimas notícias
Palácio do Supremo Tribunal Federal na Praça dos Três poderes em Brasília
Justiça

Ministra do STF libera execução das emendas do relator

A decisão foi tomada após o Congresso aprovar, na semana passada, resolução para cumprir parte da decisão de dar publicidade ao processo de destinação dos recursos.