Inflação medida pelo IPCA fechou 2020 em 4,52%

É o maior índice desde 2016 e está acima da meta definida pelo CMN

Publicado em 12/01/2021 - 13:51 Por Raquel Júnia - Rio de Janeiro

O ano de 2020 fechou com uma inflação de 4,52%, o maior índice desde 2016 e acima do centro da meta para o ano, de 4%, definido pelo Conselho Monetário Nacional.

O preço dos alimentos e bebidas foi o que mais influenciou no resultado, com uma alta de mais de 14%. Também pesaram no bolso Habitação e Artigos de residência, que, em conjunto com os alimentos, responderam por quase 84% da inflação do ano passado.

As informações do Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo, o IPCA, foram divulgadas nesta terça-feira (12) pelo IBGE.

Os dados do mês de dezembro também revelam a aceleração dos preços. O mês teve a maior alta desde 2002, com 1,35% de aumento, influenciada sobretudo pelos grupos habitação e alimentação e bebidas.

O gerente da pesquisa Pedro, Kislanov, explica que a pandemia está entre os motivos da alta de preços dos alimentos em 2020.

Entre os produtos cujos preços dispararam estão o óleo de soja, que subiu mais de 103%, o arroz, com 76% de inflação, além do leite longa vida, as frutas, as carnes e a batata inglesa.A alta foi generalizada nas 16 regiões pesquisadas, com todas as capitais apresentando resultado acima da meta da inflação.

O grupo habitação subiu em consequência principalmente do reajuste da tarifa de energia elétrica no ultimo mês do ano, quando houve mudança de bandeira tarifária. Já os artigos de residência, com alta de 6%, teve os preços influenciados pela alta do dólar nos eletrodomésticos, equipamentos e artigos de TV, som e informática.

O grupo transportes, que tem o segundo maior peso no IPCA, teve alta de 1,03%. A inflação no grupo foi freada pela queda da gasolina no primeiro semestre e das passagens aéreas, que acumulou deflação de mais de 17%, apesar da escalada de preços em dezembro.

O único grupo que não subiu foi vestuário. E a explicação também é a pandemia, que diminuiu a demanda por roupas. A queda foi de 1,13%.

A inflação pesou ainda mais para os mais pobres. O INPC, que mede a alta de preços para as famílias com rendimentos de um a cinco salários mínimos, apresentou alta de 5,45%.

O pesquisador do IBGE, André Almeida, destaca o comprometimento do orçamento dessas famílias com habitação e alimentação.

Em 2019, o INPC teve alta de 4,48% e o IPCA, de 4,31%.

 

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Saúde

Butantan pede autorização à Anvisa para aplicar CoronaVac em crianças

A Agência informou que a inclusão de uma nova faixa etária depende do encaminhamento de estudos que comprovem segurança e eficácia para as idades solicitadas. Única liberada para menores até o momento é a Pfizer.

Baixar arquivo
Saúde

Fiocruz inicia produção do IFA nacional e entrega 80 milhões de doses

A produção na fábrica de Bio-Manguinhos, no Rio de Janeiro, é um marco para a produção autônoma da vacina da Astrazeneca no Brasil. Até então a Fiocruz dependia da importação do insumo.

Baixar arquivo
Geral

Aumenta em 30% a presença de animais de companhia em lares brasileiros

De acordo com a pesquisa Radar Pet 2021, realizada pela Comissão de Animais de Companhia Comac, o número de animais de companhia nos lares brasileiros aumentou cerca de 30% durante a pandemia do novo coronavírus.

Baixar arquivo
Geral

Conta de energia elétrica continua na bandeira vermelha em agosto

Segundo a Aneel, a bandeira vermelha se justifica pelo baixo nível dos principais reservatórios do SIN, o Sistema Interligado Nacional.

Baixar arquivo
Saúde

Estado do RJ tem redução de mortes por covid entre junho e julho

Estudo comparou os dados epidemiológicos de duas semanas: de 11 a 17 de julho e de 27 de junho a 3 de julho.  

Baixar arquivo
Direitos Humanos

40 mil denúncias de violência doméstica são feitas até junho no Brasil

São casos de desrespeito contra a liberdade, a segurança, o patrimônio e a integridade das mulheres. 

Baixar arquivo