DEM critica governo Dilma e defende impeachment

O deputado Cláudio Cajado classificou o atual momento como o “mais

Publicado em 16/04/2016 - 00:43 Por Ivan Richard - Repórter da Agência Brasil - Brasília

Oitavo partido a falar no processo de admissibilidade do processo de impeachment, o DEM criticou o governo da presidenta Dilma Rousseff e defendeu a aprovação do afastamento de Dilma no próximo domingo (17). Representantes da legenda lembraram que, ao tomar posse, a presidenta assumiu o compromisso de defender e cumprir a Constituição Federal e a leis, o que acabou não fazendo ao, na visão do partido, desrespeitar, por exemplo, a Lei de Responsabilidade Fiscal.

“Hoje, os 513 deputados deparam-se com aquela linha entre o livre arbítrio e o destino. Não só o destino individual como parlamentar que está em jogo, mas o destino da credibilidade desta Casa e do nosso Brasil. Quando ela [a presidenta] aqui esteve, ela fez o seguinte compromisso: prometeu manter, defender e cumprir a Constituição. Cumpriu? Manteve?”, questionou o deputado Mandeta (MS).

“Vimos vários parlamentares apontarem para esta Casa dizendo que ela é golpista. Disseram que o juiz Sérgio Moro é golpista, a polícia é golpista, o Supremo, a Globo, a imprensa são golpistas. Só lhes vale aquilo que lhes agrada. Quando não lhes agrada, enfiam a mão no bolso do povo brasileiro para comprar. E compram”, acrescentou o deputado em crítica ao PT.

O líder do partido, Mendonça Filho (PE), disse que todo o Brasil “clama por providências” e “reclamam solução para o impasse nacional”. “Ao contrário do que foi dito por forças governistas que têm se revezado da tribuna, [o marasmo] não foi provocado pela oposição. O impasse vivido pelo Brasil hoje é decorrente basicamente e principalmente da incapacidade de governar de um governo que levou o Brasil ao fundo do poço. Que atolou nosso país em um mar de lama e em um esquema de corrupção endêmica”.

Na visão do líder, houve “dolo claro” da presidente ao editar decretos de crédito suplementar sem autorização do Congresso e no atraso de repasse de recursos a bancos públicos. “É evidente e o Brasil todo percebeu”. 

Brasília - Deputado Cláudio Cajado durante sessão de discussão do processo de impeachment de Dilma, no plenário da Câmara (Valter Campanato/Agência Brasil)

O deputado Cláudio Cajado disse que o Parlamento não poderá faltar à nação e tem que aprovar o impeachmentValter Campanato/Agência Brasil

Claudio Cajado (BA) ressaltou que até domingo (17), “os olhos do país” estarão voltados para os 513 deputados e classificou o atual momento como o “mais dramático já vivido”. Para ele, o Parlamento não poderá faltar à nação e tem que aprovar o impeachment.

“O poder constituinte originário determinou que o afastamento do presidente da República seria de competência da Câmara e o julgamento pelo Senado. A Constituição deixou claro o viés político dessas decisões e, se assim não fosse, determinaria ao Supremo afastar e caçar o mandato presidencial”, disse.

Para o deputado Marcos Soares (RJ), a Câmara precisa tomar a decisão “certa” e aprovar a admissibilidade do impeachment. “O Brasil é maior que todo esse engano. Essa é a hora de dar um basta nisso tudo. Qual será a decisão nesse plenário no próximo domingo? Acredito que será aquela que o povo sonha há tempos”.


<< Acompanhe ao vivo os debates na Câmara >>


Ivan Richard

Edição: Fábio Massalli

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Live Jair Bolsonaro 13.08.2020
Política

Bolsonaro: não existe tentativa de furar o teto de gastos

Bolsonaro defendeu a realização de investimentos públicos em áreas sociais e obras de infraestrutura, mas disse que não existe tentativa de "golpe" para "furar o teto".

A partir de hoje (17) estão liberadas as práticas de esportes coletivos como vôlei, futevôlei, beach tennis e futebol nas praias do Rio de Janeiro.
Geral

Senado aprova auxílio de R$ 600 para trabalhadores do esporte

O Senado aprovou hoje um projeto de lei que regulariza o recebimento do auxílio emergencial por funcionários e atletas do setor de esportes.

Edifício sede do Superior Tribunal de Justiça STJ
Justiça

Ministro do STJ revoga prisão domiciliar de Queiroz e esposa

 Fabrício Queiroz é investigado em um suposto esquema de rachadinha na Assembleia Legislativa do Estado do Rio de Janeiro. 

Vista geral da favela Morro Azul, na zona sul do Rio de Janeiro.
Geral

Rio: 1,4 mil mortes por covid-19 foram em favelas, mostra painel

Número se referem às favelas da capital. O estado do Rio de Janeiro registrou 14.080 óbitos desde a chegada do novo coronavírus no Brasil, dos quais 8.612  na capital.

O TSE aumentou o esquema de segurança para acessar o prédio do tribunal neste domingo
Justiça

TSE adia decisão a respeito de tese sobre abuso de poder religioso

Até o momento, os ministros Alexandre de Moraes e Tarcísio de Carvalho Neto votaram contra a medida. Somente o relator, Edson Fachin, defendeu a tese para punição. 

Escola fechada por cinco dias após relatos de coronavírus.
Justiça

TJRJ determina que escolas se preparem para retorno, mesmo em greve

Decisão diz que 70% dos funcionários do administrativo devem retornar ao trabalho presencial, mesmo durante a greve, para prepararem a volta às aulas.