MP do Rio investiga irregularidades no Inmetro

Denúncia

Publicado em 11/07/2018 - 19:05 Por Fabiana Sampaio - Rio de Janeiro

O Ministério Público Federal (MPF) do Rio de Janeiro apura denúncias de irregularidades no Inmetro, Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia, com sede na capital fluminense.

 

As suspeitas envolvem denúncias de assédio moral, impedimentos para instalação de corregedoria interna, sucateamento do órgão e desvios de recursos.

 

São investigados o atual presidente do instituto, Carlos Augusto Azevedo, e o ex-diretor de Administração e Finanças, Alexander Assis de Oliveira, exonerado há uma semana.

 

A procuradora da República Renata Batista, da unidade do MPF em São João de Meriti, na Baixada Fluminense, afirmou que, pelas apurações, há um grave comprometimento da alta administração do Inmetro, que envolve desde uma articulação para atrasar ou impedir a instalação do setor de corregedoria interna, que poderia atuar para evitar outras irregularidades, passando pelo sucateamento do órgão e chegando até fatos bem mais graves, como desvios de recursos públicos federais.

 

A procuradora quer esclarecer ainda irregularidades em contratos com empresas de limpeza e de processamento de dados, além de outras questões no registro e nas anuências de licença de importação.

 

Também são alvos da investigação denúncias da condenação em segunda instância do presidente do Inmetro, Carlos Augusto Azevedo, por improbidade administrativa, no período em que ele estava à frente da Faetec, Fundação de Apoio à Escola Técnica.

 

Em entrevista à Agência Brasil a procuradora Renata Batista afirmou que o MPF em São João de Meriti vem enfrentando grande resistência em obter documentos públicos necessários às investigações, o que, segundo ela, mais uma vez, tem funcionado como uma tentativa de blindar o órgão das apurações.

 

Procurado pela Agência Brasil, o atual presidente do Inmetro, Carlos Augusto Azevedo, admite que houve “um problema” na Faectec, em 2002, mas que a ação já foi julgada e ele sofreu a sanção que a lei previa. 

 

Azevedo afirmou ainda que, quando foi indicado para o comando do Inmetro, teve o seu nome analisado pela Presidência da República e não foi identificada “qualquer impossibilidade”.

 

Já Alexander Assis de Oliveira, acusado de assédio moral e irregularidades em contratos de serviços de empresas, disse que as denúncias, feitas segundo ele, por um servidor, já foram verificadas pela Controladoria Geral da União (CGU) no ano passado e todas respondidas.

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Geral

Governo vai expandir possibilidade de sinal de rádio FM

O ministro das Comunicações, Fábio Faria, assinou nesta quinta-feira (13) uma portaria, junto com o presidente Jair Bolsonaro, para regularizar o serviço de retransmissão de rádio.

Baixar arquivo
Saúde

Rio registra aumento de leitos hospitalares pela 1ª vez em 10 anos

Após a perda de 16 mil leitos hospitalares, apenas entre 2011 e 2019, o Rio de Janeiro viu, em 2020, pela primeira vez, aumento no registro de vagas nas unidades de saúde.

Baixar arquivo
Política

Pesquisa DataSenado faz mapeamento de como a pandemia afetou o ensino

Estudante do oitavo ano do ensino fundamental em Brasília, Arthur Cardoso relata os desafios que tem enfrentado desde que as escolas fecharam, por consequência da pandemia do novo coronavírus.
 

Baixar arquivo
Saúde

Planos de saúde devem cobrir teste rápido de Covid-19

Os planos de saúde são obrigados a cobrir os testes sorológicos para a Covid-19. A medida foi aprovada pela Diretoria da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), por unanimidade, em reunião nesta quinta-feira (13).

Baixar arquivo
Economia

Governo lança aplicativo eSocial Doméstico para empregadores

A partir de agora o eSocial  tem aplicativo para celulares. Com a medida, empregadores poderão realizar registro do empregado e gerenciamento da folha de pagamento pelo celular.

Baixar arquivo
Política

Saúde diz que usou 48% dos recursos destinados ao combate à pandemia

O Ministério da Saúde gastou 48% dos recursos destinados exclusivamente para o combate à pandemia da Covid-19, informou o ministro interino da pasta, Eduardo Pazuello, durante audiência pública realizada nesta quinta-feira (13) no Congresso Nacional.

Baixar arquivo