Após 18 anos, acusado de ordenar Chacina de Unaí é julgado pela 2ª vez

3 auditores que fiscalizavam trabalho escravo e motorista foram mortos

Publicado em 24/05/2022 - 14:55 Por Márcia Bueno - repórter da Rádio Inconfidência, para a Rádio Nacional - Belo Horizonte

A dois anos de prescrever, o crime que matou três auditores fiscais e um motorista em 28 de janeiro de 2004, na zona rural de Unaí, noroeste de Minas Gerais, durante fiscalização de trabalho análogo ao escravo, já até motivou a criação dos dias do Auditor Fiscal e de Combate ao Trabalho Escravo na mesma data. No entanto, 18 anos após o episódio conhecido como Chacina de Unaí, os mandantes ainda não foram condenados em definitivo e recorrem em liberdade.

Nesta terça-feira (24), um deles, o ex-prefeito de Unaí, Antério Mânica, passa pelo segundo julgamento ainda em primeira instância. Isso porque a primeira decisão do Tribunal do Júri, ocorrida em novembro de 2015, já 11 anos depois do crime, foi anulada por dois votos a um no Tribunal Regional Federal da 1ª região em 2018, por falta de provas.

Ele havia sido condenado a 100 anos de prisão, logo após o irmão Norberto Mânica receber a mesma sentença. Ambos são produtores rurais em Unaí e foram acusados pelo Ministério Público Federal (MPF) de darem as ordens para matar os auditores fiscais do Ministério do Trabalho Nelson José da Silva, João Batista Soares Laje e Erastótenes de Almeida Gonçalves, além do motorista que os transportavam na data, Ailton Pereira de Oliveira.

Até o momento, apenas os três executores do crime foram condenados e estão presos. Para a delegada sindical em Minas do Sindicato Nacional dos Auditores Fiscais do Trabalho Ivone Corgosinho, as defesas dos réus devem tentar manobras até a data de prescrição do crime, mas os auditores-fiscais precisam de um posicionamento definitivo da Justiça para terem tranquilidade no exercício das fiscalizações do trabalho.

“A expectativa dos auditores fiscais do trabalho com o julgamento de Antério Mânica é que a impunidade possa terminar e que nós possamos ter paz para seguir o nosso caminho, as nossas atribuições, as nossas funções para exercer o que o Estado demanda de nós, sem o medo que a impunidade nos impõe. São 18 anos. As provas são robustas. Todos sabem como foi a metodologia e a organização do crime”.

Nesta segunda-feira, uma audiência pública da Comissão de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa de Minas Gerais ouviu familiares dos trabalhadores assassinados e representantes de classe sobre os rumos dos julgamentos relativos à Chacina de Unaí.

Enquanto isso, na Câmara Federal, manifestação do vice-líder do governo, o deputado federal Edson de Melo (PP-ES), continua sendo alvo de polêmica e repúdio por parte de representações dos auditores fiscais.

Em audiência da comissão de Agricultura e Pecuária da câmara no último dia 18, o deputado chamou de praga e de presença insuportável alguns fiscais do trabalho que atuam nas plantações de café no Espírito Santo e em outras regiões do país. “São poucos, mas existem”, afirma o deputado, que acusa os profissionais de perseguirem e tratarem produtores e trabalhadores rurais como bandidos.

Edição: Rádio Nacional/ Sumaia Villela

Últimas notícias
Geral

Chuvas atingem regiões Norte e Nordeste neste fim de semana

Neste fim de semana, a umidade relativa do ar continua alta em quase todo o país. Para a semana que vem, estão previstas chuvas na Região Sul, mas não há previsão de geada intensa nem queda de temperatura para os próximos dias.

Baixar arquivo
Saúde

Saúde diz que Brasil está preparado para enfrentar varíola dos macacos

Marcelo Queiroga disse que o Brasil está preparado para enfrentar a varíola do macacos, chamada de Monkeypox. A estratégia, segundo o ministro, é fortalecer o sistema SUS e monitorar as fronteiras.

Baixar arquivo
Saúde

Ex-secretário-executivo do Ministério da Saúde toma posse na Anvisa

O novo diretor da Anvisa - Agência Nacional de Vigilância Sanitária, Daniel Meirelles Fernandes Pereira, tomou posse nesta sexta-feira.

Baixar arquivo
Cultura

Cem anos do rádio no Brasil: o Sistema de Radiodifusão Educativa

Os anos 1980 podem ser considerados a “Era de Ouro das rádios educativas”. Nessa época, a ideia de construção de uma rede de emissoras de caráter cultural e educativo foi materializada com a criação, em 1983, do SINRED, o Sistema Nacional de Radiodifusão Educativa.

Baixar arquivo
Cultura

Eduardo Giannetti é o novo imortal da Academia Brasileira de Letras

O escritor, professor e economista Eduardo Giannetti tomou posse nesta sexta-feira como o mais novo imortal da Academia Brasileira de Letras. Giannetti ocupa a Cadeira 2, sucedendo ao filósofo e professor Tarcísio Padilha, que faleceu no ano passado.

Baixar arquivo
Justiça

Justiça do Rio mantém prisão de filha acusada de aplicar golpe na mãe

A Justiça do Rio manteve a prisão temporária da atriz Sabine Boghici, acusada de aplicar um golpe milionário na mãe de 82 anos, viúva do colecionador de arte Jean Boghici.

Baixar arquivo