"Reprimir dissidentes na Venezuela não resolverá agitação", diz ONU

Publicado em 01/05/2017 - 09:39 Por Da Agência EFE - Genebra

Brasília - O alto comissário da ONU para os Direitos Humanos, Zeid Ra'ad Al Hussein, participa do encontro da ONU com o tema a Década Internacional de Afrodescendentes (Elza Fiúza/Agência Brasil)

O alto comissário da ONU para os Direitos Humanos, Zeid Ra'ad Al Hussein (Elza Fiúza/Agência Brasil)

O alto comissário para os Direitos Humanos das Nações Unidas, Zeid Ra'ad al Hussein, afirmou hoje (1º) que a opção feita pelo governo de Venezuela, de "reprimir as vozes dissidentes, não resolverá a agitação" nas ruas e as razões dos protestos. A informação é da Agência EFE.

Para Zeid, os elementos mais alarmantes da situação da Venezuela são o aumento da violência, as ações de grupos armados pró-governamentais e a falta de confiança no governo e no Poder Judiciário.

"Em nossa opinião, as ameaças de se desvincular da Organização dos Estados Americanos [OEA] também não são uma estratégia para recuperar a estabilidade e a paz", declarou Zeid, em entrevista na qual abordou as situações mais preocupantes de direitos humanos no mundo.

O organismo dirigido por Zeid não tem nenhum acesso à Venezuela, apesar de várias vezes ter solicitado ao governo a emissão de vistos para seus especialistas, a fim de avaliar diretamente a situação de direitos humanos no país.

A última petição nesse sentido foi formulada em outubro, sem nenhum resultado.

Zeid explicou que desde que assumiu o mandato, no final de 2014, transmitiu em vão ao então governo de Hugo Chávez o desejo de visitar a Venezuela.

Sobre a possibilidade de seu escritório oferecer uma mediação na atual crise venezuelana, o alto comissário disse que, para isso, o governo teria que estar de acordo.

A OEA tentou, no passado, exercer essa função, mas sua relação com o governo de Nicolás Maduro se degradou fortemente nos últimos meses.

Os protestos na Venezuela completam hoje um mês, com saldo de 29 mortos, 500 feridos e centenas de detidos.

Tanto a oposição quanto os setores aliados ao governo pediram a seus apoiadores que saiam às ruas para participar de novas marchas.

Edição: Graça Adjuto

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Parque Nacional da Tijuca
Geral

Ingresso ao Parque Nacional da Tijuca está 80% mais barato

O desconto tem por objetivo estimular o turismo local e diminuir, a curto prazo, os impactos negativos no equilíbrio econômico-financeiro dos contratos, causados pela pandemia da covid-19.

nascentes devem ser protegidas
Geral

Prazo para inscrições no Prêmio ANA 2020 termina no sábado

Inscrições devem ser feitas pelo site da premiação. Cada participante pode inscrever mais de uma iniciativa. Além disso, poderão ser apresentados trabalhos indicados por terceiros.

Premiê britânico, Boris Johnson, deixa residência oficial em Londres
Internacional

Boris Johnson teme que Reino Unido perca poder se Escócia se separar

Escócia depositou 55% dos votos contra a independência em um referendo de 2014, mas o Partido Nacional Escocês, que governa a nação, quer outro pleito.

Incendios florestais entre Miranda e Corumbá BR 262 e MS 184
Geral

Engajamento da população é vital para evitar incêndio na natureza

Coordenador ambiental diz que a educação tem que começar desde os primeiros anos das crianças, tanto em casa quanto nas escolas.

ensino online, educação a distância
Educação

Professores passam a contar com apoio emocional durante pandemia

Pesquisa feita com 7.734 mil professores de todo o país este ano mostrou que 83% ainda se sentem pouco ou nada preparados para o ensino remoto e 50% se preocupam com a saúde mental.

Um membro do exército libanês é visto na área do porto, danificado após uma explosão em Beirute, Líbano, em 10 de agosto de 2020
Política

Bolsonaro nomeia integrantes de delegação brasileira que vai a Beirute

Entre os integrantes da delegação estão o ex-presidente Michel Temer, os senadores Nelson Trad Filho e Luiz Pastore, e o presidente da Fiesp, Paulo Skaf.