Aborto é a quinta causa de mortes maternas no país

Publicado em 22/12/2014 - 10:11 Por Sayonara Moreno - Brasília

Elisa Babosa é de Goiânia, tem 24 e é mãe de uma menina de quatro. Este ano, realizou um aborto e ainda assim faz questão de se identificar. Ela diz que engravidou mesmo tomando pílula anticoncepcional, durante um relacionamento difícil que chegou ao fim. Hoje, Elisa é doula: apoia mulheres durante o nascimento dos filhos e defende o parto humanizado. Para ela, o fato de ter abortado não a faz menos mulher, nem menos humana.

 

Elisa é apenas mais uma entre as mulheres que interrompem a gestação. Como o aborto provocado é proibido no Brasil, elas recorrem a procedimentos caseiros ou a clínicas clandestinas, o que pode levar a complicações e até mesmo à morte. Muitas delas preferem não se identificar e temem ser julgadas por outras pessoas ou até pela família.

 

De acordo com o Ministério da Saúde, a interrupção da gravidez é a quinta causa de mortes maternas no país. Para a presidente do Movimento Brasil Sem Aborto e professora da Universidade de Brasília, Lenise Garcia, os casos de mulheres que morrem por conta do aborto clandestino não se resolvem com a legalização.

 

A Pesquisa Nacional do Aborto, realizada pela ANIS, Instituto de Bioética, Direitos Humanos e Gênero, da Universidade de Brasília, aponta que uma em cada cinco mulheres já fez um aborto até os 40 anos. Para a professora da UnB e pesquisadora da ANIS, Débora Diniz, a descriminalização é a solução para o problema no Brasil.

 

No Código Penal brasileiro, o aborto é crime e quem pratica pode ser preso. Mas em três situações a interrupção da gravidez é permitida: quando não há outra forma de salvar a vida da mãe, quando a gravidez for resultante de estupro e, por determinação do Supremo Tribunal Federal, em caso de anencefalia, quando exames comprovam que o feto não desenvolveu o cérebro.

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Geral

Governo vai expandir possibilidade de sinal de rádio FM

O ministro das Comunicações, Fábio Faria, assinou nesta quinta-feira (13) uma portaria, junto com o presidente Jair Bolsonaro, para regularizar o serviço de retransmissão de rádio.

Baixar arquivo
Saúde

Rio registra aumento de leitos hospitalares pela 1ª vez em 10 anos

Após a perda de 16 mil leitos hospitalares, apenas entre 2011 e 2019, o Rio de Janeiro viu, em 2020, pela primeira vez, aumento no registro de vagas nas unidades de saúde.

Baixar arquivo
Política

Pesquisa DataSenado faz mapeamento de como a pandemia afetou o ensino

Estudante do oitavo ano do ensino fundamental em Brasília, Arthur Cardoso relata os desafios que tem enfrentado desde que as escolas fecharam, por consequência da pandemia do novo coronavírus.
 

Baixar arquivo
Saúde

Planos de saúde devem cobrir teste rápido de Covid-19

Os planos de saúde são obrigados a cobrir os testes sorológicos para a Covid-19. A medida foi aprovada pela Diretoria da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), por unanimidade, em reunião nesta quinta-feira (13).

Baixar arquivo
Economia

Governo lança aplicativo eSocial Doméstico para empregadores

A partir de agora o eSocial  tem aplicativo para celulares. Com a medida, empregadores poderão realizar registro do empregado e gerenciamento da folha de pagamento pelo celular.

Baixar arquivo
Política

Saúde diz que usou 48% dos recursos destinados ao combate à pandemia

O Ministério da Saúde gastou 48% dos recursos destinados exclusivamente para o combate à pandemia da Covid-19, informou o ministro interino da pasta, Eduardo Pazuello, durante audiência pública realizada nesta quinta-feira (13) no Congresso Nacional.

Baixar arquivo