Mariz pede prazo a Fachin para envio à Câmara de nova denúncia contra Temer

Está marcado para a próxima quarta-feira a retomada do julgamento, que

Publicado em 14/09/2017 - 19:41 Por Ivan Richard Esposito e André Richter - Repórteres da Agência Brasil - Brasília

A defesa do presidente Michel Temer protocolou há pouco no Supremo Tribunal Federal (STF) pedido para que o ministro Edson Fachin, relator da Lava Jato na Corte, aguarde até a próxima quarta-feira (20) para encaminhar à Câmara dos Deputados a nova denúncia apresentada pelo procurador-geral da República, Rodrigo Janot, contra o presidente.

Está marcado para a próxima quarta-feira a retomada do julgamento, iniciado na quarta-feira (13), que analisa a possibilidade de suspender a apresentação de denúncia contra o presidente da República baseada nas provas obtidas por meio da delação dos executivos da J&F.

“Agora, estou entrando com uma petição pedindo que se aguarde até a quarta-feira a [decisão do plenário] sobre a questão de ordem [apresentada por Fachin]. Em vez de enviar agora a denúncia, que se aguarde até quarta-feira”, disse à Agência Brasil o advogado Antônio Cláudio Mariz, representante de Temer.

Para Mariz, as suspeitas de que o ex-procurador da República Marcello Miller teria beneficiado os delatores da J&F, fato que motivou abertura de processo de revisão da delação premiada dos executivos da empresa, justifica cautela no prosseguimento das investigações e a suspensão da eventual denúncia.

Na denúncia enviada hoje ao SFT, Janot acusa Temer dos crimes de organização criminosa e obstrução de Justiça. Para o procurador, Temer e parlamentares do PMDB, que também constam na denúncia, participaram de um suposto esquema de corrupção envolvendo integrantes do partido na Câmara dos Deputados com objetivo de obter vantagens indevidas em órgãos da administração.

Procurada, a assessoria de imprensa da Presidência da República ainda não se manifestou sobre a denúncia. A assessoria do ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Moreira Franco, negou por meio de nota que ele tenha participado de qualquer grupo para prática ilícita.

"Essa denúncia foi construída com a ajuda de delatores mentirosos, que negociam benefícios e privilégios. Responderei de forma conclusiva quando tiver conhecimento do processo", diz a nota

O ministro-chefe da Casa Civil, Eliseu Padilha, disse acreditar que o Judiciário não vai acatar a denúncia. “A denúncia contra o ministro Eliseu Padilha está amparada em delatores que, sem compromisso com a verdade, contaram as histórias que pudessem lhes dar vantagens pessoais ante o Ministério Público. Ao final, com a inexistência de provas, o Poder Judiciário decidirá por sua inocência”, diz nota da Casa Civil.

Edição: Fernando Fraga

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Voltar ao topo da página