Treze anos depois, Lei Seca está mais rígida

Multa por dirigir depois de beber chega a quase R$ 3 mil

Publicado em 19/06/2021 - 16:31 Por Lucas Pordeus Leon - Rádio Nacional - Brasília

 Já se passaram 13 anos desde que o Brasil instituiu a Lei Seca, em 19 de junho de 2008. Ao longo do tempo a legislação, foi ficando cada vez mais rígida.

Atualmente, quem for flagrado conduzindo em via pública com qualquer nível de álcool no sangue tem que pagar quase R$ 3 mil de multa e ficar 12 meses sem carteira de habilitação. Esta é considerada uma infração gravíssima, assim como se recusar a fazer o teste do bafômetro.

Em caso de reincidência, a multa dobra de valor.

Beber alcoolizado também pode ser considerado crime se o teor alcoólico encontrado for muito alto, ou seja, igual ou superior a 6 decigramas de álcool por litro de sangue ou igual ou superior a 0,3 miligrama de álcool por litro de ar. Nesses casos, a pena varia de seis meses a três anos de detenção, mais multa e suspensão ou proibição de dirigir. Se o motorista embriagado causar morte ou lesão no trânsito, a pena varia de cinco a oito anos de reclusão.

O diretor-presidente do Detran do Amazonas, Rodrigo de Sá Barbosa, destaca que apesar da melhoria trazida pela Lei Seca na diminuição da violência no trânsito, muitos condutores ainda se arriscam no volante.

Nos últimos 4 anos, em média, foram autuados no Amazonas 2,4 mil pessoas por dirigir depois de beber ao ano, número considerado alto pelo representante do Detran local.

No Distrito Federal, um levantamento recente mostra que no ano anterior à vigência da lei seca, 2007, Brasília registrou 500 mortes no trânsito. Já no 13º ano da lei, de junho de 2020 a junho deste ano, foram 170 mortes.

Edição: Bianca Paiva / L Pedrosa

Dê sua opinião sobre a qualidade do conteúdo que você acessou.

Para registrar sua opinião, copie o link ou o título do conteúdo e clique na barra de manifestação.

Você será direcionado para o "Fale com a Ouvidoria" da EBC e poderá nos ajudar a melhorar nossos serviços, sugerindo, denunciando, reclamando, solicitando e, também, elogiando.

Denúncia Reclamação Elogio Sugestão Solicitação Simplifique
Últimas notícias
Política

Airton Cascavel nega participação em negociações de compra de vacinas

A CPI da Pandemia ouviu, nesta quinta-feira, o ex-assessor do Ministério da Saúde, Airton Soligo, conhecido como Airton Cascavel. Ele explicou que sua função era dialogar com governadores e prefeitos e negou que tenha participado de negociações sobre compra de vacinas.

Baixar arquivo
Política

Bolsonaro confirma Bruno Bianco como futuro ministro da AGU

O presidente Jair Bolsonaro confirmou, nesta quinta-feira, que Bruno Bianco será o novo ministro da AGU, a Advocacia-Geral da União.

Baixar arquivo
Cultura

Exposição no Rio reflete sobre futuro das cidades

A vida nas grandes cidades é o tema da exposição “Futuros Urbanos”, que acontece no Museu do Amanhã, no Rio de Janeiro.

Baixar arquivo
Direitos Humanos

Rio: Metrô faz ação de prevenção e combate à violência contra mulher

Os 15 anos da Lei Maria da Penha serão lembrados com rondas, até o próximo sábado (7), dentro dos vagões femininos, para atendimento e orientação às passageiras.

Baixar arquivo
Esportes

Paralimpíada: parte da delegação brasileira embarca para disputa

Na madrugada desta quinta-feira (5), as seleções paralímpicas de natação, tênis de mesa, halterofilismo e goalball, além de membros das comissões técnicas, médica e administrativa, embarcaram rumo a sede dos Jogos.

Baixar arquivo
Esportes

Copa do Brasil: Flamengo faz jogo de volta contra ABC, em Natal

O técnico Renato Gaúcho, Gabigol e os principais jogadores do Flamengo não viajaram para Natal, onde o rubro-negro enfrenta nesta quinta-feira (5), às 21h30, o ABC pela Copa do Brasil.

Baixar arquivo