China diz que vai contra-atacar "a qualquer preço" medidas tarifárias dos EUA

O governo disse que está preparado para pagar o preço de uma guerra

Publicado em 06/04/2018 - 06:57 Por Da Agência EFE* - Pequim

Fábrica de aço na China, que exporta grandes quantidades do produto para os EUA

Fábrica de aço na China, que exporta grandes quantidades do produto para os EUAREUTERS/Stringer/Arquivo

A China advertiu, nesta sexta-feira (6), que vai "contra-atacar" contundentemente as medidas tarifárias dos Estados Unidos (EUA). O governo disse que está preparado para pagar o preço de uma guerra comercial que, embora não deseje, não teme.

"Se os Estados Unidos persistirem no seu comportamento de unilateralismo e protecionismo comercial, ignorando a oposição chinesa e da comunidade internacional, a China vai continuar até o fim a qualquer preço e contra-atacará contundentemente", garantiu o Ministério do Comércio em comunicado.

As autoridades chinesas reagiram dessa forma à decisão do presidente americano Donald Trump, que ontem (5) anunciou que estuda impor US$ 100 bilhões em tarifas sobre a China, adicionais aos US$ 50 bilhões já anunciados a centenas de produtos chineses, em resposta às tarifas com as quais Pequim castigou Washington esta semana.

"Não queremos uma guerra comercial, mas não a tememos", reiterou o Ministério do Comércio, acrescentando que serão observadas as ações tomadas por Washington. "Sem dúvida alguma", serão tomadas novas medidas "para defender com contundência o interesse do país e do povo", acrescentou.

Após criticar novamente o protecionismo adotado por Trump contra o livre-comércio, a China reafirmou que vai seguir com sua reforma e abertura, a proteção do sistema multilateral de comércio e a facilitação do investimento global.

Como já tinha advertido, Pequim apresentou formalmente ontem à Organização Mundial do Comércio (OMC) uma denúncia contra os EUA pelas tarifas impostas aos produtos chineses, alegando que essas cargas excedem os juros consolidados por Washington e são incompatíveis com o Acordo Geral sobre Tarifas e Comércio (Gaat).

A crescente tensão entre as duas potências econômicas fez com que o secretário-geral daOrganização das Nações Unidas, António Guterres, insistisse hoje na necessidade de diálogo, horas antes de viajar para a China, onde participará do Fórum de Boao, um encontro de líderes econômicos e políticos considerado o "Davos asiático".

*É proibida a reprodução total ou parcial desse material. Direitos Reservados.

Edição: -

Últimas notícias