Dieese: preço da cesta básica aumenta em 13 de 17 capitais pesquisadas

Itens que mais subiram foram óleo de soja, leite e arroz agulhinha

Publicado em 09/09/2020 - 15:26 Por Bianca Paiva - Brasília

O preço dos alimentos básicos ficou mais caro em agosto para os consumidores de 13 das 17 capitais pesquisadas pelo Dieese, Departamento Intersindical de Estudos Socioeconômicos. São Paulo registrou o valor mais alto da cesta: R$ 539,95.

Em seguida aparecem Florianópolis, Rio de Janeiro, Porto Alegre e Vitória. A capital capixaba teve o maior aumento na comparação com julho: 5,8%. A cesta de menor valor foi de Aracaju: R$ 398,47.

O óleo de soja subiu em todas as capitais, com destaque para Campo Grande: alta de 31,85%. Segundo o Dieese, as cotações da soja e derivados estão elevadas devido ao aumento das demandas interna e externa.

O preço do arroz agulhinha aumentou em 15 capitais. Em Porto Alegre, a alta foi de 17,91%. Só em Brasília que o cereal caiu 1,45% e em Curitiba ficou estável.

O leite integral subiu em 16 capitais e a manteiga em 12. Os consumidores de 13 cidades também pagaram mais pelo pão francês, que variou de 0,23%, em São Paulo, a 9,78%, em Salvador. A carne bovina de primeira subiu em 12 capitais.

Para a dona de casa Otacília Rodrigues Vidal está difícil pagar por itens tão tradicionais na alimentação do brasileiro.

A administradora Bruna Brites acredita que a alta dos preços também é consequência da pandemia de covid-19.

O professor de Finanças do Ibmec-DF Willian Baghdassarian explica como driblar os preços altos pra não sentir tanto no bolso.

Alguns alimentos registraram queda de preço. É o caso da batata, que recuou em todas as cidades pesquisadas. Em Belo Horizonte e São Paulo, caiu mais de 25%. O feijão carioquinha também ficou mais em conta em 12 capitais.

Em nota, a Abras, Associação Brasileira de Supermercados, informou que o setor tem sofrido pressão de aumento nos preços de forma generalizada repassados pelas indústrias e fornecedores. E faz um alerta para o desequilíbrio entre a oferta e a demanda no mercado interno para evitar transtornos no abastecimento, principalmente neste momento de pandemia do novo coronavírus.

A Abras já comunicou à Secretaria Nacional do Consumidor, do Ministério da Justiça e Segurança Pública, sobre os reajustes de preços de itens como arroz, feijão, leite, carne e óleo de soja. A ideia é buscar soluções junto à cadeia de fornecedores dos produtos vendidos nos supermercados.

 

Edição: Lana Cristina

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Saúde

SP: motoristas e cobradores de ônibus começam a ser vacinados

Motoristas e cobradores de ônibus municipais e intermunicipais do estado de São Paulo começaram a ser vacinados nesta terça-feira. Vão receber a vacina as pessoas com mais de 47 anos, e a previsão é imunizar 165 mil trabalhadores.

Baixar arquivo
Saúde

Câmara discute autorização do cultivo da maconha para uso medicinal

Agressão e bate-boca marcaram a discussão na Câmara dos Deputados sobre o projeto de lei que autoriza o cultivo da maconha para fins medicinais e a votação da medida foi adiada.

Baixar arquivo
Segurança

Golpe! Falsários enviam carta informando sobre supostas indenizações

Mais um golpe na praça. Tem gente se passando por representante do Ministério da Economia e enviando uma carta para contribuintes informando sobre supostas indenizações ou resgate de contribuições previdenciárias.

Baixar arquivo
Internacional

Consulado do Japão oferece 6 tipos de bolsas de estudo a brasileiros

As oportunidades são para cursos de graduação com duração de 5 anos; escola técnica com previsão de formação em 4 anos e cursos profissionalizantes com duração de 3 anos.

Baixar arquivo
Saúde

Prefeitura do Rio vacina pessoas a partir de 41 anos com comorbidades

A partir desta semana, a Prefeitura do Rio de Janeiro passa a vacinar duas faixas etárias por dia contra a covid-19. A imunização será para quem tem 42 e 41anos e tem comorbidades. Profissionais de saúde também devem procurar os postos de vacinação de acordo com a idade.

Baixar arquivo
Cultura

RJ: Palacete do Museu Histórico da Cidade reabre após dez anos fechado

Depois de uma década fechado, o Palacete do Museu Histórico da Cidade, na Gávea, zona sul do Rio de Janeiro, foi reaberto nesta terça-feira (18), que comemora o Dia Internacional dos Museus.

Baixar arquivo