Investigação na Fifa pode frear impunidade no futebol, diz ex-presidente de CPI

Publicado em 27/05/2015 - 18:23 Por Mariana Tokarnia - Repórter da Agência Brasil - Brasília

As prisões dos dirigentes da Federação Internacional de Futebol (Fifa) poderão acabar com o cenário de impunidade no futebol no Brasil, disse hoje (27) o senador Alvaro Dias (PSDB-PR). Ele acredita, inclusive, que as investigações chegarão "inevitavelmente" a Ricardo Teixeira, ex-presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF).

"Acho que agora há estímulo para que os expedientes iniciados aqui, que não tiveram continuidade possam [andar]. O futebol brasileiro parece que é colocado acima do bem e do mal, acima da legislação. Isso promove esse cenário de impunidade", diz Dias. O senador foi presidente da Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) do Futebol, em 2001, responsável pelo indiciamento de 17 "cartolas do futebol", como define o senador, entre eles, Ricardo Teixeira. 

"É inevitável chegar a ele [Ricardo Teixeira]. O próprio Marco Polo del Nero [presidente da CBF] disse que os contratos foram celebrados antes de Marin. Ricardo Teixeira tem envolvimento de mais tempo. As ações que tramitam na Justiça Federal foram sempre trancadas, por isso não se chegou a um julgamento", diz.

>> Acompanhe aqui a cobertura da Agência Brasil sobre a investigação na Fifa

O ex-presidente da CBF José Maria Marin está entre os presos pela polícia da Suíça. Além dele, seis dirigentes da Fifa foram detidos em Zurique. Para Dias, é "difícil" que o presidente da Fifa, Joseph Blatter, não esteja ciente do esquema de corrupção na entidade. "Quando quem comanda não está inserido nesse contexto, fica difícil fazer tudo o que fizeram nesses anos", especulou.

O relatório final da CPI do Futebol é citado no livro do jornalista britânico Andrew Jennings, com denúncias sobre os cartolas do futebol. Para o senador, tanto o livro quanto o relatório contribuiram com provas para as prisões efetudas hoje.

Os dirigentes foram indiciados por extorsão e corrupção pela procuradoria de Nova York, que investiga o caso. Segundo o Departamento de Justiça norte-americano, 14 réus, entre eles os dirigentes da Fifa presos, são acusados de extorsão, fraude e lavagem de dinheiro em "um esquema de 24 anos de enriquecimento por meio da corrupção no futebol".

Algumas das questões foram levantadas pela CPI há 15 anos, segundo Dias. "Se tivéssemos tido providências efetivas na época, teríamos evitado desvios como os que ocorreram nesses anos todos", diz. Segundo ele, o esquema de corrupção "é a principal causa da decadência do futebol brasileiro". "Se tivessem sido tomadas providências, não teríamos esse descaminho, o futebol brasileiro foi jogado no fundo do poço depois da Copa, e não foi feito mais nada." Para Dias, a Copa do Brasil, no ano passado, também pode estar incluída no esquema de corrupção.

O senador diz que apoiará outros senadores que propuserem uma CPI, mas que não vai pedir a abertura de uma. Ele focará a atenção na aprovação do Projeto de Lei 221/2014 do Senado, que estabelece uma política e os instrumentos de fiscalização da CBF, que passaria a ter que apresentar, anualmente, as contas ao Tribunal de Contas da União, entre outras medidas. O senador explica que a entidade pode ser alvo de fiscalização, por administrar dinheiro público, direta ou indiretamente, e por ser a seleção brasileira a principal fonte de recursos.

 

Edição: Stênio Ribeiro

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Live da Semana - Presidente Jair Bolsonaro - 06/08/2020
Política

Pazuello diz que estados estão mais preparados para enfrentar pandemia

Ministro interino da Saúde participou de live ao lado do presidente. Mudança de protocolo do ministério foi um dos fatores que deixou estados mais preparados.

A cúpula  maior, voltada para cima, abriga o Plenário da Câmara dos Deputados.
Política

Senado aprova redução de prazos para revalidação de diplomas

O PL prevê a revalidação em prazo entre 30 e 60 dias no caso de instituições estrangeiras reconhecidas pelo Ministério da Educação e contam com um processo simplificado. 

Escola fechada por cinco dias após relatos de coronavírus.
Justiça

Justiça suspende retorno das aulas presenciais na rede privada do DF

A retomada foi autorizada na terça-feira pela primeira instância após outra decisão que a proibiu. Algumas escolas chegaram a retomar as atividades nesta quinta-feira.

Saúde

Ministério da Saúde monitora síndrome em crianças associada à covid-19

Síndrome inflamatória multissistêmica ocorre em crianças de 7 meses a 16 anos. Até agora, foram notificados 71 casos no Brasil e registradas três mortes.

Incêndio no Parque Nacional da Serra dos Órgãos (Divulgação/Parnaso)
Geral

Bombeiros combatem fogo na Serra dos Órgãos pelo terceiro dia seguido

Criado em 1939, o Parnaso é o terceiro parque mais antigo do país e costuma ser procurado para prática de esportes de montanha, como escalada, caminhada e rapel.

O ministro das Cidades, Alexandre Baldy, apresenta a versão digital do Certificado de Registro e Licenciamento de Veículo (CRLVe).
Justiça

Preso pela PF, Baldy pede licença de cargo de secretário

Em nota, governo estadual destaca competência e postura idônea de Alexandre Baldy e informa que o secretário executivo Paulo Galli comandará temporariamente a pasta.