Situação é tranquila em Gaza após anúncio de cessar-fogo com Israel

Publicado em 14/11/2018 - 09:06 Por Agência EFE - JERUSALÉM

A situação se mantém tranquila nesta quarta-feira (14) na Faixa de Gaza depois que Israel e as milícias palestinas se comprometeram com um cessar-fogo. A medida foi questionada por parte da população israelense que reivindica de seu governo uma solução para a situação de segurança, após a pior escalada de tensão desde 2014.

Após 48 horas de violência, nas comunidades israelenses periféricas a Gaza, as sirenes antiaéreas pararam de soar pelo lançamento de foguetes e morteiros da faixa palestina, 460 no total, que manteve os moradores em alerta e causou o fechamento de colégios, lojas e locais de reunião de mais de 20 pessoas por ordem do Exército.

Cerca de 100 projéteis, de um total de 450 lançados, foram interceptados pelo sistema de defesa antimísseis Cúpula de Ferro. Vários caíram em áreas desabitadas e outros atingiram infraestruturas civis como casas e supermercados. Um deles causou a morte de um civil palestino ao destruir uma casa na cidade israelense de Ashkelon.

Várias centenas de pessoas se reuniram ontem (13) à noite na entrada da cidade de Sderot, fecharam e queimaram pneus para expressar seu descontentamento pelo fato de o governo ter aceitado tacitamente o cessar-fogo – embora não tenha havido uma declaração oficial – em vez de "acabar com o Hamas de uma vez por todas", como reivindicavam alguns dos manifestantes, informou o site Ynet.

Já nesta manhã, várias pessoas bloquearam o acesso à passagem comercial de Kerem Shalom, entre Israel e o território palestino sob bloqueio, para protestar contra a situação de insegurança.

As milícias palestinas de Gaza, com o movimento islâmico Hamas que controla o enclave desde 2007, assumiram a autoria da chuva de foguetes de ontem e de segunda-feira (12), como resposta a um incidente que aconteceu na noite de domingo (11) durante uma incursão militar israelense em Gaza, que acabou fracassando e na qual morreram sete milicianos e um soldado israelense.

Em resposta aos foguetes, Israel atacou entre segunda e terça-feira mais de 160 alvos militares das milícias islaâmicas, causando a morte de mais sete milicianos.

A grande escalada de violência, que fez temer por uma nova guerra, aconteceu quando se avançava em um acordo de trégua duradoura entre Israel e Gaza mediada pelo Egito e pela Organização das Nações Unidas (ONU).

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias