Estudantes negros da UnB denunciam fraudes no sistema de cotas; universidade investiga 100 alunos

Sistema de cotas

Publicado em 28/12/2017 - 13:25 Por Sayonara Moreno - Brasília

A primeira universidade do país a adotar as cotas raciais para ingresso no ensino superior, investiga 100 estudantes suspeitos de fraudar este sistema. A Universidade de Brasília (UnB) criou uma comissão que investiga, internamente, os alunos que se declararam negros, mas a aparência física não corresponde à autodeclaração.

 

A partir de denúncias de estudantes negros da UnB, o Ministério Público e a universidade negociam um TAC, Termo de Ajustamento de Conduta, que prevê procedimentos para “prevenir, coibir e punir fraudes”. Em nota, a UnB explicou que, até então, a lei de cotas previa o ingresso ao ensino superior por meio de autodeclaração. No entanto, confirma a necessidade do TAC e que uma comissão interna apura os casos denunciados.

 

O caso não é novidade. Em diversos estados do país, há situações em que estudantes negros denunciam a ocupação de vagas de cotas por alunos não negros, sobretudo em cursos de maior concorrência, como áreas de saúde e engenharias.

 

A Universidade Federal do Recôncavo Baiano (UFRB) tem 83% de estudantes negros e passa pelo mesmo impasse: investiga estudantes de medicina que fraudaram o sistema de cotas. O estudante de museologia da instituição Paulo Reis argumenta que o problema amplia a exclusão. Além disso, ele defende que o sistema de cotas seja melhor aplicado, para que a sociedade não se volte contra a política afirmativa.

 

Além da UnB e da UFRB, a Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) enfrenta o problema e teve o caso mais emblemático com o estudante Vinícius Loures, que ingressou no curso de medicina se declarando negro. No entanto, ele tem cabelos loiros, olhos e pele clara. Por isso, a instituição passou a exigir, para o ingresso por cotas, que o candidato escreva uma carta formal citando elementos que o identifiquem como negro, pardo ou índio. A Federal do Rio Grande do Sul (UFRS) investiga 334 estudantes cotistas.

 

O Ministério Público Federal acompanha casos semelhantes na Universidade Federal do Paraná e na federal do Espírito Santo (Ufes).  A Universidade de Brasília também informou, em nota, que uma reunião está agendada para a primeira semana de janeiro, entre a direção da universidade, integrantes do Ministério Público Federal, a comissão de sindicância e o Cebraspe, a banca organizadora dos vestibulares da instituição. Com a reunião, serão definidos procedimentos adequados a partir do acordo firmado no TAC. A UnB permite o ingresso de estudantes negros, pardos e indígenas, pelo sistema de cotas, há mais de 10 anos.

Últimas notícias
Economia

Em junho, balança comercial registra saldo positivo de U$ 8,8 bilhões

O Brasil exportou mais de U$ 32,7 bilhões em produtos ao longo do mês passado. E comprou de outros países quase U$ 24 bilhões.

Baixar arquivo
Geral

Funcionários podem ser punidos em caso de difamação nas redes

Os funcionários podem usar suas redes sociais para fazer desabafos sobre o trabalho desde que não violem o direito à imagem e à privacidade da empresa

Baixar arquivo
Geral

TSE: eleições terão novos recursos de acessibilidade

O vídeo feito por uma intérprete de Libras será exibido em todas as 577 mil urnas eletrônicas preparadas para a eleição de outubro

Baixar arquivo
Economia

Doação de pessoa para campanha via PIX só pode ser feita com CPF

A decisão por unanimidade foi do plenário do Tribunal Superior Eleitoral na sessão desta sexta-feira.

Baixar arquivo
Cultura

Sinal da TV Brasil chega a Feira de Santana, na Bahia

O sinal da TV pública nacional agora pode ser assistido na região pelo canal aberto, disponível para mais de 700 mil telespectadores.  

Baixar arquivo
Educação

Vestibular de 2023 da USP terá novo critério de classificação

Todos os candidatos, incluindo alunos cotistas, vão disputar primeiro as vagas de Ampla Concorrência. Já os que fizeram todo o Ensino Médio em escolas públicas também concorrem às vagas destinadas a alunos de Escolas Públicas e os candidatos autodeclarados pretos, pardos e indígenas ainda podem disputar as vagas destinadas às cotas raciais, as chamadas PPI.

Baixar arquivo