Com 172 votos a favor de parecer, Câmara rejeita denúncia contra Temer

Publicado em 25/10/2017 - 20:49 Por Iolando Lourenço e Heloisa Cristaldo - Repórteres da Agência Brasil - Brasília

Brasília - Votação favorável ao presidente Temer alcança os 172 votos necessários no plenário da Câmara (Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil)

Votação favorável ao presidente Temer alcança os 172 votos necessários para rejeitar a denúnciaFabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil

Com o voto do deputado Lelo Coimbra (PMDB-ES), líder da maioria, o plenário da Câmara rejeitou há pouco o pedido da Procuradoria-Geral da República (PGR) para que o Supremo Tribunal Federal (STF) investigue o presidente Michel Temer e os ministros Eliseu Padilha (Casa Civil) e Moreira Franco (Secretaria Geral). Isso porque, de acordo com a Constituição, era necessário que ao menos dois terços dos deputados votassem a favor da continuidade da investigação. Com o voto número 172 atinge-se um terço da Casa e fica impedido o prosseguimento da denúncia.

No momento em que foi dado o voto decisivo favorável ao parecer do relator, deputado Bonifácio de Andrada (PSDB-MG), que recomendava a inadmissibilidade da autorização para investigar a denúncia, já tinhamvotado pelo prosseguimento da denúncia 156 deputados e por abstenção 15.

No dia 14 de setembro, o ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot apresentou ao STF a segunda denúncia contra o presidente Michel Temer. Em junho, Janot havia denunciado o presidente pelo crime de corrupção passiva. Desta vez, Temer é acusado de liderar uma organização criminosa desde maio de 2016 até 2017. De acordo com a denúncia, o presidente e outros membros do PMDB teriam praticado ações ilícitas em troca de propina, por meio da utilização de diversos órgãos públicos.

Além de Temer, são acusados de participar da organização criminosa os integrantes do chamado "PMDB da Câmara": Eduardo Cunha, Henrique Alves, Geddel Vieira Lima, Rodrigo Rocha Loures, Eliseu Padilha e Moreira Franco. Todos os denunciados negam as acusações.

A sessão teve destinada à apreciação da denúncia teve início às 9h desta quarta-feira e deverá terminar por volta das 22h.

Edição: Amanda Cieglinski

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Supermercado na zona sul do Rio de Janeiro
Economia

Inflação pelo IGP-DI sobe 2,34% em julho, diz FGV

O Índice de Preços ao Produtor Amplo, que mede o atacado, subiu de 2,22% em junho para 3,14% em julho.

Polícia Civil do Rio de Janeiro.
Geral

RJ: Polícia Civil investiga vereador suspeito de desvio em combustível

Ação busca provas materiais da participação do parlamentar no esquema conhecido como bica ou baldinho, em que motoristas desviam parte do material transportado.

Moeda Nacional, Real, Dinheiro, notas de real,Cédulas do real
Economia

BB tem lucro líquido de R$ 3,2 bi no segundo trimestre, queda de 23,7%

Banco do Brasil disse que os efeitos da pandemia sobre a economia causaram recuo da demanda por produtos e serviços, o que impactou receitas com prestação de serviços.

Inscrição,  Fies, educação
Educação

Complementação de inscrições da chamada única do Fies termina hoje

Nesta edição, 107.875 inscritos disputam 30 mil vagas, ofertadas em mais de 1,3 mil instituições de ensino superior.

sala de aula
Educação

UFRJ transfere para o dia 24 o início do período letivo remoto

Período letivo da UFRJ está suspenso desde 16 de março por causa da pandemia. Com o adiamento do início do período letivo, o término passou de 31 de outubro para 14 de novembro.

Cúpula da bomba atômica durante cerimônia para marcar o 75º aniversário do bombardeio atômico em Hiroshima.
Geral

Hiroshima: primeiro ataque com bomba atômica completa 75 anos

Hiroshima foi destruída após o primeiro ataque nuclear da história durante a Segunda Guerra Mundial. Três dias depois os Estados Unidos bombardearam Nagazaki.