Mulheres ganham, em média, R$ 500 a menos que homens nas mesmas ocupações

IBGE

Publicado em 08/03/2019 - 16:33 Por Raquel Júnia - Brasília

Mais de R$500 separam os salários de homens e mulheres no Brasil.

 

Enquanto o rendimento médio masculino ficou em R$2.579 em 2018, o das mulheres registrou R$ 2.050.

 

A diferença é ligeiramente menor nos grupos etários mais jovens e ainda maior em algumas ocupações.

 

Em 2018, o valor médio da hora trabalhada era de R$ 13 para a mulheres, o que corresponde a 91,5% da hora trabalhada para os homens, que ficou em R$14,2.

 

Os dados fazem parte do estudo Diferença do Rendimento do Trabalho de Mulheres e Homens nos Grupos Ocupacionais – Pnad continua 2018, divulgado nesta sexta-feira (8), dia Internacional da Mulher, pelo IBGE.

 

As ocupações com maior nível de instrução também mostram rendimentos desiguais entre homens e mulheres.

 

Nas gerências e direções, as mulheres representam cerca de 40% do contingente e ganham cerca de 71% do salário dos homens, uma diferença média de mais de R$1,7 mil.

 

Já no grupamento dos profissionais das ciências e intelectuais, no qual as mulheres tinham participação majoritária em 2018, a razão dos rendimentos entre os gêneros foi de 64,8%, uma diferença ainda maior.

 

Entre os professores do ensino fundamental, as mulheres recebiam 90,5% do rendimento dos homens.

 

Já entre os professores de universidades e do ensino superior, o rendimento das professoras equivalia a 82,6% do recebido pelos professores.

 

Outras ocupações de nível de instrução mais elevado, como médicos especialistas e advogados, mostraram uma diferença maior entre os rendimentos de mulheres e homens, com as profissionais recebendo cerca de 70% dos homens.

 

A coordenadora geral da Casa da Mulher Trabalhadora, a Camtra, Eleuteria Amora, destaca que o mercado de trabalho reflete a desigualdade entre os gêneros na esfera privada.

 

Em relação a características de cor e raça, o estudo revela que as diferenças persistem em todas as raças, no entanto, entre as pessoas pretas e pardas a distorção salarial é ligeiramente menor.

 

O IBGE explica a diferença apontando que negros e pardos estão em ocupações de rendimentos mais baixos, baseadas em piso mínimo, que apresentam as menores diferenças salariais entre os gêneros.

 

O grupamento ocupacional com a menor desigualdade foi o dos Membros das forças armadas, policiais, bombeiros e militares, no qual o rendimento das mulheres equivale, em média, a 100 % do rendimento dos homens, já que as faixas salariais são fixas de acordo com a evolução na carreira.

 

Últimas notícias
Saúde

Paciente do RJ testa negativo para variante Ômicron

Paciente de 29 anos, que chegou ao Rio vinda recentemente de uma viagem à África do Sul, estava sob suspeita de infecção pela Ômicron, nova variante do coronavírus.

Baixar arquivo
Direitos Humanos

Prêmio de Acessibilidade reconhece iniciativas de inclusão de PCDs

Programa de instituto da Baixada Fluminense que oferece livros com linguagem inclusiva, como em Libras, e ação da prefeitura de João Pessoa que proporciona banho de mar acessível, passeio de caiaque e vôlei sentado foram algumas iniciativas premiadas.

Baixar arquivo
Economia

Produção industrial brasileira recua 0,6% em outubro, diz IBGE

 Esta é a quinta queda consecutiva do indicador, que acumula perda de 3,7%. Os dados estão na Pesquisa Industrial Mensal, divulgada nesta sexta-feira (3) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

Baixar arquivo
Esportes

Em 2000, Gustavo Kuerten chegava ao topo do ranking mundial de tênis

Neste dia, há 21 anos, Gustavo Kuerten vencia a final do Masters de Lisboa, em Portugal, contra um dos favoritos, o norte-americano Andre Agassi. A vitória fez de Guga o primeiro sul-americano a terminar uma temporada como o número 1 do mundo.

Baixar arquivo
Cultura

Merval Pereira é eleito presidente da Academia Brasileira de Letras

O jornalista e escritor de 72 anos, que se tornou acadêmico em 2011, vai presidir a ABL no ano de 2022. Recentemente, a Academia adicionou quatro integrantes: Fernanda Montenegro, Gilberto Gil, Paulo Niemeyer Filho e José Paulo Cavalcanti.

Baixar arquivo
Geral

Pesquisa do IBGE evidencia agravamento da desigualdade social

A crise sanitária provocada pelo coronavírus em todo o mundo tem mostrado o agravamento da disparidade pelas diferenças sociais, refletindo também na economia dos países.

Baixar arquivo