Candidatos à prefeitura do Rio, Freixo e Crivella fazem debate tenso

Publicado em 19/10/2016 - 00:38 Por Vladimir Platonow - Repórter da Agência Brasil - Rio de Janeiro

Os candidatos à prefeitura do Rio, Marcelo Crivella (PRB) e Marcelo Freixo (PSOL), fizeram, na noite desta terça-feira (18), o segundo debate eleitoral, transmitido, a partir das 22h30, pela Rede TV, em parceria com a revista Veja, o portal UOL e o Facebook. O debate durou uma hora e meia e foi marcado por tensão entre os dois, que se atacaram com perguntas e insinuações.

A primeira pergunta coube a Freixo, que questionou Crivella sobre um livro por ele escrito, anos atrás, no qual classificava católicos e homossexuais de forma pejorativa. Crivella respondeu a pergunta dizendo que havia escrito a obra quando ainda era muito jovem e depois perguntou a Freixo sobre os black blocs, que seriam influenciados por ele.

Na sua vez de perguntar, Crivella questionou sobre a intenção de Freixo de rever os valores dos imóveis para atualização do Imposto Predial e Territorial Urbano (IPTU). O candidato do PSOL respondeu que não há nenhuma ideia de aumentar impostos e disse que o partido de Crivella, o PRB, votou pela aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 241 [aprovada em primeira votação no Congresso], que tiraria verbas da saúde e da educação.

Milicianos

Crivella e Freixo vão para o 2 turno no Rio de Janeiro

O debate entre Marcelo Crivella e Marcelo Freixo foi marcado por tensão entre os dois, que se atacaram com perguntas e insinuaçõesArquivo/Agência Brasil

Freixo perguntou sobre a questão da zona oeste, região controlada por milicianos que abriram votos para Crivella, em gravação divulgada na internet. O candidato do PRB negou que tenha apoio da milícia e disse que não poderia controlar o voto dos eleitores. Freixo rebateu e disse que Crivella estava perdendo o controle pessoal, e o candidato do PRB chamou Freixo de covarde.

Crivella perguntou sobre tráfico de drogas e sobre como Freixo usaria a Guarda Municipal. O candidato do PSOL respondeu que fará um mapa da violência por bairros, distribuindo os guardas, segundo as necessidades, para reprimir o crime.

Freixo ressaltou que Crivella estava trazendo para sua campanha o ex-secretário municipal Rodrigo Bethlem, acusado de corrupção. Crivella rebateu e perguntou onde está o dinheiro enviado à família do pedreiro Amarildo, sugerindo que parte da verba teria sido desviada. Freixo disse que faltava ética ao candidato do PRB.

Perguntas de jornalistas

No segundo bloco, os candidatos responderam a perguntas de jornalistas. Crivella foi perguntado se costumava trocar de convicções frequentemente, respondendo que não, que poderia trocar de opinião segundo a idade. Crivella, que foi ministro da ex-presidenta Dilma Rousseff, justificou seu voto pelo impeachment dizendo que não poderia ser cúmplice.

Freixo foi perguntado como seria, se eleito, sua relação com os governos federal e estadual, dos quais é oposição. O candidato do PSOL disse que, como prefeito, terá relações republicanas para garantir os interesses da cidade e que, para isso, bastava ter dignidade política.

Crivella foi perguntado sobre sua relação com o ex-governador do Rio Anthony Garotinho (PR). O candidato negou que tenha aliança política com Garotinho, apesar de seu vice ter sido indicado pelo ex-governador. Ele disse que não havia qualquer chance de influência de Garotinho, que não participará de seu governo, caso seja vitorioso.

No último bloco, os candidatos responderam a perguntas enviadas pelo Facebook e fizeram suas considerações finais, pedindo o voto aos eleitores.

 

Edição: Fábio Massalli

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Hospital de campanha do Maracanã no Rio de Janeiro
Justiça

Justiça diz que Saúde não pode desmobilizar hospitais de campanha

Segundo a SES, hospitais de São Gonçalo e do Maracanã estão abertos, mas sem pacientes por causa da disponibilidade de vagas em unidades regulares da rede estadual.

O ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, fala à imprensa , após reunião com o presidente Jair Bolsonaro no Palácio da Alvorada
Justiça

Defesa de Onyx assina acordo de não persecução penal com a PGR

Apesar do acordo fechado com a PGR, é necessário que o caso seja analisado pelo Supremo Tribunal Federal. Ministro-relator vai decidir se homologa acordo.

Hospital de campanha para vítima de Covid-19 em Santo André, São Paulo
Saúde

Covid-19: Brasil registra mais 561 mortes; total chega a 94.665

Doença atingiu 2,75 milhões de brasileiros; 69,5% já se recuperaram. Atualmente, 743.334 pacientes estão em acompanhamento.

Painel Resolveu
Geral

EBC fica em primeiro no ranking de elogios entre instituições federais

De 1º de janeiro a 31 de julho, a administração federal recebeu 4.656 elogios de usuários de 333 instituições; EBC recebeu 417 elogios, e Ministério da Economia, 375.

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES
Economia

BNDES seleciona fundos de crédito não bancário para pequenas empresas

Com isso, BNDES busca mitigar impactos da pandemia de covid-19 na economia e, por meio de canais não bancários, ampliar crédito para pequenos empreendedores.

Dolar-Moeda estrangeira
Economia

Dólar ultrapassa R$ 5,30 e fecha no maior valor em duas semanas

Nos Estados Unidos, alta da indústria e impasse em negociações de novo pacote de estímulos pressionaram cotação. No Brasil, mercado aguarda reunião do Copom.