Ministros do governo conservador expressam apoio a May

Publicado em 12/12/2018 - 08:44 Por Da Agência EFE - Londres

Os ministros do governo britânico, entre eles os de Relações Exteriores e Interior, manifestaram seu apoio à primeira-ministra Theresa May, que será submetida nesta quarta-feira (12) a uma moção de confiança impulsionada por pelo menos 48 deputados conservadores.

O processo foi iniciado pelos "tories" mais eurocéticos, devido ao seu descontentamento com o acordo do Brexit que May negociou com a União Europeia (UE) e que seria votado ontem na Câmara dos Comuns, mas a votação acabou sendo atrasada no último momento.

O ministro de Relações Exteriores, Jeremy Hunt, afirmou na sua conta no Twitter que respaldará May porque está fazendo "atualmente o trabalho mais difícil" e acrescentou que "a última coisa que o país precisa é um processo (interno) longo e prejudicial".

"O Brexit nunca seria fácil, mas ela é a melhor pessoa para assegurar que vamos embora da UE", acrescentou Hunt.

Por sua parte, o titular de Interior, Sajid Javid, destacou que "a última coisa que o país precisa é uma eleição para a liderança do Partido Conservador", e mostrou seu apoio a May porque "é a melhor pessoa para assegurar que sairemos da União Europeia em 29 de março".

Já o ministro para o Brexit, Steve Barclay, disse que apoia "plenamente" a primeira-ministra e acrescentou que o país está "em um momento crucial".

"Precisamos apoiar Theresa May para cumprir o resultado do referendo. A primeira-ministra está trabalhado pelo interesse nacional e esta distração causará mais incerteza", afirmou Barclay também no Twitter.

Por sua vez, o pró-Europa ministro da Economia, Philip Hammond, também expressou seu apoio a May ao ressaltar que trabalhou pelo bem do interesse nacional em relação ao Brexit e que negociou para proteger os empregos e as empresas.

A votação que decidirá se May continua no poder acontecerá hoje entre 18h e 20h (horário local, 16h e 18h), e a expectativa é que o anúncio seja comunicado imediatamente depois, segundo o Comitê 1922, que reúne o grupo conservador na Câmara dos Comuns.

May se submete à moção de confiança depois que o presidente desse comitê, Graham Brady, recebeu as 48 cartas necessárias - 15% dos deputados "tories" - para iniciar o processo.

Para ganhar esta noite, May precisa do apoio de 158 deputados, o que equivale a 50% dos "tories" nos Comuns (315) e, se ganhar, este processo não poderá ser repetido por um ano, mas, se perder, terá que apresentar a renúncia e se iniciará uma campanha para eleger um novo líder.

Últimas notícias