Radioteatro conta história do santo casamenteiro

Publicado em 11/06/2014 - 10:27 Por Apresentação Artemisa Azevedo - Brasília

O dia de Santo Antônio está chegando: 13 de junho. Acompanhe história produzida pela equipe da Rádio Nacional da Amazônia que homenageia o santo casamenteiro. Ele encontra muitos caminhos para unir os casais. Pensando nisso, Aninha, a mocinha dessa história, não perdeu as esperanças e se apegou ao santo casamenteiro. Descubra as confusões que ela fez para arrumar um marido.


Produção: Artemisa Azevedo.
Elenco: Carlos Moreira, Patrícia Fontoura e Artemisa Azevedo.
Narração: Artemisa Azevedo.
Sonoplastia: Samuel Farias.

Últimas notícias
Geral

Estudo indica que exercícios regulares não são afetados pela poluição

Manter a forma praticando exercícios regularmente, mesmo nos ambientes poluídos das grandes metrópoles, pode gerar mais benefícios do que malefícios, é o que diz um estudo da USP.

Baixar arquivo
Economia

Congresso Mercado Global de Carbono fala da COP-27 em 2º dia de evento

O Congresso vai até esta sexta-feira (20), no Rio de Janeiro, debatendo e apresentando projetos e estratégias com foco na sustentabilidade.

Baixar arquivo
Geral

Duas pessoas morreram nas ruas de São Paulo após recorde de frio

Nesta madrugada os termômetros chegaram a marcar 6,6ºC, a menor dos últimos 32 anos. A sensação térmica, de acordo com informações do Centro de Gerenciamento de Emergências, era de 2ºC.

Baixar arquivo
Geral

DF tem a menor temperatura registrada de sua história com 1,4ºC

Até então, a temperatura mais baixa havia sido registrada em julho de 1975, quando a capital federal registrou 1,6ºC, recorde que foi igualado nesta quinta-feira às 5h.

Baixar arquivo
Saúde

Campus da Fiocruz reabre ao público com exposição sobre a vida e saúde

O tema da exposição se divide em 14 módulos, convidando o público a conhecer o conceito de saúde, desde a microbiologia à saúde como fenômeno social.

Baixar arquivo
Direitos Humanos

97% de indígenas da área urbana de Manaus vivem com menos de R$600/mês

É o que aponta o projeto MANAÓS, da Fiocruz Amazônia, que quis entender como vivem os indígenas chamados “não aldeiados”, na cidade de Manaus.

Baixar arquivo