Instituições recomendam adiamento de mudanças no WhatsApp

Publicado em 14/05/2021 - 07:46 Por Luísa Câmara - Estagiária da Rádio Nacional* - Brasília

A partir deste sábado (15), o WhatsApp vai limitar funções de contas de usuários que não aceitarem as novas regras da política de privacidade do aplicativo.

Entre as principais mudanças, está o compartilhamento de dados de usuários do WhatsApp com o Facebook. O Facebook e outras empresas do mesmo grupo também podem usar dados do WhatsApp para fazer sugestões por exemplo, de amigos, de contatos ou de conteúdo, e mostrar ofertas e anúncios.

O Ministério Público Federal, o Conselho Administrativo de Defesa Econômica, a Autoridade Nacional de Proteção de Dados e a Secretaria Nacional do Consumidor enviaram ao WhatsApp e ao Facebook uma recomendação sobre a nova política de privacidade. Além de indicar providências sobre o acesso dos usuários à plataforma, os órgãos recomendam ao WhatsApp que adie a data de vigência de sua nova política.

Em nota, o WhatsApp informou que a atualização anunciada em janeiro não amplia a capacidade do aplicativo de compartilhar dados com o Facebook e não interfere na comunicação privada do usuário com amigos e familiares. Diz ainda que as mudanças na política de privacidade estão relacionadas a conversas com empresas e foram pensadas para aumentar a transparência dessas conversas no WhatsApp.

O procurador Carlos Bruno explica que os usuários que se sentirem lesados podem buscar seus direitos.

O aplicativo esclarece que, mesmo com a mudança nos termos de privacidade, conversas pessoais continuam protegidas com a criptografia de ponta a ponta. Porém, a proteção da criptografia em conversas com contas comerciais não está garantida.

O WhatsApp afirma que a intenção não é apagar a conta dos usuários que não aceitarem as mudanças e sim limitar algumas funções. Mas na prática, aqueles que não tiverem concordado com os novos termos irão ler um lembrete persistente com mais frequência, para que aceitem as regras.

E o que acontece se o usuário não aceitar as novas regras do WhatsApp? A funcionalidade ficará limitada e não será mais possível acessar a lista de conversas. Depois de mais algumas semanas, não será mais possível receber ligações ou notificações e o WhatsApp irá parar de enviar mensagens e chamadas para o telefone. O aplicativo não esclareceu em quanto tempo essas restrições serão aplicadas.

 

*Com supervisão de Nadia Faggiani.

Edição: Nádia Faggiani/ Beatriz Arcoverde

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Geral

Em 2019, 1,8 milhão de crianças foram submetidas ao trabalho infantil

1,8 milhão de crianças e adolescentes foram submetidas ao trabalho infantil em 2019, e o trabalho infantil tem um perfil de cor e idade.

Baixar arquivo
Saúde

Observatório Covid-19: pandemia pode se agravar com entrada do inverno

Infectologista destaca que o inverno é um momento de alerta e que em caso de aparecimento de sintomas relacionados a doenças respiratórias, como coriza, febre, tosse, dor de garganta, é necessária uma avaliação médica. 

Baixar arquivo
Geral

Prefeitura e MP firmam cooperação contra ocupação irregular no Rio

O Ministério Público Estadual e a Prefeitura do Rio de Janeiro assinaram, nesta segunda-feira, um termo de cooperação para reforçar o combate a um grave problema urbano, que vem provocando seguidas tragédias: as construções irregulares na capital fluminense.

Baixar arquivo
Pesquisa e Inovação

USP desenvolve nova tecnologia para detectar medicamentos no organismo

Já existem métodos para identificar a presença de medicamentos no organismo como a cromatografia líquida. Mas esse tipo de análise pode ser mais simples, mais rápida e mais barata com um equipamento desenvolvido no Instituto de Química do campus São Carlos, da Universidade de São Paulo.

Baixar arquivo
Segurança

PM é preso suspeito de liderar violenta milícia da zona Oeste do Rio

Duas pessoas foram presas pela Polícia Civil do Rio de Janeiro durante uma operação, nesta segunda-feira, contra uma quadrilha de milicianos, que atuam na zona oeste da capital fluminense. Entre os suspeitos detidos está um policial militar, apontado como líder do grupo.

Baixar arquivo