Aborto é a quinta causa de mortes maternas no país

Publicado em 22/12/2014 - 10:11 Por Sayonara Moreno - Brasília

Elisa Babosa é de Goiânia, tem 24 e é mãe de uma menina de quatro. Este ano, realizou um aborto e ainda assim faz questão de se identificar. Ela diz que engravidou mesmo tomando pílula anticoncepcional, durante um relacionamento difícil que chegou ao fim. Hoje, Elisa é doula: apoia mulheres durante o nascimento dos filhos e defende o parto humanizado. Para ela, o fato de ter abortado não a faz menos mulher, nem menos humana.

 

Elisa é apenas mais uma entre as mulheres que interrompem a gestação. Como o aborto provocado é proibido no Brasil, elas recorrem a procedimentos caseiros ou a clínicas clandestinas, o que pode levar a complicações e até mesmo à morte. Muitas delas preferem não se identificar e temem ser julgadas por outras pessoas ou até pela família.

 

De acordo com o Ministério da Saúde, a interrupção da gravidez é a quinta causa de mortes maternas no país. Para a presidente do Movimento Brasil Sem Aborto e professora da Universidade de Brasília, Lenise Garcia, os casos de mulheres que morrem por conta do aborto clandestino não se resolvem com a legalização.

 

A Pesquisa Nacional do Aborto, realizada pela ANIS, Instituto de Bioética, Direitos Humanos e Gênero, da Universidade de Brasília, aponta que uma em cada cinco mulheres já fez um aborto até os 40 anos. Para a professora da UnB e pesquisadora da ANIS, Débora Diniz, a descriminalização é a solução para o problema no Brasil.

 

No Código Penal brasileiro, o aborto é crime e quem pratica pode ser preso. Mas em três situações a interrupção da gravidez é permitida: quando não há outra forma de salvar a vida da mãe, quando a gravidez for resultante de estupro e, por determinação do Supremo Tribunal Federal, em caso de anencefalia, quando exames comprovam que o feto não desenvolveu o cérebro.

Últimas notícias
Educação

Senado: Comissão de Educação debate novo ensino médio

Serão realizadas duas audiências públicas nesta semana sobre o tema. O texto, já aprovado pela Câmara, precisa ser votado na comissão antes de seguir para o plenário.

Baixar arquivo
Geral

Motoristas profissionais devem fazer toxicológico até dia 30

Termina em 30 de abril o prazo para realização do exame toxicológico dos condutores de veículos das categorias C, D e E, que são os motoristas profissionais.

Baixar arquivo
Geral

PCC é alvo de operação do MP de SP no combate a fraudes em licitações

A área de atuação dessa quadrilha englobava cidades do interior, da grande São Paulo e do litoral.

Baixar arquivo
Direitos Humanos

PM e famílias negociam ocupação de prédio no bairro Mandaqui, em SP

A polícia militar e as famílias que estão em uma ocupação no bairro do Mandaqui, na zona norte da cidade, seguem negociando a desocupação do local.

Baixar arquivo
Geral

Assassino de Ari Uru-Eu-Wau-Wau é condenado a 18 anos de prisão

O comerciante João Carlos da Silva foi condenado, inicialmente em regime fechado, pelo crime de homicídio duplamente qualificado cometido contra o professor e líder indígena Ari Uru-Eu-Wau-Wau, ocorrido em abril de 2020.

Baixar arquivo
Geral

UFRRJ retoma aulas uma semana depois da morte de estudante

A Administração Central da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro, em Seropédica, Baixada Fluminense, decidiu que até a próxima sexta-feira as aulas deverão ocorrer presencialmente.

Baixar arquivo