Brasileiros nos Estados Unidos e na Argentina protestam contra o governo

Publicado em 13/03/2016 - 18:31 Por Leandra Felipe e Mônica Yanakiew - Correspondentes da Agência Brasil - Estados Unidos

Parte da comunidade brasileira que vive nos Estados Unidos aderiu às manifestações contrárias ao governo da presidenta Dilma Rousseff neste domingo (13). Foram registrados protestos e aglomerações em algumas cidades como Boston, Miami, Nova York e Washington. A movimentação foi registrada pelos manifestantes que usaram as redes sociais como o Facebook para publicar fotos e também em sites de notícias brasileiros regionais nos Estados Unidos.

Em Boston, estado de Massachusetts, região com a maior comunidade brasileira no país, centenas de pessoas se reuniram no começo da tarde na Praça de Havard. Em Nova York, o grupo se concentrou em Manhattan, na Time Square. Na capital Washington, as manifestações aconteceram em frente ao Consulado Geral do Brasil. Em Orlando, Flórida, há manifestações previstas para as 18h30 (no horário local de verão), 19h30min no horário de Brasília.

A maioria dos brasileiros que vivem nos Estados Unidos não apoia o governo Dilma, fato que ficou comprovado nas eleições de 2014 quando a maioria dos eleitores brasileiros que votaram no país escolheram outros candidatos. Além das manifestações que aconteceram nos Estados Unidos, houve manifestações de brasileiros em Londres, Portugal, Canadá e Argentina.

Repercussão internacional

Os protestos e o volume de participantes repercutiram na imprensa nos Estados Unidos e na Europa. O The Wall Street Journal noticiou o protesto e disse que "milhares protestaram contra a presidente Dilma Rousseff e o partido do governo".

A britânica BBC mostrou os protestos e destacou a posição da presidenta de Dilma em defesa do ex-presidente Lula e o posicionamento dela contrário a uma renúncia.

Na Argentina

Carregando bandeiras e cartazes, cerca de 50 brasileiros se reuniram neste domingo (13) no Obelisco, no coração de Buenos Aires, em apoio às manifestações no Brasil. Muitos eram universitários de Medicina, que estudam na Argentina, onde não existe vestibular e as universidades públicas têm prestigio e são gratuitas.

“Somos cerca de 30 mil estudantes brasileiros aqui e, mesmo morando fora, muitos de nós sentimos os efeitos da crise brasileira”, disse o estudante Emerson Pires. “Meus pais me sustentam e, com a inflação e a alta do dólar, tem sido cada vez mais difícil para eles”.

Isadora Boing , outra estudante, chegou à Argentina há dois meses. Ela disse que foi ao protesto porque acha importante ter participação politica – mesmo fora do Brasil. “Espero que quando o governo perceber que a população está unida contra a corrupção, que tome decisões coerentes e concretas em relação a isso”, disse.

O pequeno grupo cantou o hino nacional e gritou slogans contra a presidenta Dilma Rousseff, o ex-presidente Luíz Ignácio Lula da Silva e o PT. Mas segundo Isadora, os petistas não são o único alvo. “Queremos uma limpa geral e que todos os corruptos, não importa o cargo, o partido ou a empresa, fiquem fora do governo e dentro da cadeia”, disse.

Texto atualizado às 20h30 para acréscimo de informações

Edição: Fernando Fraga

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias