Integração de bancos de dados de DNA tem aumentado taxa de solução de crimes

Ciência Forense

Publicado em 11/04/2017 - 12:46 Por Patrícia Leite - Brasília

Faz cinco anos que a jovem Yusllyne foi estuprada e morta na Cidade Estrutural. Mas a dor e a revolta de Alaíce Teixeira, mãe da menina nunca diminuíram.


Ao longo desses anos, os pais não perderam a esperança de que o assassino fosse identificado e preso. Demorou, mas agora eles estão mais perto da Justiça.


Segundo Djalma Rodrigues, padrasto de Yusllyne, o assassino foi identificado em Minas Gerais, onde já havia cometido outros quatro estupros.


Segundo o diretor do Instituto de Pesquisa e DNA Forense, Samuel Ferreira, o caso foi solucionado graças ao trabalho do laboratório de Brasília, que está integrado à Rede Nacional de Bancos de DNA de Criminosos.


Desde 2012, uma lei federal integrou os bancos de DNA de 18 estados e da Polícia Federal, criando uma rede. De lá para cá os laboratórios têm trabalhado para incluir as informações genéticas de crimes antigos no novo sistema.


De acordo com o último relatório do Ministério da Justiça, até maio do ano passado a rede contava com cerca de 3,4 mil vestígios de perfis genéticos cadastrados.


Para aumentar esse banco e permitir que mais casos sejam solucionados é importante que as vítimas de estupro denunciem.

Últimas notícias
Internacional

ONU pede fim de atividades militares perto de usina nuclear ucraniana

O líder das Nações Unidas, António Guterres, pediu às forças militares da Rússia e da Ucrânia que cessem, imediatamente, todas as atividades militares perto da usina nuclear de Zaporizhzhia, no sul da Ucrânia.
 

Baixar arquivo
Saúde

Fiocruz pede registro de novos testes contra varíola dos macacos

A Fundação Oswaldo Cruz pediu à Anvisa - Agência Nacional de Vigilância Sanitária - o registro de dois novos teste para diagnóstico de monkeypox. O pedido foi feito por meio do Instituto de Tecnologia em Imunobiológicos, Bio-Manguinhos.

Baixar arquivo
Economia

Setor de serviços cresce 0,7% na passagem de maio para junho, diz IBGE

Com isso, se encontra 7,5% acima do nível pré-pandemia, de fevereiro de 2020, mas ainda 3,2% abaixo do ponto mais alto, conquistado em novembro de 2014.

Baixar arquivo
Saúde

Ingerir álcool durante a gravidez pode causar síndrome alcoólica fetal

Mesmo que seja baixa a quantidade de álcool ingerida pela futura mãe, ainda existe o risco da doença,  que pode trazer consequências gravíssimas para o feto e recém-nascidos.

Baixar arquivo
Economia

Quase metade dos brasileiros fazem "bicos" para ampliar renda

Pesquisa aponta que quase q metade dos brasileiros com 16 anos de idade ou mais precisaram fazer atividades extras nos últimos 12 meses para complementar sua renda.

Baixar arquivo