Greve de policiais militares no Ceará chega ao fim

Proposta aceita

Publicado em 02/03/2020 - 16:54 Por Dayana Vitor - Brasília

Após 13 dias parados, os policiais militares do Ceará voltaram ao trabalho. Em assembleia realizada nesse domingo eles aceitaram a última proposta enviada à categoria, e assinaram o acordo em cerimônia no Ministério Público estadual nesta segunda-feira.


O texto prevê a revisão da proposta de reajuste salarial que elevaria a remuneração inicial de R$ 3,4 mil para R$ 4,5 mil até março de 2022. E o compromisso de analisar a situação de cada policial que aderiu ao movimento - mas não seria a anistia, que é um tipo de perdão.


O governador do estado, Camilo Santana, garantiu que apesar da punição dos grevistas, os direitos serão respeitados.


“Ao final desse lamentável episódio, reafirmo que todos os processos abertos contra pessoas que infringiram a lei serão conduzidos respeitando processo legal, sem possibilidade de anistia para quem praticou crimes e ameaçou a segurança da nossa população. Ninguém está acima da lei”.


O acordo aceito pelos PMs foi elaborado por uma comissão com membros dos poderes Executivo, Legislativo e Judiciário. Um dos integrantes dessa comissão, o deputado estadual Evandro Leitão acredita que os policiais resolveram voltar ao trabalho devido ao clamor da população, que estava com medo do aumento da violência.

 

“O clamor dos nove milhões de cearenses, que estavam em um momento de aflição, sem a ordem pública ser reestabelecida, sem segurança. Temos várias pessoas que perderam avida, e isso fez com que as pessoas do movimento se sensibilizassem e tivessem a percepção de que seria necessário o retorno às atividades normais”.


Com o início da greve dos policiais militares em 18 de fevereiro, o número de crimes violentos aumentou no Ceará. Foram episódios diários de tensão. Em 19 de fevereiro, o senador Cid Gomes levou dois tiros ao tentar entrar em um quartel em Sobral dirigindo uma escavadeira.


Em apenas uma semana, o número de mortes foi de, pelo menos, 170. Os cearenses conviviam também com o temor de outros crimes, como os assaltos.


Para tentar diminuir a violência nas ruas durante a paralisação dos militares, cerca de 3 mil homens das Forças Armadas e da Força Nacional de Segurança Pública foram enviados ao estado no dia 20 de fevereiro.

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Geral

Governo vai expandir possibilidade de sinal de rádio FM

O ministro das Comunicações, Fábio Faria, assinou nesta quinta-feira (13) uma portaria, junto com o presidente Jair Bolsonaro, para regularizar o serviço de retransmissão de rádio.

Baixar arquivo
Saúde

Rio registra aumento de leitos hospitalares pela 1ª vez em 10 anos

Após a perda de 16 mil leitos hospitalares, apenas entre 2011 e 2019, o Rio de Janeiro viu, em 2020, pela primeira vez, aumento no registro de vagas nas unidades de saúde.

Baixar arquivo
Política

Pesquisa DataSenado faz mapeamento de como a pandemia afetou o ensino

Estudante do oitavo ano do ensino fundamental em Brasília, Arthur Cardoso relata os desafios que tem enfrentado desde que as escolas fecharam, por consequência da pandemia do novo coronavírus.
 

Baixar arquivo
Saúde

Planos de saúde devem cobrir teste rápido de Covid-19

Os planos de saúde são obrigados a cobrir os testes sorológicos para a Covid-19. A medida foi aprovada pela Diretoria da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS), por unanimidade, em reunião nesta quinta-feira (13).

Baixar arquivo
Economia

Governo lança aplicativo eSocial Doméstico para empregadores

A partir de agora o eSocial  tem aplicativo para celulares. Com a medida, empregadores poderão realizar registro do empregado e gerenciamento da folha de pagamento pelo celular.

Baixar arquivo
Política

Saúde diz que usou 48% dos recursos destinados ao combate à pandemia

O Ministério da Saúde gastou 48% dos recursos destinados exclusivamente para o combate à pandemia da Covid-19, informou o ministro interino da pasta, Eduardo Pazuello, durante audiência pública realizada nesta quinta-feira (13) no Congresso Nacional.

Baixar arquivo