Presidente Kennedy é a cidade com maior PIB per capita do país

No litoral do ES, a cidade se destaca pela extração de petróleo

Publicado em 16/12/2020 - 14:28 Por Tâmara Freire - Rio de Janeiro

A pequena cidade de Presidente Kennedy, no litoral sul do Espírito Santo, voltou a ser a mais rica do país, ao menos na medição do PIB per capita, que divide as riquezas produzidas no município pela sua população.

Em 2018, lá foram produzidos mais de R$ 583 mil por cada um dos cerca de 11 mil habitantes. Já o PIB per capita médio do país ficou em R$ 33.593 naquele ano.

A responsabilidade por esse desempenho é da extração de petróleo, que também levou Ilhabela, em São Paulo, à segunda posição na pesquisa do Produto Interno Bruto dos Municípios 2018, divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística.

A cidade paulista alcançou PIB per capita de quase R$ 419,5 mil. Já Selvíria, no Mato Grosso do Sul, ficou em terceiro, com pouco mais de R$ 362 mil, impulsionada por sediar a usina hidrelétrica de Ilha Solteira.

O pesquisador do IBGE Luiz Antônio de Sá explica que toda a lista de 25 maiores PIBs per capita repete as características do topo.

Já entre as capitais, Brasília ocupou a primeira posição com mais de R$ 85 mil produzidos por habitante, o que representa 2,55 vezes o PIB per capita do Brasil. Considerando essa razão entre o PIB municipal e o nacional, Vitória, na segunda posição, registrou 2,19 e São Paulo, 1,15. A lanterna desse ranking é ocupada por Belém, com 0,63.

O pesquisador do IBGE ressalta que o topo vem perdendo participação, enquanto a base ganha fôlego.

Brasília, por exemplo, tinha, em 2002, um PIB per capita quase três vezes maior do que o índice brasileiro. Mas as diferenças regionais ainda persistem.

O estudo evidencia que, quando esses números são organizados em forma de mapa, é possível ver que regiões como Norte e Nordeste têm predominância de áreas com PIB per capita bastante inferior à média nacional, com poucas exceções, que são justamente as cidades que se destacam por sediar alguma indústria específica de grande relevância.

Já em todo o Sul, no Centro-Oeste e em quase todos os estados do Sudeste, a situação se inverte, com predominância de cidades com PIB per capita maior ou igual à média do país.

 

 

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Geral

Bolsonaro participa da entrega de espadins na Escola Naval

Na cerimônia, o ministro da Defesa, Walter Braga Netto, disse que o recebimento do espadim é a materialização do esforço e da dedicação dos aspirantes.

Baixar arquivo
Educação

Inscrições do Enem 2021 começam em 31 de junho também para treineiros

Estudantes que ainda não completaram o terceiro ano do ensino médio e estão interessados em fazer o Enem - Exame Nacional do Ensino Médio para se autoavaliar, podem se inscrever para a prova como treineiros, mas, apenas para a versão impressa.

Baixar arquivo
Cultura

Morto por covid, diretor de carnaval Laíla é enterrado no Rio

Laíla morreu na sexta-feira por complicações da covid-19. O carnaval carioca também perdeu nessa sexta Amadeu Amaral, o mestre Mug, que por 30 anos comandou a bateria da escola de samba Vila Isabel.

Baixar arquivo
Saúde

Rio inclui gestantes no calendário único de vacinação

A medida também inclui lactantes e  puérperas sem comorbidades. Essas vacinações  devem ser feitas com prescrição médica.

Baixar arquivo
Saúde

Fiocruz entrega mais cinco milhões de vacinas da AstraZeneca

Somando a entrega desta semana, já são 54,8 milhões de doses produzidas e disponibilizadas ao Ministério da Saúde. Outras quatro milhões foram importadas prontas do Instituto Serum da Índia. 

Baixar arquivo
Geral

Treze anos depois, Lei Seca está mais rígida

Atualmente, quem for flagrado conduzindo em via pública com qualquer nível de álcool no sangue tem que pagar quase R$ 3 mil de multa e ficar 12 meses sem carteira de habilitação. Esta é considerada uma infração gravíssima, assim como se recusar a fazer o teste do bafômetro.

Baixar arquivo