Deputados comentam vetos do Executivo à LDO de 2017

Publicado em 28/12/2016 - 18:19 Por Maiana Diniz - Repórter da Agência Brasil - Brasília

A Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) de 2017, aprovada pelo Congresso Nacional, foi sancionada ontem (27) pelo presidente Michel Temer com dezenas de vetos. De acordo com o Palácio do Planalto, dos mais de 60 vetos impostos pelo Executivo, grande parte tem como objetivo barrar a tentativa de parlamentares de aumentar a lista de despesas prioritárias do Orçamento de 2017, ou de gastos não  sujeitos a cortes.

Parte dos deputados apoiam a contenção do governo, que estaria de acordo com a realidade fiscal do país, enquanto outros lembram que é papel do Congresso definir as prioridades orçamentárias.

O deputado paranaense Enio Verri, vice-líder do PT na Câmara, diz que os vetos tiram do Congresso a capacidade de definir prioridades. "O Congresso analisa, emenda e aprova a LDO; cabe ao governo executar. Agora, se o Planalto veta pontos que nós julgamos importantes, ele tira todo o poder que nós temos”, critica.

“Além disso, o governo tem um mínimo percentual que ele pode manusear o Orçamento sem pedir autorização ao Congresso. Como alega, então, que não pode aceitar as emendas parlamentares, porque isso dificulta a gestão? O papel do Congresso é exatamente [o de] dar ao Executivo a linha de atuação”, concluiu Verri.

O líder do DEM na Câmara, deputado Pauderney Avelino (AM), afirma, ao contrário, que os vetos presidenciais não tiram do Poder Legislativo nenhuma prerrogativa, pois ele continua tendo a palavra final na aprovação da despesa.

“O Executivo irá dizer, durante o transcorrer do ano, o que quer modificar. Já é assim em outros países, como nos Estados Unidos, [onde] o próprio presidente vai ao Congresso Nacional pedir mudanças de rubricas ou de recursos para determinadas despesas, porque um segmento de despesas já está esgotado”, ressalta o deputado amazonense. “Nós, parlamentares, vamos ordenar as despesas, o que ganhou mais importância com a PEC do Teto de Gastos, que nós aprovamos”, acrescentou.

Principais vetos

Entre os vetos do presidente Michel Temer está o de uma lista de 12 itens protegidos dos cortes de despesas, como o funcionamento de universidades federais, a implantação do Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras e o programa nuclear da Marinha. Nesse rol, o governo justifica o veto pela necessidade de "não tornar rígido" o gerenciamento das finanças públicas.

Em relação aos vetos no anexo referente a prioridades e metas, o Planalto argumenta que a ampliação da lista dispersaria os esforços governamentais para melhorar a execução. Além disso, o Executivo já teria elencado como prioritárias despesas grandes como o Programa Brasil sem Miséria e o Programa de Aceleração do Crescimento.

Também foi vetado um conjunto de emendas de bancadas estaduais, de execução obrigatória, que, segundo o governo, estariam misturadas com despesas já alocadas no Orçamento e que não são obrigatórias.

Outro artigo vetado foi o que colocava obras com mais de 50% de andamento como prioridade para execução. "O dispositivo restringe a discricionariedade do Poder Executivo e reduz sua flexibilidade na realização de devidas priorizações de despesas discricionárias, em caso de necessidade de contingenciamento (suspensão para possível liberação posterior), colocando em risco a gestão fiscal do Orçamento", informa a mensagem do Executivo.

Além disso, para adaptar a LDO à nova emenda constitucional, que ficou conhecida como projeto do Teto de Gastos, foi vetado o artigo que limitava a despesa de 2017 ao total gasto em 2016 mais a correção da inflação no ano. Isso ocorreu porque o Orçamento de 2017 e a emenda já definem uma correção de 7,2% para as despesas em 2017.

Também foi vetado artigo que proibia aumentos salariais em 2017, que não estivessem previstos na tramitação final do Orçamento do ano que vem. Segundo Pauderney Avelino, sem o veto, alguns reajustes já negociados seriam prejudicados.

Edição: Stênio Ribeiro

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Hospital de campanha do Maracanã no Rio de Janeiro
Justiça

Justiça diz que Saúde não pode desmobilizar hospitais de campanha

Segundo a SES, hospitais de São Gonçalo e do Maracanã estão abertos, mas sem pacientes por causa da disponibilidade de vagas em unidades regulares da rede estadual.

O ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, fala à imprensa , após reunião com o presidente Jair Bolsonaro no Palácio da Alvorada
Justiça

Defesa de Onyx assina acordo de não persecução penal com a PGR

Apesar do acordo fechado com a PGR, é necessário que o caso seja analisado pelo Supremo Tribunal Federal. Ministro-relator vai decidir se homologa acordo.

Hospital de campanha para vítima de Covid-19 em Santo André, São Paulo
Saúde

Covid-19: Brasil registra mais 561 mortes; total chega a 94.665

Doença atingiu 2,75 milhões de brasileiros; 69,5% já se recuperaram. Atualmente, 743.334 pacientes estão em acompanhamento.

Painel Resolveu
Geral

EBC fica em primeiro no ranking de elogios entre instituições federais

De 1º de janeiro a 31 de julho, a administração federal recebeu 4.656 elogios de usuários de 333 instituições; EBC recebeu 417 elogios, e Ministério da Economia, 375.

Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social - BNDES
Economia

BNDES seleciona fundos de crédito não bancário para pequenas empresas

Com isso, BNDES busca mitigar impactos da pandemia de covid-19 na economia e, por meio de canais não bancários, ampliar crédito para pequenos empreendedores.

Dolar-Moeda estrangeira
Economia

Dólar ultrapassa R$ 5,30 e fecha no maior valor em duas semanas

Nos Estados Unidos, alta da indústria e impasse em negociações de novo pacote de estímulos pressionaram cotação. No Brasil, mercado aguarda reunião do Copom.